DEUS NÃO É RELIGIÃO OU SEITA, POIS RELIGIÕES E SEITAS SÃO COISAS DOS HOMENS E MULHERES, COMO AS CRENDICES.

E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. João 8:32 - Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade. João 17:17 - Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim tem a vida eterna. João 6:47 - Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade. 2 Coríntios 13:8.


O AMOR DE DEUS PARA COM OS SERES HUMANOS, É ABSOLUTAMENTE INCONDICIONAL, POIS OS CRIOU A SUA IMAGEM E SEMELHANÇA EM ESPÍRITO, E NÃO PODE NEGAR-SE A SI PRÓPRIO.


www.palavra10.com, é o maior site de receitas culinárias do mundo. São aproximadamente 1.500.000 receitas culinárias, com fotos dos pratos  (alimentos preparados). Clicando nas fotos você verá as receitas e os modos de preparos, entre outras orientações e divulgações. Neste site você encontra orientações pessoais, que se tornam uma autoajuda necessária para os problemas pessoais diários. Confira tudo.

 COMPARTILHE O SITE www.palavra10.com COM SEUS AMIGOS E PARENTES.


 CRIAÇÃO DA RAÇA HUMANA RACIONAL
Existem dois períodos distintos e importantes na criação da vida humana. 1º Período: Antes da criação do homem racional (pré-história) e 2º Período após a criação do homem racional, este último citado na Bíblia, em Gênesis Capítulo 1º (criação dos espíritos do homem e da mulher), e Gênesis, Capítulo 2º (criação dos corpos do homem e da mulher). É muito grande a falta de entendimento dos Ciêntistas e dos Religiosos, tornado-os radicais.


 

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
PALAVRA10
O QUE VOCÊ ACHA DESTE SITE?
ÓTIMO
BOM
REGULAR
Ver Resultados

Rating: 2.9/5 (5468 votos)




ONLINE
7





Partilhe esta Página





 

 


RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.

Religião

 

Linha 1: CristianismoJudaísmoHinduísmo
Linha 2: IslamismoBudismoXintoísmo
Linha 3: SikhismoBahaiJainismo

Religião (especula-se várias origens. Detalhes na seção etimologia) é um conjunto de sistemas culturais e de crenças, além de visões de mundo, que estabelece os símbolos que relacionam a humanidade com a espiritualidade e seus próprios valores morais. Muitas religiões têm narrativassímbolostradições e histórias sagradas que se destinam a dar sentido à vida ou explicar a sua origem e do universo. As religiões tendem a derivar a moralidade, a ética, as leis religiosas ou um estilo de vida preferido de suas ideias sobre o cosmos e a natureza humana.

A palavra religião é muitas vezes usada como sinônimo de  ou sistema de crença, mas a religião difere da crença privada na medida em que tem um aspecto público. A maioria das religiões têm comportamentos organizados, incluindo hierarquias clericais, uma definição do que constitui a adesão ou filiação, congregações de leigos, reuniões regulares ou serviços para fins de veneração ou adoração de uma divindade ou para a oração, lugares (naturais ou arquitetônicos) e/ou escrituras sagradas para seus praticantes. A prática de uma religião pode também incluir sermões, comemoração das atividades de um deus ou deusessacrifícios, festivaisfestastranseiniciaçõesserviços funeráriosserviços matrimoniaismeditaçãomúsicaartedança, ou outros aspectos religiosos da cultura humana.

desenvolvimento da religião assumiu diferentes formas em diferentes culturas. Algumas religiões colocam a tônica na crença, enquanto outras enfatizam a prática. Algumas religiões focam na experiência religiosa subjetiva do indivíduo, enquanto outras consideram as atividades da comunidade religiosa como mais importantes. Algumas religiões afirmam serem universais, acreditando que suas leis e cosmologia são válidas ou obrigatórias para todas as pessoas, enquanto outras se destinam a serem praticadas apenas por um grupo bem definido ou localizado. Em muitos lugares, a religião tem sido associada com instituições públicas, como educaçãohospitaisfamíliagoverno e hierarquias políticas.

Alguns acadêmicos que estudam o assunto têm dividido as religiões em três categorias amplas: religiões mundiais, um termo que se refere à crenças transculturais e internacionais; religiões indígenas, que se refere a grupos religiosos menores, oriundos de uma cultura ou nação específica; e o novo movimento religioso, que refere-se a crenças recentemente desenvolvidas. Uma teoria acadêmica moderna sobre a religião, o construtivismo social, diz que a religião é um conceito moderno que sugere que toda a prática espiritual e adoração segue um modelo semelhante ao das religiões abraâmicas, como um sistema de orientação que ajuda a interpretar a realidade e definir os seres humanos e, assim, a religião, como um conceito, tem sido aplicado de forma inadequada para culturas não-ocidentais que não são baseadas em tais sistemas ou em que estes sistemas são uma construção substancialmente mais simples.

Etimologia

A palavra portuguesa religião deriva da palavra latina religionem (religio no nominativo), mas desconhece-se ao certo que relações estabelece religionem com outros vocábulos. Aparentemente no mundo latino anterior ao surgimento do cristianismoreligionem referia-se a um estilo de comportamento marcado pela rigidez e pela precisão.

A raiz da palavra religião tem ligações com o -lig- de diligente ou inteligente ou com le-, lec-, -lei, -leg- de "ler", "lecionar", "eleitor" e "eleger" respectivamente. o re- iniciar é um prefixo que vem de red(i) "vir", "voltar" como em "reditivo" ou "relíquia" 

Historicamente foram propostas várias etimologias para a origem de religioCícero, na sua obra De natura deorum, (45 a.C.) afirma que o termo se refere a relegere, reler, sendo característico das pessoas religiosas prestarem muita atenção a tudo o que se relacionava com os deuses, relendo as escrituras. Esta proposta etimológica sublinha o carácter repetitivo do fenómeno religioso, bem como o aspecto intelectual. Mais tarde, Lactâncio (século III e IV d.C.) rejeita a interpretação de Cícero e afirma que o termo vem de religare, religar, argumentando que a religião é um laço de piedade que serve para religar os seres humanos a Deus.

No livro "A Cidade de Deus" Agostinho de Hipona (século IV d.C.) afirma que religio deriva de religere, "reeleger". Através da religião a humanidade reelegia de novo a Deus, do qual se tinha separado. Mais tarde, na obra De vera religione Agostinho retoma a interpretação de Lactâncio, que via em religio uma relação com "religar".

Macróbio (século V d.C.) considera que religio deriva de relinquere, algo que nos foi deixado pelos antepassados.

A palavra "religião" foi usada durante séculos no contexto cultural da Europa, marcado pela presença do cristianismo que se apropriou do termo latino religio. Em outras civilizações não existe uma palavra equivalente. O hinduísmo antigo utilizava a palavra rita que apontava para a ordem cósmica do mundo, com a qual todos os seres deveriam estar harmonizados e que também se referia à correcta execução dos ritos pelos brâmanes. Mais tarde, o termo foi substituído por dharma, termo que atualmente é também usado pelo budismo e que exprime a ideia de uma lei divina e eterna. Rita relaciona-se também com a primeira manifestação humana de um sentimento religioso, a qual surgiu nos períodos Paleolítico e Neolítico, e que se expressava por um vínculo com a Terra e com a Natureza, os ciclos e a fertilidade. Nesse sentido, a adoração à Deusa mãe, à Mãe Terra ou Mãe Cósmica estabeleceu-se como a primeira religião humana. Em torno desse sentimento formaram-se sociedades matriarcais centradas na figura feminina e suas manifestações. Ainda entre os hindus destaca-se a deusa Kali ou A negra como símbolo desta Mãe cósmica. Cada uma das civilizações antigas representaria a Deusa, com denominações variadas: Têmis (Gregos), Nu Kua (China), Tiamat (Babilônia) e Abismo, (Bíblia). Segundo o mitologista Joseph Campbell a mudança de uma ideia original da Deusa mãe identificada com a Natureza para um conceito de Deus deve-se aos hebreus e à organização patriarcal desta sociedade. O patriarcalismo formou-se a partir de dois eventos fundamentais: a atividade belicosa de pastoreio de gado bovino e caprino  e às constantes perseguições religiosas que desencadeavam o nomadismo e a perda de identidade territorial. Herdado da cultura hebraica, patriarcado é uma palavra derivada do grego pater, e se refere a um território ou jurisdição governado por um patriarca; de onde a palavra pátria. Pátria relaciona-se ao conceito de país, do italiano paese, por sua vez originário do latim pagusaldeia, donde também vem pagão. País, pátria, patriarcado e pagão tem a mesma raiz. Independente da origem, o termo é adotado para designar qualquer conjunto de crenças e valores que compõem a  de determinada pessoa ou conjunto de pessoas. Cada religião inspira certas normas e motiva certas práticas.

Conceitos

Existem termos que são ditos/escritos frequentemente no discurso religioso grego, romano, judeu e cristão. Entre eles estão: sacro e seus derivados (sacrar, sagrar, sacralizar, sacramentar, execrar), profano (profanar) e deus (es). O conceito desses termos varia bastante conforme a época e a religião de quem os emprega. Contudo, é possível ressaltar um mínimo comum à grande parte dos conceitos atribuídos aos termos.

Os religiosos gregos e romanos criam na existência de vários deuses; os judeus, muçulmanos e cristãos acreditam que há apenas uma divindade, um ser impossível de ser sentido pelos sensores humanos e que é capaz de provocar acontecimentos improváveis/impossíveis que podem favorecer ou prejudicar os homens. Para grande parte das religiões, as coisas e as ações se dividem entre sacras e profanas. Sacro é aquilo que mantém uma ligação/relação com o(s) deus(es). Frequentemente está relacionado ao conceito de moralidade. Profano é aquilo que não mantém nenhuma ligação com o(s) deus (es). Da mesma forma, para grande parte das religiões a imoralidade e o profano são correspondentes. Já o verbo "profanar" (tornar algo profano) é sempre tido como uma ação má pelos religiosos.

Definição

Dentro do que se define como religião podem-se encontrar muitas crenças e filosofias diferentes. As diversas religiões do mundo são de facto muito diferentes entre si. Porém ainda assim é possível estabelecer uma característica em comum entre todas elas. É facto que toda religião possui um sistema de crenças no sobrenatural, geralmente envolvendo divindades, deuses e demónios. As religiões costumam também possuir relatos sobre a origem do Universo, da Terra e do Homem, e o que acontece após a morte. A maior parte crê na vida após a morte.

A religião não é apenas um fenômeno individual, mas também um fenômeno social. Exemplos de doutrinas que exigem não só uma fé individual, mas também adesão a um certo grupo social, são as doutrinas da Igreja, do judaísmo, dos amish.

A ideia de religião com muita frequência contempla a existência de seres superiores que teriam influência ou poder de determinação no destino humano. Esses seres são principalmente deuses, que ficam no topo de um sistema que pode incluir várias categorias: anjos, demônios, elementais, semideuses, etc.

