DEUS NÃO É RELIGIÃO OU SEITA, POIS RELIGIÕES E SEITAS SÃO COISAS DOS HOMENS E MULHERES, COMO AS CRENDICES.

E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. João 8:32 - Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade. João 17:17 - Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim tem a vida eterna. João 6:47 - Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade. 2 Coríntios 13:8.


O AMOR DE DEUS PARA COM OS SERES HUMANOS, É ABSOLUTAMENTE INCONDICIONAL, POIS OS CRIOU A SUA IMAGEM E SEMELHANÇA EM ESPÍRITO, E NÃO PODE NEGAR-SE A SI PRÓPRIO.


www.palavra10.com, é o maior site de receitas culinárias do mundo. São aproximadamente 1.500.000 receitas culinárias, com fotos dos pratos  (alimentos preparados). Clicando nas fotos você verá as receitas e os modos de preparos, entre outras orientações e divulgações. Neste site você encontra orientações pessoais, que se tornam uma autoajuda necessária para os problemas pessoais diários. Confira tudo.

 COMPARTILHE O SITE www.palavra10.com COM SEUS AMIGOS E PARENTES.


 CRIAÇÃO DA RAÇA HUMANA RACIONAL
Existem dois períodos distintos e importantes na criação da vida humana. 1º Período: Antes da criação do homem racional (pré-história) e 2º Período após a criação do homem racional, este último citado na Bíblia, em Gênesis Capítulo 1º (criação dos espíritos do homem e da mulher), e Gênesis, Capítulo 2º (criação dos corpos do homem e da mulher). É muito grande a falta de entendimento dos Ciêntistas e dos Religiosos, tornado-os radicais.


AJUDE A MANTER ESTE WEBSITE, DEPOSITE QUALQUER QUANTIA NA CONTA POUPANÇA DO BANCO DO BRASIL Nº 35.747-2, AGÊNCIA Nº 0869-9.

 

  

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
PALAVRA10
O QUE VOCÊ ACHA DESTE SITE?
ÓTIMO
BOM
REGULAR
Ver Resultados

Rating: 2.9/5 (5427 votos)




ONLINE
9





Partilhe esta Página





 

 


CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA

CASAMENTO, BODA, CASTIDADE,

CELIBATO E FAMÍLIA.

 

Casamento

 

Casamento é o vínculo estabelecido entre duas pessoas, mediante o reconhecimento governamentalreligioso ou social e que pressupõe uma relação interpessoal de intimidade, cuja representação arquetípica é a coabitação, embora possa ser visto por muitos como um contrato. Na legislação portuguesa, o casamento é, efetivamente, definido como um contrato.

As pessoas casam-se por várias razões, mas normalmente fazem-no para dar visibilidade à sua relação afetiva, para buscar estabilidade econômica e social, para formar famíliaprocriar e educar seus filhos, legitimar o relacionamento sexual ou para obter direitos como nacionalidade.

Um casamento é frequentemente iniciado pela celebração de uma boda, que pode ser oficiada por um ministro religioso (padrerabinopastor), por um oficial do registro civil (normalmente juiz de casamentos) ou por um indivíduo que goza da confiança das duas pessoas que pretendem unir-se.

Em direito, é chamado "cônjuge" às pessoas que fazem parte de um casamento. O termo é neutro e pode se referir a homens e mulheres, sem distinção entre os sexos.

A palavra casamento é derivada de "casa", enquanto que matrimonio tem origem no radical mater ("mãe") seguindo o mesmo modelo lexical de "patrimônio". Também pode ser do latim medieval casamentu: Ato solene de união entre duas pessoas, capazes e habilitadas, com legitimação religiosa e/ou civil.

Seleção de um parceiro

Há uma grande variedade, dependendo de fatores culturais, nas regras sociais que regem a seleção de um parceiro para o casamento. Há uma variação no quanto a seleção de parceiros é uma decisão individual pelos próprios parceiros ou de uma decisão coletiva por parte de seus parentes, existindo uma variedade das regras que regulam quais parceiros são opções válidas.