Outras definições mais amplas de religião dispensam a ideia de divindades e focalizam os papéis de desenvolvimento de valores morais, códigos de conduta e senso cooperativo em uma comunidade.

Ateísmo é a ausência de crença em qualquer tipo de deus, muitas vezes se contrapondo às religiões teístas. Agnosticismo é a postura filosófica que afirma ser impossível saber racionalmente sobre a existência ou inexistência de deuses e sobre a veracidade de qualquer religião teísta, por falta de provas favoráveis ou contrárias. Deísmo é a crença na existência de um Deus criador, mas questiona a ideia de revelação divina.

Algumas religiões não consideram deidades, e podem ser consideradas como ateístas (apesar do ateísmo não ser uma religião, ele pode ser uma característica de uma religião). É o caso do budismo, do confucionismo e do taoísmo. Recentemente surgiram movimentos especificamente voltados para uma prática religiosa (ou similar) da parte de deístas, agnósticos e ateus - como exemplo podem ser citados o Humanismo Laico e o Unitário-Universalismo. Outros criaram sistemas filosóficos alternativos como August Comte, fundador da Religião da Humanidade.

As religiões que afirmam a existência de deuses podem ser classificadas em dois tipos: monoteísta ou politeísta. As religiões monoteístas (monoteísmo) admitem somente a existência de um único deus, um ser supremo. As religiões politeístas (politeísmo) admitem a existência de mais de um deus.

Atualmente, as religiões monoteístas são dominantes no mundo: JudaísmoCristianismo e Islamismo juntos agregam mais da metade dos seres humanos e quase a totalidade do mundo ocidental. Além destas, o Zoroastrismo, a Fé Bahá'í, o Espiritismo e Bnei Noah são religiões monoteístas.

Movimentos religiosos

Esta classificação procura agrupar as religiões com base em critérios geográficos, como a concentração numa determinada região ou o facto de certas religiões terem nascido na mesma região do mundo. As categorias mais empregues são as seguintes:

Esta classificação não se refere à forma como tais religiões estão distribuídas hoje pela Terra, mas às regiões onde elas surgiram. Fundamenta-se no fato de que as religiões nascidas em regiões próximas mantém também proximidades em relação aos seus credos, por exemplo: as religiões nascidas no Oriente Médio em geral são monoteístas e submetem seus crédulos a forte regime de proibições e obrigações, sempre se utilizando de ameaças pós-morte como a do inferno cristão. Já as religiões nascidas no Oriente Distante são politeístas ou espiritualistas (não pregam a existência de nenhum deus, mas acreditam em forças espirituais) e são mais flexíveis quanto suas normas morais.

A distribuição atual das religiões não corresponde às suas origens, já que algumas perderam força em suas regiões nativas e ganharam participação em outras partes do planeta, um exemplo básico é o cristianismo, que é minoritário no Oriente Médio (onde surgiu) e majoritário em todo o Ocidente e na Oceania (para onde migrou).

Mundo contemporâneo

Desde os finais do século XIX, e em particular desde a segunda metade do século XX, o papel da religião, bem como seu número de aderentes, se tem alterado profundamente.

Alguns países cuja tradição religiosa esteve historicamente ligada ao cristianismo, em concreto os países da Europa, experimentaram um significativo declínio da religião. Este declínio manifestou-se na diminuição do número de pessoas que frequenta serviços religiosos ou do número de pessoas que desejam abraçar uma vida monástica ou ligada ao sacerdócio.

Em contraste, nos Estados Unidos, na América Latina e na África subsariana, o cristianismo cresce significativamente; para alguns estudiosos estes locais serão num futuro próximo os novos centros desta religião. O islão é actualmente a religião que mais cresce em número de adeptos, que não se circunscrevem ao mundo árabe, mas também ao sudeste asiático, e a comunidades na Europa e no continente americano. O hinduísmo, o budismo e o xintoísmo tem a sua grande área de influência no Extremo Oriente, embora as duas primeiras tradições influenciem cada vez mais a espiritualidade dos habitantes do mundo ocidental. A Índia, onde cerca de 80% da população é hindu, é um dos países mais religiosos do mundo, ficando em segundo lugar após os Estados Unidos. As explicações para o crescimento das religiões nestas regiões incluem a desilusão com as grandes ideologias do século XIX e XX, como o nacionalismo e o socialismo. O protestantismo vem crescendo nos países da América Latina, movimento que iniciou com Martinho Lutero, na reforma protestante do século XVI.

Por outro lado, o mundo ocidental é marcado por práticas religiosas sincréticas, ligadas a uma "religião individual" de cada um faz para si e ao surgimento dos chamados "novos movimentos religiosos". Embora nem todos esses movimentos sejam assim tão recentes, o termo é usado para se referir a movimentos neocristãos (Movimento de Jesus), judaico-cristãos (Judeus por Jesus), movimentos de inspiração oriental (Movimento Hare Krishna) e a grupos que apelam ao desenvolvimento do potencial humano através por exemplo de técnicas de meditação (Meditação Transcendental).

Também presente na Europa e nos Estados Unidos da América é aquilo que os investigadores designam como uma "nebulosa místico-esotérica", que apela a práticas como o xamanismo, o tarot, a astrologia, os mistérios e cuja actividades giram em torno da organização de conferências, estágios, revistas e livros. Algumas das características desta nebulosa místico-esotérica são as centralidades do indivíduo que deve percorrer um caminho pessoal de aperfeiçoamento através da utilização de práticas como o ioga, a meditação, a ideia de que todas as religiões podem convergir , o desejo de paz mundial e do surgimento de uma nova era marcada por um nível superior de consciência.

Quatro maiores religiões

Seguidores

 % da população mundial

Artigo

População mundial

6,8 bilhões

Dados extraídos de artigos individuais:

Cristianismo

1,9 bilhão – 2,1 bilhões

29% – 32%

Cristianismo por país

Islã

1,3 bilhão – 1,57 bilhão

19% – 21%

Islão por país

Budismo

500 milhões – 1.5 bilhão

7% – 21%

Budismo por país

Hinduísmo

950 milhões – 1 bilhão

14% – 20%

Hinduísmo por país

Total

4,65 bilhões – 6,17 bilhões

68,38% – 90,73%

 

Mídia

Em 23 de dezembro de 1999 em seu número especial por ocasião da mudança do milênio, a revista The Economist publicou uma nota necrológica de Deus, e afirmou mais tarde ter agido precipitadamente. Num longo noticiário de 3 de novembro de 2007, reconhece que apesar do prognóstico laicista ou secularista, a fé sobrevive. O noticiário concluiu que para um político ou estadista seria um erro muito perigoso ignorar ou legar a um segundo plano a religião. A temática em torno de religião e sobre Deus também tomou conta do debate político na África em 2010 e ganhou espaço na campanha eleitoral, candidatos são obrigados a responder perguntas sobre religião e se veem compelidos a participar de cultos.

Características

Embora cada religião apresente elementos próprios, é também possível estabelecer uma série de elementos comuns às várias religiões e que podem permitir uma melhor compreensão do fenómeno religioso.

As religiões possuem grandes narrativas, que explicam o começo do mundo ou que legitimam a sua existência. O exemplo mais conhecido é talvez a narrativa do Génesis na tradição judaica e cristã. Quanto à legitimação da existência e da validade de um sistema religioso, este costuma apelar a uma revelação ou à obtenção de uma sabedoria por parte de um fundador, como sucede no budismo, onde o Buda alcançou a iluminação enquanto meditava debaixo de uma figueira ou no Islão, em que Muhammad recebeu a revelação do Corão de Deus.

As religiões tendem igualmente a sacralizar determinados locais. Os motivos para essa sacralização são variados, podendo estar relacionados com determinado evento na história da religião (por exemplo, a importância do Muro das Lamentações no judaísmo ou da Igreja do Santo Sepulcro no cristianismo) ou porque a esses locais são associados acontecimentos miraculosos (santuários católicos de Fátima ou de Lourdes) ou porque são marcos de eventos religiosos relacionados à mitologia da própria religião (monumentos megalíticos, como Stonehenge, no caso das religiões pagãs). Na antiga religião grega, os templos não eram locais para a prática religiosa, mas sim locais onde se acreditava que habitava a divindade, sendo por isso sagrados.

As religiões estabelecem que certos períodos temporais são especiais e dedicados a uma interação com o divino. Esses períodos podem ser anuais, mensais, semanais ou podem mesmo se desenrolar ao longo de um dia. Algumas religiões consideram que certos dias da semana são sagrados (Shabat no judaísmo ou o Domingo no cristianismo), outras marcam esses dias sagrados de acordo com fenômenos da natureza, como as fases da lua, na religião Wicca, em que todo primeiro dia de lua cheia esbat é considerado sagrado. As religiões propõem festas ou períodos de jejum e meditação que se desenvolvem ao longo do ano.

O estudo da religião

História do estudo da religião

As primeiras reflexões sobre a religião foram feitas pelos antigos Gregos e Romanos. Xenofonte relativizou o fenómeno religioso, argumentando que cada cultura criava deuses à sua semelhança. O historiador grego Heródoto descreveu nas suas Histórias as várias práticas religiosas dos povos que encontrou durante as viagens que efetuou. Confrontado com as diferenças existentes entre a religião grega e a religião dos outros povos, tentou identificar alguns deuses das culturas estrangeiras com os deuses gregos. O sofista Protágoras declarou desconhecer se os deuses existiam ou não, posição que teve como consequências a sua expulsão de Atenas e o queimar de toda a sua obra. Crítias defendeu que a religião servia para disciplinar os seres humanos e fazer com que estes aderissem aos ideais da virtude e da justiça. Júlio César e o historiador Tácito descreveram nas suas obras as práticas religiosas dos povos que encontraram durante as suas conquistas militares.

Nos primeiros séculos da era atual, os autores cristãos produziram reflexões em torno da religião fruto dos ataques que experimentaram por parte dos autores pagãos. Estes criticavam o facto desta religião ser recente quando comparada com a antiguidade dos cultos pagãos. Como resposta a esta alegação, Eusébio de Cesareia e Agostinho de Hipona mostraram que o cristianismo se inseria na tradição das escrituras hebraicas, que relatavam a origem do mundo. Para os primeiros autores cristãos, a humanidade era de início monoteísta, mas tinha sido corrompida pelos cultos politeístas que identificavam como obra de Satanás.

Durante a Idade Média, os pensadores do mundo muçulmano revelaram um conhecimento mais profundo das religiões que os autores cristãos. Na Europa, as viagens de Marco Polo permitiram conhecer alguns aspectos das religiões da Ásia, porém a visão sobre as outras religiões era limitada: o judaísmo era condenado pelo facto dos judeus terem rejeitado Jesus como messias e o islão era visto como uma heresia.