Em muitas sociedades, a escolha do parceiro é limitada às pessoas de grupos sociais específicos. Em algumas sociedades, a regra é que um parceiro é selecionado do próprio grupo de um indivíduo social (endogamia). Este é o caso de muitas sociedades baseadas em classes e castas. No entanto, em outras sociedades um parceiro deve ser escolhido de um grupo diferente do que o dele (exogamia). Este é o caso de muitas sociedades que praticam religiões totêmicas, na qual a sociedade é dividida em várias clãs totêmicos exogâmicos, como a maioria das sociedades aborígenes australianas. Em outras sociedades, uma pessoa deve se casar com seu primo, uma mulher deve se casar com o filho da irmã de seu pai e um homem deve se casar com a filha do irmão de sua mãe - este é normalmente o caso de uma sociedade que tem uma regra de “rastreamento” de parentesco exclusivamente através de grupos de descendência patrilinear ou matrilinear, como entre o povo Akan, da África. Outro tipo de seleção de casamento é o levirato, em que as viúvas são obrigadas a casar com o irmão do seu marido. Este tipo de casamento é encontrado principalmente em sociedades onde o parentesco é baseado em grupos de clãs endogâmicos.

Em outras culturas com regras menos rígidas que regem os grupos dos quais um parceiro pode ser escolhido, a seleção de um parceiro de casamento pode exigir um processo em que o casal deve passar por uma corte ou o casamento pode ser arranjado pelos pais do casal ou por uma pessoa de fora, uma casamenteira.

Um casamento pragmático (ou 'arranjado') é facilitado por procedimentos formais da família ou de grupos políticos. Uma autoridade responsável organiza ou incentiva o casamento; eles podem, ainda, contratar uma casamenteira profissional para encontrar um parceiro adequado para uma pessoa solteira. O papel de autoridade pode ser exercido por pais, família, um oficial religioso ou um consenso do grupo. Em alguns casos, a autoridade pode escolher um par para outros fins que não a harmonia conjugal.

Em algumas sociedades, desde a Ásia Central até o Cáucaso e a África, ainda existe o costume de sequestro da noiva, em que uma mulher é capturado por um homem e seus amigos. Às vezes, isso inclui uma fuga, mas outras vezes depende violência sexual. Em épocas anteriores, o rapto era uma versão em grande escala do sequestro da noiva, com grupos de mulheres sendo capturadas por grupos de homens, às vezes na guerra. O exemplo mais famoso é o Rapto das Sabinas, que forneceu às primeiras esposas aos cidadãos de Roma.

Outros parceiros de casamento são mais ou menos impostos a um indivíduo. Por exemplo, a herança da viúva obriga a viúva a casar com um dos irmãos do falecido marido, tal arranjo é chamado levirato.

Casamento infantil

Um casamento infantil é um casamento em que os menores são dadas em matrimônio - muitas vezes antes da puberdade. Casamentos infantis são comuns em muitas partes do mundo, especialmente em partes da Ásia e da África. Estes casamentos são muitas vezes forçados.

ONU afirma que os casamentos infantil são mais comuns no Níger, Chade, República Centro Africano, Bangladesh, Guiné, Moçambique, Mali, Burkina Faso, Sudão do Sul e Malawi.

Em aldeias rurais da Índia, o casamento infantil ainda é praticado, com os pais, às vezes, arranjando o casamento, por vezes antes mesmo de a criança nascer. Esta prática passou a ser considera ilegal, depois da promulgação da Lei de Restrição do Casamento Infantil, de 1929.

Tipos

A sociedade cria diversas expressões para classificar os diversos tipos de relações matrimoniais existentes. As mais comuns são:

  • casamento aberto (ou liberal) - em que é permitido aos cônjuges ter outros parceiros sexuais por consentimento mútuo
  • casamento branco ou celibatário - sem relações sexuais
  • casamento arranjado - celebrado antes do envolvimento afetivo dos contraentes e normalmente combinado por terceiros (pais, irmãos, chefe do clã etc.)
  • casamento civil - celebrado sob os princípios da legislação vigente em determinado Estado (nacional ou subnacional)
  • casamento misto - entre pessoas de distinta origem (racial, religiosa, étnica etc.)
  • casamento morganático - entre duas pessoas de estratos sociais diferentes no qual o cônjuge de posição considerada inferior não recebe os direitos normalmente atribuídos por lei (exemplo: entre um membro de uma casa real e uma mulher da baixa nobreza)
  • casamento nuncupativo - realizado oralmente e sem as formalidades de praxe
  • casamento putativo - contraído de boa-fé mas passível de anulação por motivos legais
  • casamento religioso - celebrado perante uma autoridade religiosa
  • casamento poligâmico - realizado entre um homem e várias mulheres (o termo também é usado coloquialmente para qualquer situação de união entre múltiplas pessoas)
  • casamento poliândrico - realizado entre uma mulher e vários homens, ocorre em certas partes do himalaia.
  • casamento de conveniência - que é realizado primariamente por motivos econômicos ou sociais.

Casamento entre pessoas do mesmo sexo

Casamento entre pessoas do mesmo sexo (comumente referido como casamento homossexual, casamento gay ou casamento homoafetivo) é o casamento entre duas pessoas do mesmo sexo biológico ou da mesma identidade de gênero. Os defensores do reconhecimento legal de casamento do mesmo sexo geralmente se referem ao seu reconhecimento como casamento igualitário.

Desde 2001, dezesseis países permitem que pessoas do mesmo sexo se casem em todo o seu território: ArgentinaBélgicaCanadáDinamarcaFrançaInglaterraIslândiaNova ZelândiaNoruega, País de GalesPaíses BaixosPortugalEspanhaÁfrica do SulSuécia e Uruguai. Casamentos entre pessoas do mesmo sexo são também realizados no Brasil por decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Na Cidade do México e no estado de Quintana Roo são realizados casamentos e reconhecidos em todo o México; e também são realizados em alguns estados dos Estados Unidos. Algumas das jurisdições que não realizam os casamentos homossexuais mas reconhecem os que forem realizados em outros países, são: Israel, os países caribenhos pertencentes ao Reino dos Países Baixos, partes dos Estados Unidos e todos os estados do México. A Austrália reconhece casamentos do mesmo sexo apenas se um dos parceiros mudar seu sexo depois do casamento. Em 2012, havia propostas para introduzir o casamento homossexual em pelo menos dez outros países.

Regime de bens no casamento

A lei portuguesa e a lei brasileira preveem três tipos de regimes de bens no ato do matrimônio:

  • Regime geral de bens / Comunhão universal de bens - Neste regime de matrimônio, todos os bens de ambos os nubentes passam a pertencer ao casal. O casal é encarado como uma única entidade detentora de todos os bens, mesmo aqueles que cada um dos nubentes detinha antes do casamento. Em caso de separação, tudo será dividido pelos dois.
  • Em Portugal, este regime não pode ser escolhido na eventualidade de algum dos nubentes ter filhos, maiores ou menores (que não sejam comuns ao outro nubente). Além disso, existem alguns bens que são excepcionados da comunhão, nomeadamente alguns bens de carácter pessoal.
  • Comunhão de bens adquiridos / Comunhão parcial de bens - Neste regime de bens, existe separação de bens apenas nos bens que os nubentes já possuíam antes do casamento, sendo que os bens que cada um adquire após o casamento pertencem ao casal.
  • Em Portugal, este é o regime supletivamente aplicável, ou seja aquele que vigorará na eventualidade de os cônjuges não escolherem nenhum outro. Em princípio, todos os bens adquiridos após o casamento serão comuns, embora existam algumas excepções.
  • Separação de bens - Neste regime apesar de se efetuar um matrimónio, em sede de propriedade de bens existe uma total separação. Neste regime, cada nubente mantém como apenas seu quer os bens que levou para o casamento, como também aqueles que adquiriu após o casamento. Em Portugal este regime é obrigatório quando um dos nubentes tem idade idêntica ou superior a 60 anos. No Brasil, é obrigatório a partir dos 70 anos de idade.