Renascimento foi um movimento cultural e artístico que procurava reviver os moldes da Antiguidade. Assim sendo, os antigos deuses dos gregos e dos romanos deixaram de ser vistos pela elite intelectual e artística como demônios, sendo representados e estudados pelos artistas que os representavam. Nicolau de Cusa realizou um estudo comparado entre o cristianismo e o islão em obras como De pace fidei e Cribatio Alcorani. Em Marsílio Ficinoencontra-se um interesse em estudar as fontes das diferentes religiões; este autor via também uma continuidade no pensamento religioso. Giovanni Pico della Mirandola interessou-se pela tradição mística do judaísmo, a Cabala.

As descobertas e a expansão européia pelos continentes, tiveram como consequência a exposição dos europeus a culturas e religiões que eram muito diferentes das suas. Os missionários cristãos realizaram descrições das várias religiões, entre as quais se encontram as de Roberto de Nobili e Matteo Ricci, jesuítas que conheceram bem as culturas da Índia e da China, onde viveram durante anos.

Em 1724 Joseph François Lafitau, um padre jesuíta, publicou a obra Moeurs des sauvages amériquains comparées aux moeurs des premiers temps na qual comparava as religiões dos índios, a religião da Antiguidade Clássica e o catolicismo, tendo chegado à conclusão de que estas religiões derivavam de uma religião primordial.

Nos finais do século XVIII e no início do século XIX parte importante dos textos sagrados das religiões tinham já sido traduzidos nas principais línguas europeias. No século XIX ocorre também a estruturação da antropologia como ciência, tendo vários antropólogos se dedicado ao estudo das religiões dos povos tribais. Nesta época os investigadores refletiram sobre as origens da religião, tendo alguns defendido um esquema evolutivo, no qual o animismo era a forma religiosa primordial, que depois evoluía para o politeísmo e mais tarde para o monoteísmo.

Abordagens disciplinares

O estudo científico da religião é atualmente realizado por várias disciplinas das ciências sociais e humanas. A história das religiões, nascida na segunda metade do século XIX, estuda a religião recorrendo aos métodos da investigação histórica. Ela estuda o contexto cultural e político em que determinada tradição religiosa emergiu.

A Sociologia da Religião analisa as religiões como fenómenos sociais, procurando desvendar a influência dela na vida do indivíduo e da comunidade. A Sociologia da Religião tem como principais nomes Emile DurkheimKarl Marx, Ernst TroeltschMax Weber e Peter Berger.

Antropologia, tradicionalmente centrada no estudo dos povos sem escrita (embora os seus campos de estudo possam ser também as modernas sociedades capitalistas), desenvolveu igualmente uma área de estudo da religião, na qual se especulou sobre as origens e funções da religião. John Lubbock, no livro The Origin of Civilization and the Primitive Condition of Man apresentou um esquema evolutivo da religião: do ateísmo (entendido como ausência de ideias religiosas), passa-se para o xamanismo, o antropomorfismo, o monoteísmo e finalmente para o monoteísmo ético. Esta visão evolucionista foi colocada em questão por outros investigadores, como E.B. Taylor que considerava o animismo como a primitiva forma de religião.

Fenomenologia da Religião, que deriva da filosofia fenomenológica de Edmund Husserl, tenta captar o lado único da experiência religiosa. Utiliza como principal método científico a observação, explicando os mitos, os símbolos e os rituais. Ela procura compreender a religião do ponto de vista do crente, bem como o valor dessas crenças na vida do mesmo. Por estas razões evita os juízos de valores (conceito de epoje ou abandono de qualquer juízo de valor). Os principais nomes ligados à Fenomenologia da Religião são Nathan SoderblomGarardus van der LeeuwRudolf OttoFriedrich Heiler e Mircea Eliade.

Filosofia da Religião

filosofia da religião como uma disciplina distinta é uma inovação dos últimos 200 anos, mas seus temas centrais como a existência e a natureza do divino, a humanidade da relação do homem para com ele, a natureza da religião, e o lugar da religião na vida humana, tem estado com o ser humano desde o início da filosofia. Os filósofos têm examinado tempo a verdade e a justificação racional para as alegações, e têm explorado tais fenômenos filosoficamente interessantes como a fé, a experiência religiosa, e os traços distintivos do discurso religioso. A segunda metade do século XX foi um período especialmente frutífero, com os filósofos que utilizam novos desenvolvimentos em lógica e da epistemologia para montar as duas defesas sofisticadas, e ou os ataques às afirmações religiosas.

A expressão "filosofia da religião" não entrou em uso geral até o século XIX, quando foi empregada para se referir à articulação e crítica da consciência religiosa da humanidade e suas expressões culturais em pensamento, linguagem, sentindo, e prática. Historicamente, a reflexão filosófica sobre temas religiosos teve dois focos: atitudes, sentimentos e práticas que se acreditava em primeiro lugar, Deus ou Brahma ou Nirvana ou qualquer outra coisa que seria o objeto do pensamento religioso, e, em segundo lugar, o tema religioso humano, isto é, os pensamentos, atitudes, sentimentos e a prática. O primeiro tipo de reflexão filosófica tem uma longa história. No Ocidente, por exemplo, as discussões da natureza de Deus (se ele é imutável, digamos, ou conhece o futuro, se a sua existência pode ser racionalmente demonstrada, e afins) são incorporadas em tratados teológicos tais como Proslogion de Anselmo e MonologionSummas de Tomás de Aquinoo Guia de Maimônides , e Incoerência dos Filósofos de al-Ghazali. Também fazem parte de sistemas metafísicos influentes como PlatãoRené Descartes eLeibniz.

 

Muro das Lamentações

 

Muro das Lamentações, ou Muro Ocidental, (Qotel HaMa'aravi הכותל המערבי em hebraico), é o segundo local mais sagrado do judaísmo, atrás somente do Santo dos Santos no Monte do Templo.

Trata-se do único vestígio do antigo templo de Herodes, erguido por Herodes o Grande no lugar do Templo de Jerusalém inicial. Foi destruído por Tito no ano de 70.

Muitos fieis judeus visitam o Muro das Lamentações para orar e depositar seus desejos por escrito. Antes da sua reabilitação por Israel, após a Guerra dos Seis Dias, em 1967, o local servia de depósito para incineração de lixo.

Os restos que hoje existem datam da época de Herodes o Grande, que mandou construir grandes muros de contenção em redor do Monte Moriá, ampliando a pequena esplanada sobre a qual foram edificados o Primeiro e o Segundo Templo de Jerusalém, formando o que hoje se designa como a Esplanada das Mesquitas.

História

O Primeiro Templo, ou Templo de Salomão, foi construído no século X a.C., e derrubado pelos babilónios em 586 a.C.. O Segundo Templo, entretanto, foi construído por Zorobabel após o Exílio Babilônico, e voltou a ser destruído pelos romanos no ano 70 da nossa era, durante a Grande Revolta Judaica. Deste modo, cada templo esteve erguido durante 400 anos.

Quando as legiões do imperador Tito destruíram o templo, só uma parte do muro exterior ficou em pé. Tito deixou este muro para que os judeus tivessem a amarga lembrança de que Roma vencera a Judeia (daí o nome de Muro das Lamentações). Os judeus, porém, atribuíram-no a uma promessa feita por Deus, segundo a qual sempre ficaria de pé ao menos uma parte do sagrado templo como símbolo da sua aliança perpétua com o povo judeu. Os judeus têm pregado frente a este muro durante os derradeiros dois milênios, crendo que este é o lugar acessível mais sagrado da Terra, já que não podem aceder ao interior da Esplanada das Mesquitas, que seria ainda mais sagrado.

A tradição de introduzir um pequeno papel com pedidos entre as fendas do muro tem vários séculos de antiguidade. Entre as petições dos judeus estão ferventes súplicas a Deus para que regresse à terra de Israel, o retorno de todos os exilados judeus, a reconstrução do templo (o terceiro), e a chegada da era messiânica com a chegada do Messias judeu.

O Muro das Lamentações é sagrado para os judeus devido a ser o último pedaço do Templo pelos lados sul e leste. Alem disso, o Muro é o lugar mais próximo do sancta sanctorum ou lugar "sagrado entre os sagrados" (1 Reis 8:6-8). Das três secções do muro, a do leste, do sul e do oeste, a do oeste é o lugar tradicional de oração (daí o seu nome em hebraico, Hakótel Hama'araví, "o Muro Ocidental"). SHIMEIS, bonde

Na Esplanada das Mesquitas, rodeada pelo Muro, os muçulmanos construíram ao longo dos séculos a Cúpula da Rocha e a Mesquita de Al-Aqsa.

 

Torre de Babel

 

Torre de Babel aparece na Bíblia Sagrada no livro de Gênesis, foi uma torre construída pelos descendentes de Noé, após o dilúvio.

Os versículos de 1 a 9 do capítulo 11 da Bíblia contam a história de um grupo de pessoas, que antes do aparecimento das diversas línguas, foram morar no oriente, na planície de Sinear, uma terminologia usada na Bíblia Hebraica para se referir provavelmente à região da mesopotâmia. A passagem afirma que o método de construção (embora muito anterior à existência da Babilônia), se aproxima mais do método dos babilônicos - que usavam tijolos e betume - do que da técnica palestina (que também só surgiria séculos mais tarde) de construir com pedra e cal. A estrutura é normalmente associada a um zigurate, antigos templos babilônicos, muito embora o texto não faça qualquer associação religiosa à torre.

Javé, o Deus hebraico, então, desce "para ver a cidade e a torre, que os filhos dos homens edificavam" e vendo o que faziam, decidiu confundir-lhes as línguas para impedir que prossigam com sua empreitada, dizendo "Vinde, desçamos e confundamos ali a sua linguagem, para que não entendam a linguagem um do outro."

Nesta passagem, a descrição antropomórfica de Iavé fica evidente quando ele "desce" e "vê" e mostra-se irritado com o desenvolvimento do povo, já que o objetivo da empreitada era não somente fazer uma torre que chegasse até o céu (a habitação de Deus), como evitar que os homens fossem espalhados pela Terra (Gn. 11:4), indo contra a ordem dada por Javé a Adão e Eva, para que se multiplicassem e enchessem a Terra. O texto também apresenta alguns jogos de palavras "Babel", que significa confusão em hebraico e também com o uso de uma palavra que significa "lugar" e "nome" ao mesmo tempo no verso "façamo-nos um nome". As formas plurais empregadas por Iavé "Vinde, desçamos e confundamos ali a sua linguagem, para que não entendam a linguagem um do outro." denotam o uso do plural majestático do nome de Javé.

Apesar do contexto babilônico da história, não se conhecem relatos paralelos na mitologia babilônica. Há, no entanto, uma história parecida à da Torre de Babel na Mitologia suméria chamada Enmerkar e o Senhor de Aratta, na qual Enmerkar de Uruk constrói um massivo zigurate em Eridu e os dois deuses rivais, Enki e Enlil acabam por confundir as línguas de toda a humanidade como efeito colateral da sua discussão.

Esta história teria sido usada para explicar a existência de muitas línguas e etnias diferentes.

  • Narrativa

A história é encontrada em Gênesis 11:1-9:

  1. Ora toda a terra tinha uma só linguagem e um só modo de falar.
  2. Viajando os homens para o Oriente, acharam uma planície na terra de Sinear; e ali habitaram.
  3. Disseram uns aos outros: Vinde, façamos tijolos e queimemo-los bem. Os tijolos lhes serviram de pedras, e o betume de cal.
  4. E disseram: Vinde, edifiquemos para nós uma cidade e uma torre, cujo cume chegue até o céu, e façamo-nos um nome; para que não sejamos espalhados sobre a face de toda a terra.
  5. Porém desceu Jeová para ver a cidade e a torre, que os filhos dos homens edificavam.
  6. Disse Jeová: Eis que o povo é um só, e todos eles têm uma só linguagem. Isto é o que começam a fazer: agora nada lhes será vedado de quanto intentam fazer.
  7. Vinde, desçamos e confundamos ali a sua linguagem, para que não entendam a linguagem um do outro.
  8. Assim Jeová os espalhou dali sobre a face de toda a terra; e cessaram de edificar a cidade.
  9. isso se chamou o seu nome Babel, porquanto ali confundiu Jeová a linguagem de toda a terra; e dali os espalhou sobre a face de toda a terra.

Modelo proposto pela História

Babel, capital do Império babilônico, era uma cidade-estado extremamente rica e poderosa. Era um centro político, militar, cultural e econômico do mundo antigo. Tal qual cidades como Nova York e Paris, nos dias atuais, ela recebia grande número de imigrantes de diversas nacionalidades, cada qual falando um idioma diferente.

O plano interno da Babilônia — seus bairros e ruas principais — tinha sido estabelecido muito antes do império neobabilônio. Na área residencial do cômoro Merkez, onde se obteve acesso aos níveis mais antigos, o padrão de ruas tinha mudado muito pouco ao longo dos séculos desde a ocupação cassita. Os reis assírios, em especial Esarhadon, tinham contribuído para a beatificação da cidade — sobretudo Esagila, o principal santuário de Marduk —, revestindo algumas ruas com reboco e reparado as defesas. Entretanto, o projeto de converter a Babilônia numa metrópole suficientemente grandiosa para representar as aspirações de um império foi iniciado por seu pai, Nabopolassar. Ele iniciou o trabalho no Palácio Sul, sua residência, construiu um templo para Ninurta, as muralhas do cais do Arahru (como o Eufrates era então chamado) iniciou o mais ambicioso de todos os empreendimentos arquitetônicos, a reconstrução de Etemenanki, “Fundação do Céu e da Terra”, como a “Torre de Babel” ou zigurate era chamada.

Contexto Histórico e Linguístico

A forma grega do nome, Babilônia, é do Acadiano Bāb-ilu, que significa "Portão de Deus". Isto sumaria corretamente o propósito religioso das grandes torres-templo (os zigurates) da antiga Suméria (Sinar bíblica, no sul do Iraque moderno). Estes templos enormes, quadrados e com escadas eram vistos como portões para os deuses virem à terra, escadas literais para o céu. ("Alcançando o céu" é uma inscrição comum nas torres-templo.) Este é o tipo de estrutura referida na narrativa bíblica, apesar de artistas e estudiosos bíblicos a imaginarem de diferentes maneiras. O retrato influente de Pieter Brueghel é baseado no Coliseu de Roma, enquanto que as representações cónicas da torre mais tardias (como na ilustração de Doré) se assemelham muito a torres Muçulmanas tardias observadas por exploradores do século XIX na área. O artista flamengo também faz uma pintura alegórica, talvez a nova construção européia do Imperador para a Cristandade.

Os Zigurates estão entre as maiores estruturas religiosas alguma vez construídas, e o seu uso remonta aos princípios da História.

Para os judeus adquiriu o significado de "confusão" em harmonia com Gênesis 11:9. Moisés terá derivado o nome Babel, em hebraico Bavél, da raiz do verbo ba.lál, que significa "confundir". Curiosamente, Bab e El sugere uma combinação do acadianoBab ("porta", "portão") com o hebraico El ("Deus", abreviatura usada para Elóhah e Elohím). Segundo o Gênesis, seria Nimrod ou Ninrode (Ninus), filho de Cus, que teria mandado construir a Torre-templo de Babel. Alguns acreditam que tenha sido Cus quem iniciou a sua construção, antes da confusão das línguas (idiomas). Após isso, seu filho Nimrod, teria continuado a urbanização do local, dando origem à futura cidade de Babilônia.

Segundo a Hipótese documental, a passagem deriva da fonte Javista, um escritor cujo trabalho está cheio de Paranomásias, e como muitas das outras paranomásias no texto Javista, o elemento da história que se refere à confusão das línguas é visto por muitos como uma pseudo-etimologia para o nome Babel, relacionado com uma história mais histórica do colapso de uma torre.

Linguística histórica luta há muito tempo contra a ideia de uma linguagem única original (Língua adâmica). Tentativas de identificar esta língua com uma língua actual têm sido rejeitadas pela comunidade académica. Foi este o caso do Hebreu, e do Basco (como foi proposto por Manuel de Larramendi). Ainda assim, o bem documentado ramo de linguagens com antepassados comuns (como as modernas línguas europeias vindas do antigo Indo-Europeu) aponta na direcção de uma única língua ancestral. O tema principal da disputa é a data, que muitos estudiosos poriam vários milhares de anos antes da própria data da Bíblia para o fim da Torre de Babel.

Um grande projecto de construção no mundo antigo pode ter usado trabalho forçado de diversas populações conquistadas ou súbditas, e o domínio que cobria a Babilónia teria tido algumas línguas não Semitas, como o Hurrita, o Cassita, o Sumério, e o Elamita, entre outros.

Amar-Sin (2046-2037 a.C.), terceiro monarca da Terceira dinastia de Ur, tentou construir um zigurate em Eridu que nunca foi terminado. Tem sido sugerido que Eridu seria o local onde teria estado a torre de Babel, e que a história teria sido mudada mais tarde para a Babilónia Enmerkar (i.e. Enmer o Caçador) rei de Uruk, sugerido por alguns como sendo o modelo para Nimrod, foi também um constructor do templo de Eridu.

Há uma história parecida à da Torre de Babel na Mitologia suméria chamada Enmerkar e o Senhor de Aratta, na qual os dois deuses rivais, Enki e Enlil acabam por confundir as línguas de toda a humanidade como efeito colateral da sua discussão.

Em Gênesis 10, diz-se que Babel era parte do reino de Nimrod. Apesar de não ser especificamente mencionado na Bíblia, Ninrode é frequentemente associado com a construção da torre noutras fontes. Uma teoria recentemente proposta por David Rohl associa Nimrod com Enmerkar, e propõe que as ruínas da Torre de Babel são na verdade as ruínas muito mais velhas do zigurate de Eridu, a sul de Ur, em vez de Babilónia. Entre as razões para esta associação estão o grande tamanho das ruínas, a idade mais velha das ruínas, e o facto de um título de Eridu ser NUN.KI ("lugar poderoso"), que mais tarde se tornou um título da Babilónia.

Tradicionalmente, os povos enumerados no capítulo 10 do Gênesis (a Tabela das Nações) são vistos como tendo-se espalhado pela Terra a partir do Sinar apenas após o abandono da Torre, que é uma explicação da diversidade cultural. Alguns, contudo, vêem uma contradição entre a menção em Génesis 10:5 que diz "Deles nasceram os povos que se dispersaram por países e línguas, por famílias e nações." E a seguinte história de Babel, que começa da seguinte maneira "Em toda a Terra, havia somente uma língua, e empregavam-se as mesmas palavras." (Genesis 11:1).

O Etemenanki: o zigurate da Babilónia

Em 440 a.C. Heródoto escreveu:

A parede exterior da Babilónia é a principal defesa da cidade. Há, contudo, uma segunda parede interior, de menor espessura que a primeira, mas não muito inferior a ela [parede exterior] em força. O centro de cada divisão da cidade era ocupado por uma fortaleza. Numa ficava o palácio dos reis, rodeado por um muro de grande força e tamanho: na outra estava o sagrado recinto de Júpiter (Zeus) Belus, um cerco quadrado de 201 m de cada lado, com portões de latão sólido; que também lá estavam no meu tempo. No meio do recinto estava uma torre de mampostería sólida, de 201 m em comprimento e largura, sobre a qual estava erguida uma segunda torre, e nessa uma terceira, e assim até oito. A ascensão até ao topo está do lado de fora, por um caminho que rodeia todas as torres. Quando se está a meio do caminho, há um lugar para descansar e assentos, onde as pessoas se podem sentar por algum tempo no seu caminho até ao topo. Na torre do topo há um templo espaçoso, e dentro do templo está um sofá de tamanho invulgar, ricamente adornado, com uma mesa dourada ao seu lado. Não há estátua de espécie alguma nesse sítio, nem é a câmara ocupada de noite por alguém a não ser por uma mulher nativa, que, como os Caldeus, os sacerdotes deste deus, afirmam, é escolhida para si próprio pela divindade, de todas as mulheres da terra.

Pensa-se que esta Torre de Júpiter Belus se refere ao deus acadiano Bel, cujo nome foi helenizado por Heródoto para Zeus Belus. É provável que corresponda ao gigantescozigurate a Marduk (Etemenanki), um antigo zigurate que foi abandonado, caindo em ruínas devido a abalos sísmicos, e relâmpagos a danificar o barro. Este enorme zigurate, e a sua queda são vistos por muitos académicos como tendo inspirado a história da Torre de Babel, dando algum suporto arqueológico para a história bíblica. Mais provas podem ser recolhidas daquilo que o Rei Nabucodonosor inscreveu nas ruínas do seu zigurate.

Em 570 a.C.Nabucodonosor II da Babilónia, procurando restaurar o zigurate, escreveu sobre o seu estado arruinado:

Um antigo rei construiu o Templo das Sete Luzes da Terra, mas ele não completou a sua cabeça. Desde um tempo remoto, as pessoas tinham-no abandonado, sem a ordem a expressar as suas palavras. Desde aquele tempo terramotos e relâmpagos tinham dispersado o seu barro secado pelo sol; os tijolos da cobertura tinham-se rachado, e a terra do interior tinha sido dispersada em montes. Merodach, o grande senhor, excitou a minha mente para reparar este edifício. Eu não mudei o local, nem retirei eu a pedra da fundaçãocomo tinha sido feito em tempos anteriores. Por nisso eu fundei-a, eu fi-la; como tinha sido em dias antigos, assim eu exaltei o topo.

Noutras fontes

A destruição

Não é mencionado no relato do Gênesis que Deus destruiu directamente a torre; contudo, os relatos no Livro dos Jubileus, em Cornelius Alexandre (frag. 10), Abydenus (frags. 5 and 6), Flávio Josefo (Antiguidades Judaicas 1.4.3), e os Oráculos Sibilinos (iii. 117-129) atestam a tradição de que Deus derrubou a torre com um grande vento.

Jubileus

Livro dos Jubileus, que se sabe ter sido usado entre pelo menos 200 a.C. e 90 d.C., contém um dos relatos mais detalhados alguma vez encontrados sobre a Torre.