 

Boda

 

Boda é a celebração, civil ou religiosa, que celebra o casamento

Meses

Designação

1

Bodas de Beijinhos

2

Bodas de Sorvete

3

Bodas de Algodão-doce

4

Bodas de Pipoca

5

Bodas de Chocolate

6

Bodas de Pluminha

7

Bodas de Purpurina

8

Bodas de Pompom

9

Bodas de Maternidade

10

Bodas de Pintinhos

11

Bodas de Chicletes

12

Bodas de Milagre ou Papel

 

Anos

Designação

1

Bodas de Papel

2

Bodas de Algodão

3

Bodas de Trigo ou Couro

4

Bodas de Flores e Frutas ou Cera

5

Bodas de Madeira ou Ferro

6

Bodas de Perfume ou Açúcar

7

Bodas de Latão ou 

8

Bodas de Papoula ou Barro

9

Bodas de Cerâmica ou Vime

10

Bodas de Estanho ou Zinco

11

Bodas de Aço

12

Bodas de Seda ou Ônix

13

Bodas de Linho ou Renda

14

Bodas de Marfim

15

Bodas de Cristal

16

Bodas de Turmalina

17

Bodas de Rosa

18

Bodas de Turquesa

19

Bodas de Cretone ou Água-marinha

20

Bodas de Porcelana

21

Bodas de Zircão

22

Bodas de Louça

23

Bodas de Palha

24

Bodas de Opala

25

Bodas de Prata

26

Bodas de Alexandrita

27

Bodas de Crisopázio

28

Bodas de Hematita

29

Bodas de Erva

30

Bodas de Pérola

31

Bodas de Nácar

32

Bodas de Pinho

33

Bodas de Crizo

34

Bodas de Oliveira

35

Bodas de Coral

36

Bodas de Cedro

37

Bodas de Aventurina

38

Bodas de Carvalho

39

Bodas de Mármore

40

Bodas de Rubi ou Esmeralda

41

Bodas de Seda

42

Bodas de Prata Dourada

43

Bodas de Azeviche

44

Bodas de Carbonato

45

Bodas de Platina ou Safira 

46

Bodas de Alabastro

47

Bodas de Jaspe

48

Bodas de Granito

49

Bodas de Heliotrópio

50

Bodas de Ouro

51

Bodas de Bronze

52

Bodas de Argila

53

Bodas de Antimônio

54

Bodas de Níquel

55

Bodas de Ametista

56

Bodas de Malaquita

57

Bodas de Lápis Lazuli

58

Bodas de Vidro

59

Bodas de Cereja

60

Bodas de Diamante ou Jade 

61

Bodas de Cobre

62

Bodas de Telurita

63

Bodas de Sândalo ou Lilás

64

Bodas de Fabulita

65

Bodas de Ferro

66

Bodas de Ébano

67

Bodas de Neve

68

Bodas de Chumbo

69

Bodas de Mercúrio

70

Bodas de Vinho

71

Bodas de Zinco

72

Bodas de Aveia

73

Bodas de Manjerona

74

Bodas de Macieira

75

Bodas de Brilhante ou Alabastro

76

Bodas de Cipreste

77

Bodas de Alfazema

78

Bodas de Benjoim

79

Bodas de Café

80

Bodas de Nogueira ou Carvalho

81

Bodas de Cacau

82

Bodas de Cravo

83

Bodas de Begônia

84

Bodas de Crisântemo

85

Bodas de Girassol

86

Bodas de Hortênsia

87

Bodas de Nogueira

88

Bodas de Pêra

89

Bodas de Figueira

90

Bodas de Álamo

91

Bodas de Pinheiro

92

Bodas de Salgueiro

93

Bodas de Imbuia

94

Bodas de Palmeira

95

Bodas de Sândalo

96

Bodas de Oliveira

97

Bodas de Abeto

98

Bodas de Pinheiro

99

Bodas de Salgueiro

100

Bodas de Jequitibá ou Cânhamo

 

Casamento religioso

 

Um "casamento religioso" ou "matrimônio religioso" é uma celebração em que se estabelece o vínculo matrimonial segundo as regras de uma determinada religião ou confissão religiosa. O casamento religioso submete-se tão somente às regras da respectiva religião e não depende, segundo a religião em que se celebra, do seu reconhecimento pelo Estado ou pela lei civil para ser válido.