E eles começaram a construir, e na quarta semana fizeram tijolos com fogo, e os tijolos serviram-lhes para pedra, e o barro com que os cimentaram juntos era asfalto que vem do mar, e das fontes de água na terra de Sinar. E eles construíram-no; a sua largura era de 203 tijolos, e a altura [de um tijolo] era o terço de um; a sua altura era de 5433 cúbitos e 2 palmos, e [a extensão de uma parede era] treze estádios [e da outra trinta estádios]. (Jubileus 10:20-21, tradução de Charles em 1913)

Note que um estádio equivale a 185,4 metros e um cúbito a pouco mais de 0,5 metros.

Midrash

Literatura Rabínica oferece muitos relatos diferentes sobre outras causas para a Torre de Babel ter sido construída, e sobre as intenções dos seus construtores. Na Mishná era vista como uma rebelião contra Deus. Uns midrash mais tardios registam que os construtores da Torre, chamados "a geração da secessão" nas fontes Judaicas, disseram: "Deus não tem o direito de escolher o mundo superior para Si próprio, e de deixar o mundo inferior para nós; por isso iremos construir uma torre, com um ídolo no topo segurando uma espada, para que pareça como se pretendesse guerrear com Deus" (Gen. R. xxxviii. 7; Tan., ed. Buber, Noah, xxvii. et seq.).

A construção da Torre foi feita para desafiar não só Deus, mas também Abraão, que exortava os construtores a reverenciar. A passagem menciona que os construtores falavam palavras afiadas contra Deus, não citadas na Bíblia, dizendo que uma vez em cada 1656 anos, o céu abanava para que a água chovesse para a terra, por isso eles iram suportar isso com colunas para que não pudesse haver outra inundação (Gen. R. l.c.; Tan. l.c.; similarmente Flávo Josefo, "Ant." i. 4, § 2).

Alguns entre essa geração pecaminosa até queriam pelejar contra Deus no céu (Talmude Sanhedrin 109 a.C.) Eles foram encorajados nesta tarefa impensável pela noção de que setas que eles atiravam para o céu caíam a pingar com sangue, por isso o povo acreditava mesmo que podiam guerrear contra os habitantes dos céus (Sefer ha-Yashar, Noah, ed. Leghorn, 12b). Segundo Josefo e Midrash Pirke R. El. xxiv, foi principalmente Nimrod quem persuadiu os seus contemporâneos a construir a Torre, enquanto que outras fontes rabínicas afirmam, pelo contrário, que Nimrod estava separado dos construtores.

Apocalipse de Baruque

O terceiro livro de Baruque, ou, Apocalipse de Baruque (3 Baruque), conhecido apenas de cópias Gregas e Eslavas, parece aludir à Torre, e pode ser consistente com a tradição Judaica. Nele, Baruque é primeiro levado (numa visão) a ver o local de repouso das almas "daqueles que construíram a torre da discórdia contra Deus, e o Senhor baniu-os." A seguir é-lhe mostrado outro lugar, e lá, ocupando a forma de cães,

Aqueles que deram a sugestão de construir a torre, por aqueles que vós vistes conduzirem multidões de ambos homens e mulheres, a fazerem tijolos; entre quem, uma mulher que fazia tijolos não era autorizada a ser libertada na hora do parto, mas trazida à frente enquanto estava a fazer tijolos, e carregava o seu filho no seu avental, e continuava a fazer tijolos. E o Senhor apareceu-lhes e confundiu a sua fala, quando eles tinham construído a torre à altura de quatrocentos e sessenta e três cúbitos. E eles pegaram numa broca, e procuraram perfurar os céus, dizendo, Veja-mos se o céu é feito de barro, ou de latão, ou de ferro. Quando Deus viu isto Ele não os permitiu, e castigou-os com cegueira e confusão da fala, e tornou-os no que vistes. (Apocalipse grego de Baruque, 3:5-8)

Alcorão e tradições Islâmicas

Embora não mencionada pelo nome, o Alcorão tem uma história com parecenças com a história Bíblica da Torre de Babel, embora localizada no Egipto de Moisés. Em Sura 28:38 e 40:36-37 o Faraó pede a Haman para lhe construir uma torre de barro para que ele possa subir até ao céu e confrontar o Deus de Moisés.

Outra história em Sura 2:96 menciona o nome de Babil, mas dá poucos detalhes adicionais sobre isso. Contudo, o conto aparece mais completo em escritos Islâmicos de Yaqut (i, 448 f.) e de Lisan el-'Arab (xiii. 72), mas sem a torre: os povos foram varridos por ventos até à planície que foi depois chamada "Babil", onde lhes foram designadas as suas línguas separadas por Alá, e foram depois espalhados da mesma forma.

Na História dos Profetas e Reis pelo historiador Muçulmano Tabari do século XIX, é dada uma versão mais completa: Nimrod faz a torre ser construída em Babil, Alá destrói-a, e a língua da humanidade, previamente o Siríaco, é então confundida em 72 linguagens. Abu al-Fida, outro historiador Muçulmano do século XIII, relata a mesma história, adicionando que o patriarca Éber (um antepassado de Abraão) tinha sido autorizado a manter a língua original, neste caso o Hebraico, porque ele não participava na construção.

Outras tradições

Várias tradições similares à da Torre de Babel são encontradas na América Central. Uma diz que Xelhua, um dos sete gigantes salvos do dilúvio, construiu a Grande Pirâmide de Cholula para desafiar o Céu. Os deuses destruíram-no com fogo e confundiram a linguagem dos construtores. O Dominicano Diego Duran (1537-1588) disse ter ouvido este relato de um sacerdote com 100 anos em Cholula, pouco depois da conquista do México.

Outra lenda, atribuída pelo historiador nativo Don Ferdinand d'Alva Ixtilxochitl (c. 1565-1648) aos antigos Toltecas, diz que depois dos homens se terem multiplicado após um grande dilúvio, eles erigiram um alto zacuali ou torre, para se preservarem no caso de um segundo dilúvio. Contudo, as suas línguas foram confundidas e eles foram para diferentes partes da terra.

Outra lenda ainda, atribuída aos Índios Tohono O'odham ou Papago, afirma que Montezuma escapou a uma grande inundação, depois tornou-se mau e tentou construir uma casa que chegasse ao céu, mas o Grande Espírito destruiu-a com relâmpagos.

Rastos de uma história um pouco parecida também têm sido citados entre os Tarus do Nepal e do Norte da Índia (Relatório do Census de Bengal, 1872, p. 160); e de acordo com David Livingstone, os Africanos que ele conhecera e que viviam junto ao Lago Ngami em 1879 tinham uma tradição assim, mas com as cabeças dos construtores a serem "partidas pela queda do scaffolding" (Missionary Travels, cap. 26)

O mito Estónio "do Cozinhado das Línguas" (Kohl, Reisen in die 'Ostseeprovinzen, ii. 251-255) também tem sido comparado, assim como a lenda Australiana da origem da diversidade das falas (Gerstacker, Reisen, vol. iv. pp. 381 seq.).

Altura e largura

A altura da torre é matéria de especulação, mas visto que a torre pode ser simbolicamente considerada uma precursora do desejo do homem de construir edifícios altos pela História, a sua altura é um aspecto significativo do seu mythos. A Torre histórica encomendada por Nabucodonosor a cerca de 560 a.C. na forma de um zigurate de oito níveis é vista pelos historiadores como tendo cerca de 2089 metros de altura e 100 de largura.

A Torre de Babel Bíblica contudo, teria sido construída 2000 anos antes. A narrativa no livro do Genesis não menciona a altura da torre, e por isso não tem sido um grande tema de debate entre fundamentalistas Cristãos. Há, porém, pelo menos duas fontes extra-canônicas que mencionam a altura da torre.

Livro dos Jubileus menciona a altura da torre como sendo de 5433 cúbitos e 2 palmos (2484 metros de altura). Isto seria aproximadamente quatro vezes mais alto do que as estruturas mais altas do mundo de hoje e em toda a história humana. Tal afirmação seria considerada mítica para a maioria dos estudiosos, visto que construtores em tais tempos antigos seriam considerados incapazes de construir uma estrutura de quase 2,5 quilometros de altura.

A outra fonte extra-canônica é encontrada no Terceiro Apocalipse de Baruch; menciona que a 'torre da discórdia' alcançava uma altura de 463 cúbitos (212 metros de altura). Isto seria mais alto do que qualquer outra estrutura construída no mundo antigo, como a Pirâmide de Quéops em Gizé, Egito e mais alta do que qualquer estrutura construída na história humana até à construção da Torre Eiffel em 1889. Uma torre de tal altura no mundo antigo teria sido tão incrível ao ponto de merecer a sua reputação e menção na Bíblia e outros textos históricos.

Filósofo Teutônico

Jacob Boehme defende, em seu livro "Quarenta Questões Sobre a Alma", que a torre simboliza a confusão das "falsas religiões" que a humanidade teria construído para voltar ao céu. Em seus textos, afirma que cada um pode "falar" com Deus diretamente sem intermediários e identificar a Escola de Mistério.


RELIGIÃO, SEITAS E HERESIAS

 

INTRODUÇÃO:

O QUE É RELIGIÃO?

R: Culto Prestado a uma divindade; doutrina religiosa; dever sagrado; ordem religiosa; crença viva; consciência escrupulosa; escrúpulos; (Social.) um sistema solidário de crenças e práticas relativas a coisas sagradas, isto é, separadas, interditas, e que unem em uma mesma comunidade moral, chamada Igreja, todos os que aderem a esse sistema. 

O QUE É SEITA?

R: Doutrina ou sistema que se afasta da opinião geral; conjunto dos indivíduos que a seguem; comunidade fechada; de cunho (caráter) radical; facção; partido.

O QUE É HERESIA?

R: Doutrina contrária aos dogmas (ponto fundamental e indiscutível de uma doutrinas) da igreja; contra-senso; ato ou palavra ofensiva à religião, escolha, seleção, preferência...

(Pequeno Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa, de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira)

O PERIGO DAS SEITAS E HERESIAS

Gn 4:3-7 Compreender a origem e a natureza da religiosidade é básico para entendermos a extrema disseminação de seitas e ensinos falsos, não apenas em nossos dias mas em toda a história da humanidade. Este texto espelha de uma forma clara, a maneira pela qual o espírito de religiosidade começou a se manifestar entre os homens. A palavra "religião" vem do latim religio, que significa "religar". O conceito implícito nessa palavra é o de uma tentativa do homem de "religar-se" a Deus, reatando uma comunhão rompida. Esse sentimento "religioso" é comum a todos os homens, não importando sua origem social ou geográfica. A religião surgiu no vácuo provocado pela ausência da comunhão autêntica com Deus. O homem foi feito para viver em comunhão com Deus, e na falta dessa comunhão ele experimenta, ainda que inconscientemente, um sentimento de profunda frustração. Esse anseio (e não o "medo do desconhecido", como muitos sustentaram no passado) é que originou na humanidade a busca religiosa. O texto que lemos caracteriza alguns aspectos essenciais do espírito de religiosidade. Caim ofertou do que lhe sobrava, enquanto Abel trouxe suas primícias (note as palavras "oferta" e "primícias", nos versículos 3 e 4). O espírito religioso sempre oferta do que sobra, seja dinheiro, tempo, esforço; Caim procurou aproximar-se de Deus por seus próprios meios, enquanto Abel, pelo meio determinado por Deus. Este é um dos principais motivos que levou o Senhor a rejeitar a oferta de Caim. Em Gn 3:21 vemos pela primeira vez nas Escrituras o surgimento de uma vítima sacrificial (se Adão e Eva foram vestidos por Deus com roupas de peles, um animal teve que ser morto!). Esta verdade é a mesma que aparece registrada em Hb 9:22. Em conexão com Gn 3:21, é importante lembrar que a palavra hebraica que significa "cobrir" tem o sentido do termo "propiciação", que é a palavra utilizada pelo Novo Testamento para definir a obra redentora de Jesus na cruz, veja Rm 3:24,25. Ora, o espírito de religiosidade sempre apresenta uma oferta que Deus não pediu, que é incapaz de resolver o verdadeiro problema que separa o homem de Deus: às vezes são "obras", outras vezes são "rituais", mas sempre são coisas que não podem tratar adequadamente o problema do pecado. Abel, pela fé, apresentou o Senhor Jesus (porque todo sacrifício de animais no Velho Testamento apontava profeticamente para Jesus). Já Caim, apresentou a si próprio: suas obras, seu trabalho, suas iniciativas! Caim apresentou, à recusa da sua oferta, a reação característica do espírito de religiosidade. Veja Gn 4:5b. É a reação característica do orgulho ferido. O espírito de religiosidade é sempre o espírito do farisaísmo, o qual é marcado por uma idéia elevada de si próprio, o que leva-o automaticamente a não cogitar jamais a possibilidade de ser recusado. Neste ponto, é diametralmente oposto ao espírito do cristão, o qual é marcado por um coração quebrantado. Vemos uma ilustração clara disso na parábola do fariseu e do publicano (veja Lc 18:9-14). Se a situação fosse inversa, e o publicano fosse rejeitado, ele simplesmente continuaria orando por misericórdia, porque era um homem de coração quebrantado; mas o fariseu jamais suportaria ser rejeitado, porque estava firmado nos seus "méritos"! Gn 4:7 Todas as religiões sempre têm sua base no que o homem pretende fazer ou ser, por si só, independente de quem quer que seja. A palavra de Deus para Caim foi "Se bem fizeres, não haverá aceitação para ti?". Se bem fizeres, aqui, tem o sentido de fazer o que é correto, aproximar-se de Deus da maneira certa. No Velho Testamento, essa maneira era a observância da lei e dos sacrifícios, tendo em vista a obra de Jesus que se manifestaria no futuro. No Novo Testamento, é a aproximação de Deus unicamente através de Jesus, submetendo-se ao Seu senhorio, governo e confiando apenas nos méritos da Sua obra realizada em nosso favor. Não é difícil, contudo, verificamos como o homem procurou seguir o caminho de Caim desde o princípio da humanidade. Gn 4:16,17 Caim foi tanto o iniciador da religião como o primeiro a procurar construir uma sociedade à parte de Deus. A expressão "E saiu Caim de diante da face do Senhor" (v.16) nos mostra que Caim optou por afastar-se de Deus, vivendo longe dEle. À partir desse homem, surgiu toda uma linha de seres humanos que não tinham consciência da pessoa de Deus, mas que experimentavam o anseio inconsciente por comunhão com seu Criador, ao qual já nos referimos. Entre essas pessoas temos sem dúvida os primeiros a adorarem os elementos da natureza, seguindo seus corações corrompidos. Rm 1:21-24 Apesar da revelação disponível de Deus na criação, os homens preferiram escolher seus próprios caminhos, marcados pela religiosidade. O fim disso, como o v. 24 demonstra, está sempre em carnalidade e imoralidade. Rm 1:21 "... e o seu coração insensato se obscureceu." O coração do homem foi obscurecido a fim de que perdesse de vista qualquer traço de revelação do verdadeiro Deus e direcionasse o anseio de seu coração para outros seres. 2 Co 4:4 O diabo é o autor desse entenebrecimento dos corações e da transformação desse anseio legítimo num espírito pervertido de religiosidade. At 19:17-20, 27; 2 Co 10:4,5; Ef 6:11,12 Se a ação do diabo é que está por detrás do espírito de religiosidade, precisamos concluir que todas as religiões são de iniciativa diabólica, e que a maneira pela qual podemos combatê-las não é através de debates ou coisas parecidas, mas unicamente através da batalha espiritual, discernindo sua origem satânica e combatendo com armas espirituais, os demônios que estão por detrás delas. "HERESIAS E SEITA" O mesmo espírito religioso que está por detrás de cultos como o islamismo, o animismo (adoração de espíritos, englobando todas as formas de umbanda), o espiritismo e outras manifestações religiosas, está também por detrás de todas as seitas e heresias que surgiram no meio da Igreja no decorrer da história. Na verdade, o diabo é especialista em variar suas armas no ataque contra a Igreja. A diferença entre o paganismo e o cristianismo é fácil de ser detectada, mas o mesmo não acontece entre o cristianismo verdadeiro e alguns movimentos heréticos. O interesse aqui não é formar um painel acerca das religiões que atuam ou atuaram no mundo, mas analisar principalmente algumas heresias e seitas que surgiram no meio da Igreja. Para isso, precisamos compreender primeiramente a diferença entre "heresia" e "seita".

HERESIA

A palavra "heresia" vem do termo grego "hairesis". Essa palavra é empregada no Novo Testamento com dois sentidos principais: (1) seita, no sentido de facção ou partido, um corpo de partidários de determinadas doutrinas (veja At 5:17; 15:5; 24:5; 26:5; 28:22); e (2) opinião contrária à doutrina prevalecente, de cujo ponto de vista é considerada heresia (veja 2 Pe 2:1). 1 Co 1:10; 11:18 Em ambos os textos, a palavra traduzida "divisões (ou dissensões)", no grego, é schismata, que significa literalmente "rasgões em pano". Alguns estudiosos sustentam que essa palavra indica divisões em torno de personalidades, e não em torno de ensinos. Segundo esse ponto de vista, divisões em torno de personalidades seriam um "mal menor", não tão grave quanto as "heresias" (negações de verdades da fé). O texto de 1 Co 11:19, no entanto, parece relacionar as divisões aos partidos (haireseis). Podemos resumir isto dizendo que, na perspectiva do Novo Testamento, toda divisão no corpo de Cristo (seja motivada por personalidades ou por diferenças no ensino) é considerada heresia. Isto coloca como heresia todo o denominacionalismo, tão comum na igreja. No entanto, o uso histórico da palavra "heresia" passou a apontar quase que exclusivamente para seu segundo sentido assinalado acima, ou seja, o de opinião contrária à doutrina prevalecente, de cujo ponto de vista é heresia. Desta maneira, passaram a ser qualificadas de "heresia" os ensinos que, de alguma maneira, contrariam alguma verdade da fé cristã. Nesta perspectiva, heresia pode ser definida como a "negação de uma verdade cristã definida e estabelecida, ou uma dúvida concernente a ela". A heresia não pode ser confundida com a apostasia.        O apóstata é alguém que rejeitou completamente a fé cristã; o herege continua vinculando-se à fé, excetuando-se os pontos em que seu sistema nega a fé cristã. 1 Co 15:12; Cl 2:8,16,20-22; 2 Ts 2:2; 1 Tm 4:1-3,7; 1 Jo 2:18,19,22; 4:2,3 Estes textos exemplificam diversas ocorrências de heresias, ainda no período da Igreja primitiva. Em Corinto, algumas pessoas negavam a possibilidade de ressurreição, influenciados pelo conceito grego de que a matéria seria algo inerentemente mau; no caso da igreja em Colossos, a heresia era uma forma particular de legalismo, oriunda de uma influência do gnosticismo grego sobre a igreja; o texto de 2 Ts 2:2 aponta outra heresia específica, relacionada com a volta de Jesus, a qual, segundo alguns, já teria acontecido; em 1 Tm Paulo prevê diversos ensinos heréticos que surgiriam na história da igreja; em 1 Jo, é a encarnação de Jesus que é especificamente atacada (uma forma da heresia conhecida como "docetismo", do grego dokein, "parecer", que ensinava que Jesus não possuíra um corpo físico, mas apenas uma "aparência" de corpo!). Aparentemente, essas heresias podem "variar em grau". Uma coisa é atrelar-se a um legalismo estrito, como no caso dos colossenses; outra, bem diferente, é afirmar que Jesus não possuía um corpo físico. No entanto, toda heresia significa uma introdução de fermento na massa da fé cristã que, com o tempo, levedará a massa toda! Uma análise cuidadosa da carta aos Colossenses, por exemplo, nos mostrará que a influência do gnosticismo sobre a igreja (manifesta no temor aos "rudimentos do mundo", citados em Cl 2:8, e no extremo legalismo) diminuía aos olhos da igreja o próprio valor da obra redentora de Jesus (em razão do que, Paulo teve de afirmá-la em termos tão vigorosos em Cl 2:13,15). O arianismo é outro exemplo de ensino herético que podemos tirar da História da igreja. Ário, que foi presbítero de Alexandria, sustentava que Jesus não era eterno, mas havia sido criado por Deus Pai. Ele não divergia do restante da igreja em nenhuma outra verdade, apenas nesta. Todavia, com a negação de que Jesus era co-eterno e co-igual com o Pai, ele na realidade abalava o alicerce mais fundamental do cristianismo.

SEITA

Podemos compreender melhor o que são seitas se, em primeiro lugar, verificarmos qual a diferença entre "seita" e "heresia". "Por definição, um herege é um cristão professo que está errado com relação a alguma verdade particular, ao passo que o ponto essencial quanto às seitas é que elas absolutamente não são cristãs, e sim contrafações do cristianismo." Em seu sentido mais genérico, seita é "devoção a uma pessoa ou coisa particular, dedicada por uma corporação de adeptos". Esta definição está na raiz de termos como "sectarismo", e por esse ângulo tanto um partido político como uma torcida organizada de futebol poderiam ser classificados como "seita". Em nosso estudo, no entanto, estamos interessados em estudá-las de uma perspectiva cristã e, nesse prisma, as seitas aparecem invariavelmente como falsificações da fé cristã. Podemos dizer que as seitas, em sua maior parte, são o produto final das heresias, ou seja, o resultado da fermentação herética na massa da igreja. Nem toda heresia culmina na formação de uma seita, mas toda seita possui em seu sistema elementos heréticos. Vamos notar abaixo algumas características e sinais que podem nos ajudar a identificar o que são as seitas.

1 - SEMELHANÇA COM O CRISTIANISMO.