Matrimônio católico

Na Igreja Católica, o casamento é considerado "o pacto matrimonial, com o objetivo pela qual um homem e uma mulher constituem entre si uma íntima comunidade de vida e de amor, fundado e dotado de suas leis próprias pelo Criador. Por sua natureza, é ordenado ao bem dos cônjuges, como também à geração e educação dos filhos. Entre batizados, foi elevado, por Cristo Senhor, à dignidade de sacramento." (Catecismo da Igreja Católica, n. 1660). O casamento pode ser feito a partir dos 10 anos de idade

Definição

O Matrimónio é a união conjugal de um homem e uma mulher, entre pessoas legítimas para formarem uma comunidade indivisa de vida (Cf. Catecismo Romano, P.II, cap. 8, n.3). Segundo o Compêndio do Catecismo da Igreja CatólicaDeus, que é amor e criou o homem por amor, chamou-o a amar. Criando o homem e a mulher, chamou-os no Matrimónio a uma íntima comunhão de vida e de amor entre si, "assim, eles não são mais dois, mas uma só carne" (Mt 19,60). Ao abençoá-los, Deus disse-lhes: "Sede fecundos e prolíficos" (Gn 1,28).

O matrimónio é definido pelo Código de Direito Canônico como sendo "o pacto pelo qual o homem e a mulher constituem entre si o consórcio íntimo de toda a vida, ordenado por sua índole natural ao bem dos cônjuges e à procriação e educação da prole, entre baptizados foi elevado por Cristo nosso Senhor à dignidade de sacramento. Pelo que, entre baptizados não pode haver contrato matrimonial válido que não seja, pelo mesmo facto, sacramento." (cânon 1055).

É, portanto, um dos sete sacramentos da Igreja, que estabelece uma santa e indissolúvel união entre um homem e uma mulher, e lhes dá a graça de se amarem, multiplicarem e educarem os seus filhos:

...cada homem tenha sua mulher e cada mulher seu marido. Que o marido cumpra seu dever em relação à mulher e igualmente a mulher em relação ao marido. A mulher não dispõe de seu corpo, mas sim o marido. Igualmente o marido não dispõe de seu corpo, mas sim a mulher. Não se recusem um ao outro... (1ª Coríntios 7, 2-5)

O vínculo conjugal nasce do pacto conjugal, isto é, tem origem no consentimento. Segundo São Tomás de Aquino a causa do matrimônio é o pacto conjugal; a sua essência é o vínculo e os seus fins são a procriação e educação da prole, a regulação do instinto sexual e a mútua ajuda.

doutrina da Igreja Católica estipula que o casamento é simultaneamente uma instituição natural e um sacramento.

Instituição natural

Deus criou o ser humano varão e mulher, com o encargo de procriar e de se multiplicarem: "Homem e mulher os criou, e Deus abençoou-os dizendo-lhes: Crescei e multiplicai-vos e enchei a Terra" (Gen. 1,28). Segundo a Igreja Católica foi neste momento que Deus instituiu o Matrimônio, e fê-lo - principalmente - para povoar a Terra e para que o homem e a mulher se ajudassem e apoiassem mutuamente: "Não é bom que o homem esteja só; vou dar-lhe uma companheira semelhante a ele"(Gen. 2,18).

A isto segue-se o Novo TestamentoJesus Cristo atribuiu ao próprio Deus as palavras que figuram no Gênesis"Não ouvistes que, no princípio, o Criador os fez varão e mulher? Disse: por isso deixará o homem o pai e a mãe e se unirá à mulher, e serão dois numa só carne." (Mt. 19, 4-5) Com efeito em Gen. 2,24 vê-se: "O homem deixará seu pai e sua mãe, e unir-se-á à sua mulher, e serão dois numa só carne." e, ainda, "não separe o homem o que Deus uniu" (Mt. 19,6).

Considera, portanto, esta instituição como sendo de "direito natural", isto é inerente à natureza própria do ser humano, e, independente da Revelação divina, é instituição que existe de acordo com a "Lei Natural" que estabelece para ela princípios morais e éticos imutáveis que antecedem à própria instituição do sacramento no tempo.