Virtualmente todas as seitas possuem forte semelhança com a fé cristã legítima, e é justamente essa semelhança que se constitui na principal estratégia do diabo com relação a elas (veja 2 Co 11:13-15).

2 - ADEPTOS SINCEROS.

As seitas são povoadas por pessoas zelosas, mas destituídas de verdadeiro entendimento (veja Rm 10:2). Nunca devemos cometer o erro de questionar a sinceridade dos adeptos de qualquer seita; no entanto, precisamos reconhecer que esse zelo extremo a que se dispõem é uma característica do espírito de religiosidade que age por detrás delas.

3 - A QUESTÃO DA ORIGEM.

Todas as seitas, praticamente, reivindicam como sua fonte inicial alguma nova revelação da parte de Deus. Aqui temos uma diferença interessante entre heresia e seita. As heresias, geralmente, começam com pessoas que, estudando diligentemente as Escrituras, acabaram se afastando em sua interpretação. 

4 - RECONHECIMENTO DE AUTORIDADE ADICIONAL ÀS ESCRITURAS.

Este ponto praticamente decorre do anterior. As seitas sempre reconhecem uma autoridade adicional às Escrituras, que acaba sobrepujando a Bíblia e se torna sua base para doutrina e governo. O Mormonismo tem O Livro de Mórmon, a Pérola de Grande Valor e Doutrinas e Alianças; a Ciência Cristã tem o livro Ciência e Saúde, escrito pela fundadora, Mary Baker Eddy; os Adventistas do Sétimo Dia têm os escritos de Ellen G. White; e etc.

5 - NEGAÇÃO DE VERDADES ESSENCIAIS À FÉ CRISTÃ.

As seitas não se limitam a discordar sobre assuntos periféricos ou não essenciais; elas via de regra negam aspectos essenciais da fé cristã. Embora a lista possa variar ligeiramente de seita para seita, em geral seus ensinos discordam da verdade bíblica em áreas tão centrais quanto a Pessoa de Jesus (Testemunhas de Jeová), a Pessoa do Espírito Santo (Testemunhas de Jeová) a obra expiatória de Jesus (Adventistas do Sétimo Dia), a Justificação pela Fé (Mórmons), a Triunidade de Deus (Testemunhas de Jeová), o ensino das Escrituras sobre o pecado (Pensamento Positivo) a ressurreição e ascensão físicas do corpo de Jesus (Testemunhas de Jeová), entre outros. Além disso, muitas vezes as seitas conjugam, às negações dessas verdades essenciais, as invenções de ensinos que não possuem nenhuma base bíblica. É o caso tanto dos Adventistas do Sétimo Dia quanto dos Testemunhas de Jeová, os quais ensinam as doutrinas do sono da alma após a morte e do aniquilamento dos ímpios.

6 - REJEIÇÃO DO ESPÍRITO DE ORAÇÃO.

Este é um dos sinais mais interessantes acerca das seitas. Em sua quase totalidade elas desvalorizam a oração, e isso não é de causar surpresa. A oração é uma atividade que não oferece atrativos, exceto para aqueles que são filhos de Deus. Como pode haver um legítimo espírito de oração numa seita que, por exemplo, nega o conceito de pecado, repudia a obra redentora de Jesus e rejeita o Espírito Santo como Pessoa (note que esses pontos estão intimamente ligados uns aos outros)?

7 - ÊNFASE NUMA "FÓRMULA" PARTICULAR.

Todas as seitas enfatizam geralmente uma "fórmula" específica, muitas vezes um esquema rígido que deve ser seguido a fim de que determinados resultados sejam obtidos. Segundo um autor, há uma semelhança interessante entre todas as seitas e os famosos "remédios de charlatões": algo muito simples, sem complicação, que serve para curar todos os males. Muitas vezes, um ensino (às vezes até mesmo bíblico e correto) é repetido à exaustão e indicado como solução para todos os tipos de problemas.

8 - PRETENSÃO DE EXCLUSIVIDADE.

Esta é uma característica invariável das seitas: consideram-se a única expressão válida do cristianismo. O caso do Adventismo do Sétimo Dia é típico: para ministrar o batismo, esse grupo exige do "catecúmeno" uma confissão de que "a Igreja Adventista do Sétimo Dia é a Igreja remanescente", o que exclui todos os demais grupos cristãos. Seguindo nessa escola, um grupo saiu da Igreja Adventista do Sétimo Dia sob a direção de uma "profetisa" chamada Jeanine Sautron, e fundou a Igreja Adventista do Sétimo Dia - Os Remanescentes, a qual, num panfleto distribuído recentemente, chamou tanto a Igreja Adventista original como todos os demais grupos cristãos de "apóstatas". A título de conclusão, poderíamos ilustrar da seguinte maneira a diferença entre "heresia" e "seita": heresia é como um câncer num ser humano; começa lento, insidioso, mas tende a crescer e a dominar todo o sistema do indivíduo. Já a seita, é como um "homem artificial", uma imitação do ser humano. Ef 6:11,12 Notamos que as seitas possuem diversos sinais ou características comuns, e que revelam a existência de uma mente diabólica por detrás de todas elas. Devemos ter isto em mente, para nunca cometermos o erro de combatermos forças espirituais com armas naturais. Podemos e devemos estudar acerca das seitas, a fim de que possamos principalmente instruir pessoas que estão ou estiveram aprisionadas por elas e desejam ser libertas; nunca, porém, para debatermos com seus seguidores. A quase totalidade das seitas são alimentadas por um espírito de contenda religiosa, e quando passamos a discutir com seus adeptos estamos na verdade "fazendo o jogo" do demônio. Nossa posição deve ser a de rejeitar seus ensinos sem discussão, ao mesmo tempo em que devemos amar as pessoas que estão presas por esses ensinos e demonstrar a elas o nosso cristianismo através de nossas vidas, não de nossas palavras.

HERESIOLOGIA

Heresiologia é o estudo das heresias. Heresia deriva da palavra háiresis e significa: escolha, seleção, preferência. Daí surgiu a palavra seita (latim secta - doutrina ou sistema que diverge da opinião geral e é seguido por muitos), por efeito de semântica. Do ponto de vista cristão, heresia é o ato de um indivíduo ou de um grupo afastar-se do ensino da Palavra de Deus e adotar e divulgar suas próprias idéias, ou as idéias de outrem, em matéria de religião.

1. CONHECENDO AS SEITAS

As estão em todos os lugares. Algumas são populares e amplamente aceitas. Outras são isolacionistas e procuram se esconder, para evitar um exame de suas ações. Elas estão crescendo e florescendo a cada dia. Algumas seitas causam grande sofrimento aos seus seguidores, enquanto outras até parecem muito úteis e benéficas.

Com a proximidade do final do século, surgiram novas seitas religiosas e filosóficas responsáveis pelos mais absurdos ensinamentos com relação ao final dos tempos. Essas idéias confusas estão sendo despejadas em cabeças incautas, acabando muitas vezes em tragédias de grandes proporções.

Em 1978, o então missionário norte-americano Jim Jones, foi responsável pela morte de 900 seguidores, na Guiana Francesa, todos envenenados após Ter anunciado a eles o fim do mundo. Um fato interessante desse trágico acontecimento foi o depoimento de um dos militares americanos responsáveis pela remoção dos corpos. Ele disse que, após vasculhar todo o acampamento, não foi encontrado um só exemplar da Bíblia. Jim Jones substituiu a Bíblia por suas próprias palavras.

Em 1993, o líder religioso David Koresh, que se intitulava a reencarnação do Senhor Jesus, promoveu um verdadeiro inferno no rancho de madeira, onde ficava a seita Branch Davidian. Seduzindo os seguidores com a filosofia de que deveria morrer para depois ressuscitar das cinzas, derramou combustível no rancho e ateou fogo, matando 80 pessoas, incluindo 18 crianças.

Em 1997, outra seita denominada Heaven’s Gate (Portão do Céu), que misturava ocultismo com fanatismo religioso, levou 40 seguidores ao suicídio. Na ocasião, essas pessoas acreditavam que seriam conduzidas para outra dimensão em uma nave que surgiria na cauda do cometa Halley Bop.

No Brasil também existem muitas seitas e denominações que se reforçam em profecias do Apocalipse. Uma das mais conhecidas, devido ao destaque dado pela mídia, são as Borboletas Azuis, da Paraíba, que em 1980 anunciou um dilúvio para aquele ano.

Em Brasília, encontra-se o Vale do Amanhecer, que conta com aproximadamente 36.000 adeptos. No Paraná, um homem de nome Iuri Thais, se auto-intitula como o próprio Senhor Jesus reencarnado. Fundador da seita Suprema Ordem Universal da Santíssima Trindade, ele parece ter decorado a Bíblia de capa a capa e, com isso, tem enganado a muitos.

Muitas das seitas são conhecidas dos cristãos brasileiros, a saber: Mormonismo, Testemunhas de Jeová, etc. Mas muitas novas seitas pseudo-cristãs estão chegando ao Brasil e são pouco conhecidas:Igreja Internacional de Cristo/Boston (Igreja de Cristo, no Brasil), Ciência CristãEscola Unida do CristianismoMeninos de Jesus etc.

Quase todas essas seitas refutam a Trindade (com a conseqüente diminuição do Senhor Jesus Cristo), a ressurreição, a salvação pela Graça e contrariam outros princípios bíblicos.

a. ASPECTOS COMUNS

Existem muitos aspectos comuns entre as seitas que têm se disseminado pelo mundo. É importante que nós saibamos reconhecer suas características, a fim de que não sejamos enganados ou até mesmo desviados da verdadeira fé cristã.

1) As seitas subestimam o valor do Senhor Jesus ou colocam-no numa posição secundária, tirando-lhe a divindade e os atributos divinos como conseqüência.

2) Crêem apenas em determinadas partes da Bíblia e admitem como "inspirados" escritos de seus fundadores ou de pessoas que repartem com eles boa parte daquilo que crêem;

3) Dizem ser os únicos certos;

4) Usam de falsa interpretação das escrituras;

5) Ensinam o homem a desenvolver sua própria salvação, muitas vezes, sob um conceito totalmente naturalista;

6) Costumam buscar suas presas em outras religiões, conseguindo desencaminhar para o seu meio, inclusive, muitos bons cristãos.

b. CONHECENDO MAIS

Este esboço básico lhe dará informações de como as seitas trabalham e como evitá-las. Se você tem alguém conhecido que está perdido numa seita, é preciso orar e pedir ao Senhor que tire essa pessoa de lá e lhe dê a perspicácia e as ferramentas para ajudá-lo neste trabalho. Pode ser uma tarefa longa e árdua, porque, definitivamente, este não é um ministério fácil.  

1) O que é uma seita?

Geralmente é um grupo não-ortodoxo, esotérico (do grego esoterikós, que significa conhecimento secreto, ao alcance de poucos). Podem ter uma devoção a uma pessoa, objeto, ou a um conjunto de idéias novas. As seitas costumam fazer uso das seguintes práticas:

a) Freqüentemente isolacionistas – para facilitar o controle dos membros fisicamente, intelectualmente, financeiramente e emocionalmente.

b) Freqüentemente apocalípticas - dão aos membros um enfoque no futuro e um propósito filosófico para evitar o apocalipse.

c) Fornecem uma nova filosofia e novos ensinos – revelados pelo seu líder. 0

d) Fazem doutrinação - para evangelismo e reforço das convicções de culto e seus padrões.

e) Privação – quebrando a rotina do sono normal e privação de comida, combinados com a doutrinação repetida (condicionamento), para converter o candidato a membro.  

2) Muitas seitas contém sistemas de convicção "não-verificáveis".

a) Por exemplo, algumas ensinam algo que não pode ser verificado:

(1) Uma nave espacial que vem atrás de um cometa, para resgatar os membros.

(2) Ou, Deus, um extraterrestre ou anjo apareceram ao líder e lhe deram uma revelação.

b) Os membros são anjos vindos de outro mundo, etc.

(1) Freqüentemente, a filosofia da seita só faz sentido se você adotar o conjunto de valores e definições que ela ensina.

(2) Com este tipo de convicção, a verdade fica inverificável, interiorizada, e facilmente manipulada pelos sistemas filosóficos de seu(s) inventor(es).

2. O LÍDER DE UMA SEITA:

a. É freqüentemente carismático e considerado muito especial por razões variadas:

1) O líder recebeu revelação especial de Deus.

2) O líder reivindica ser a encarnação de uma deidade, anjo, ou mensageiro especial.

3) O líder reivindica ser designado por Deus para uma missão

4) O líder reivindica ter habilidades especiais

b. O líder está quase sempre acima de repreensão e não pode ser negado nem contradito.

3. COMO SE COMPORTAM AS SEITAS?

a. Normalmente buscam fazer boas obras, caso contrário ninguém procuraria entrar para elas.

b. Parecem boas moralmente e possuem um padrão de ensino ético.

c. Muitas vezes, quando usam a Bíblia em seus ensinos, utilizam também "escrituras" ou livros complementares.

1) A Bíblia, quando usada, é sempre distorcida, com interpretações próprias, que vão de encontro à filosofia da seita.

2) Muitas seitas "recrutam" o Senhor Jesus como sendo um deles, redefinindo-o adequadamente.

4. ALGUMAS SEITAS PODEM VARIAR GRANDEMENTE...

a. Do estético ao promíscuo.

b. Do conhecimento esotérico aos ensinamentos muito simples.

c. Da riqueza e poder à pobreza e fraqueza.

5. QUEM É VULNERÁVEL A ENTRAR PARA UMA SEITA?

a. Todas as pessoas são vulneráveis.

Rico, pobre, educado, não-educado, velho, jovem, religioso, ateu, etc.

b. Perfil geral do membro em potencial de uma seita (alguns ou todos os itens seguintes)

1. Desiludido com estabelecimentos religiosos convencionais.

2. Intelectualmente confuso em relação a assuntos religiosos e filosóficos

3. Às vezes desiludido com toda a sociedade

4. Tem uma necessidade por encorajamento e apoio

5. Emocionalmente carente

6. Necessidade de uma sensação de propósito, um objetivo na vida.

7. Financeiramente necessitado

6. TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO

a. As seitas encontram uma necessidade e a preenchem. As táticas mais usadas são:

1. "Bombardeio de Amor – Love Bombing " – que é a demonstração constante de afeto, através de palavras e ações.

2.   Às vezes há muito contato físico como abraços, tapinhas nas costas, toques e apertos de mão.

3. Emprestam apoio emocional a alguém em necessidade.

4. Ajuda de vários modos, onde for preciso.

1) Desta maneira, a pessoa fica em débito então com a seita e procura de algum modo retribuir.

5. Elogios que fazem a pessoa pensar que é o centro das atenções.

b. Muitas seitas usam a influência da Bíblia ou mencionam Jesus como sendo um deles; dando validade assim ao seu sistema.

1. Escrituras distorcidas;

2. Usam versículos tirados da Bíblia fora do contexto;

3. Então misturam os versículos mal interpretados com a filosofia aberrante delas.

c. Envolvimento gradual

1. Alterando lentamente o processo de pensamento e o sistema de convicção da pessoa, através da repetição dos seus ensinos (condicionamento).

1) As pessoas normalmente aceitam as doutrinas de uma seita um ponto de cada vez.

2) Convicções novas são reforçadas por outros membros da seita.

7. POR QUE ALGUÉM SEGUIRIA UMA SEITA?

a. A seita satisfaz várias necessidades:

1. Psicológica – Alguém pode ter uma personalidade fraca, facilmente manipulável;

2. Emocional – A pessoa pode ter sofrido um trauma emocional recente ou no passado;

3. Intelectual – O membro tem perguntas que este grupo responde.

b. A seita dá a seus membros a aprovação, aceitação, propósito e uma sensação de pertencer a algum grupo.

c. A seita pode ser atraente por algumas razões. Podem ser. . .

1. Rigidez moral e demonstração de pureza; 

2. Segurança financeira;

3. Promessas de exaltação, redenção, "consciência mais elevada" ou um conjunto de outras recompensas.

8. COMO AS PESSOAS SÃO MANTIDAS NA SEITA?

a. Dependência:

As pessoas querem freqüentemente ficar porque a seita vai de encontro às suas necessidades psicológicas, intelectuais e espirituais.

b. Isolamento:

1. O contato com pessoas de fora do grupo é reduzido e cada vez mais a vida do membro é construída ao redor da seita.

2. Fica muito mais fácil então controlar e moldar o membro.

c. Reconstrução cognitiva (Lavagem cerebral):

1. Uma vez que a pessoa é doutrinada, os processos de pensamento deles/delas são reconstruídos para serem consistentes com a seita e ser submisso a seus líderes.

2. Isto facilita o controle pelo(s) líder(es) da seita.

d. Substituição:

1. A Seita e os líderes ocupam freqüentemente o lugar de pai, mãe, pastor, professor etc.

2. Freqüentemente o membro assume as características de uma criança dependente, que busca ganhar a aprovação do líder ou do grupo.

e. Obrigação

O membro fica endividado emocionalmente com o grupo, às vezes financeiramente, etc.

f. Culpabilidade

1. É dito para a pessoa que sair da seita é trair o líder, Deus, o grupo, etc.

2. É dito também que deixar o grupo é rejeitar o amor e a ajuda que o grupo deu.

g. Ameaça:

1. Ameaça de destruição por "Deus" por desviar-se da verdade.

2. Às vezes ameaça física é usada, entretanto não freqüentemente.

3. Ameaça de perder o apocalipse, ou ser julgado no dia do julgamento, etc.

9. COMO PODEMOS TIRAR ALGUÉM DE UMA SEITA?

a. A melhor coisa é não tentar um confronto direto no primeiro encontro, o que pode assustar o membro e afastá-lo de você.

b. Se você é um Cristão, então interceda em oração pela pessoa primeiro.

c. Para tirar uma pessoa de uma seita é necessário tempo, energia, e apoio.

d. Ensine a verdade:

1.  Dê-lhe a verdadeira substituição para o sistema de convicção aberrante que ela aprendeu, ou seja, o Evangelho da Graça de Jesus Cristo;

2.  Mostre as inconsistências da filosofia do grupo, à luz da Bíblia;

3.  Estude a seita e aprenda sua história, buscando pistas e informações.

e. Tente afastá-lo fisicamente da seita por algum tempo, para quebrar o laço de isolamento.

f. Dê o apoio emocional de que ele precisa.

g. Alivie a ameaça de que se ele deixar o grupo, estará condenado ou em perigo.

h. Geralmente, não ataque o líder do grupo, deixe isso para depois. Freqüentemente o membro da seita tem lealdade e respeito para com o fundador ou líder.

i. Confronte outros membros da seita ao mesmo tempo, somente quando for inevitável.

10. APRENDENDO COM AS SEITAS

Ao analisar crenças contrárias à Bíblia e nos empenhar em defender a nossa fé acabamos por descobrir falhas em nós mesmos que precisam ser corrigidas, pois, tão grave quanto seguir crenças erradas é "não viver o que pregamos", não obedecer 'a Palavra de Deus!

VEJA:
Os muçulmanos oram cinco vezes por dia 'a Alah , prostrando-se a ponto de encostar a testa no chão.

- Quantas vezes oramos por dia ao nosso Deus Vivo?

- Os budistas e outros religiosos orientais utilizam-se de meditação constantemente.

- Você tem meditado na Palavra de Deus de dia e de noite como diz o Salmo 1, verso 2?


- Os adeptos da seita Hare Krishna adoram cantar o mantra .

- O que você tem cantado? Você costuma louvar ao Senhor com frequência ou fica ouvindo e cantando música mundana? (Sl.100)

- A Seicho-No-Ie espalha de tal forma suas "belas palavras" que se torna difícil encontrar alguém que nunca viu um calendário de parede com suas mensagens de "pensamento positivo".

- Você tem semeado a Palavra de Deus? Você tem visto versículos bíblicos em paredes ou em calendários?

- Os judeus e adventistas guardam o sábado enquanto outros cristãos defendem o domingo.

- Você tem dedicado 1 dia da semana para Deus?

- Mórmons e Testemunhas de Jeová são vistos nas ruas entregando folhetos e batendo de porta-em-porta propagando seus ensinamentos.

- Você tem feito evangelismo? (Leia Mc 16.15)


- A Maçonaria destaca-se pela fidelidade entre os membros uns aos outros. Quando algum deles precisa de ajuda é prontamente atendido por seu companheiro de crença.

- Você tem ajudado o seu irmão? (Mt 5.40-48)

- Os espíritas são elogiados por seus feitos assistenciais na área de caridade.

- Será que estamos agindo assim também? O que a Bíblia diz sobre caridade? (Leia Tg. 1.27)

- Os católicos durante a missa mantem-se em silêncio enquanto o padre fala. Da mesma forma em um julgamento as pessoas silenciam-se enquanto fala o juíz.

- Será que nós, diante da presença do Senhor, por uma questão de reverência, ficamos sem conversas-de-lado durante o culto?

- Católicos confessam seus pecados aos Padres.

- Nós confessamos os nossos pecados uns aos outros conforme ensina Tg. 5.16?


- Algumas pessoas crêem em Astrologia e não saem de casa sem antes ler o seu "horóscopo do dia".

-  E quanto a nós cristãos? Lemos a Bíblia, ao menos um versículo antes de sair de casa? (Mt 4.4)

- Esotéricos "comem" cada livro lançado no mercado editorial aumentando assim a quantidade e destaque deste gênero nas livrarias.  

- Você tem o hábito de ler livros cristãos? De comprar bons livros de Estudos Bíblicos?  


CLICK NA FOTO E VEJA MAIS...

 

 

Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
931 × 395 - somosigrejas.blogspot.com
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
1 dia atrás
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
3 dias atrás
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
2 dias atrás
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
3 dias atrás
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.
Resultado de imagem para IMAGENS RELIGIÕES, SEITAS E A BABILÔNIA DA FÉ.