Resumindo, segundo o Catecismo da Igreja Católica, desde o princípio da humanidade, o Matrimônio é uma instituição natural estabelecida pelo próprio Criador, e que, desde Jesus Cristo, é além disso, para os batizados, um Sacramento.

Sacramento

Enquanto Sacramento, muitos teólogos inclinam-se no sentido de que o momento da sua instituição se deu com o comparecimento de Cristo e de Sua Mãe às Bodas de Caná da Galiléia (Jo. 2, 1-11). Outros teólogos inclinam-se para o momento em que foi abolida a lei do repúdio (Mt. 19,6). Que o Matrimônio entre batizados é sacramento, mostra-o São Paulo de Tarso (Ef. 5, 22-32): "As mulheres casadas estejam sujeitas a seus maridos como ao Senhor. Porque o marido é a cabeça da mulher, como Cristo é cabeça da Igreja (...) Vós, maridos, amai as vossas mulheres, como Cristo amou a Igreja (Ef 5, 25) ... Por isso deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e serão dois numa só carne: grande sacramento é este, mas entendido em Cristo e na Igreja". São Paulo chama, pois, este sacramento de sacramento magno.

O sacramento não é algo que se acrescenta ao Matrimônio: entre batizados o Matrimônio é sacramento em si e por si, não como algo que se lhe sobreponha, por isto é que todo Matrimônio válido entre batizados é sacramento. Cristo não só restabeleceu a ordenação inicial querida por Deus mas deu também a graça para a vida matrimonial na dignidade sacramental.

O Magistério da Igreja sempre tem ensinado assim e esta doutrina vem sendo repetida ao longo dos séculos de modo indiscrepante em vários concílios ecuménicosII de Lyon, de Florença e de Trento e em muitos documentos pontifícios de várias épocas. A Igreja reconhece por isto que ele é uma vocação cristã e, para os esposos, caminho de santidade.

Fins

A união matrimonial do homem e da mulher, fundada e estruturada segundo leis próprias pelo Criador, segundo a Igreja, está ordenada para a comunhão e o bem dos cônjuges e à geração e educação da prole. Assim, a finalidade do matrimônio é, em primeiro lugar, a procriação e a educação dos filhos; em segundo lugar, a ajuda mútua entre os esposos e o remédio da concupiscência. O Gênesis (1,28) depois de narrar a criação do homem e da mulher, manifesta a finalidade da criação dos dois sexos: "Crescei e multiplicai-vos, e enchei a Terra".

Também o Concílio Vaticano II, o reafirma na Constituição Pastoral Gaudium et Spes (n. 50): "O matrimônio e o amor conjugal estão ordenados por sua própria natureza à procriação e educação da prole. Os filhos são, sem dúvida, o dom mais excelente do matrimônio e contribuem sobremaneira para o bem dos próprios pais."

João Paulo II, falando sobre os fins do matrimônio em discurso de 10 de outubro de 1984, n. 3, diz: ..."Com esta renovada formulação, o ensino tradicional sobre os fins do matrimônio e sua hierarquia fica confirmado."

Este fim do matrimônio inclui também a educação dos filhos, da qual os pais se não podem desinteressar, pois é um dever intrinsecamente unido ao fato de terem trazido filhos ao mundo.

"De outro lado o matrimônio não se dissolve se, de fato, os filhos não aparecem, uma vez que permanece a ordenação a eles do matrimônio enquanto tal. Seria errôneo considerar como fim primordial do matrimônio a "realização" ou perfeição dos esposos, que de resto, não conseguiriam se voluntariamente estancassem as fontes da vida. Esse fim, como os restantes, está compreendido na natureza do matrimônio, mas não no mesmo grau que o primeiro, ao qual essencialmente se subordina. (Papa Pio XII, alocução de 29 de Outubro de 1951).

Efeitos

O matrimônio estabelece os cônjuges num estado público de vida na Igreja. De acordo com a teologia sacramental católica, o efeito próprio do Matrimônio, enquantoinstituição natural, é o vínculo entre os cônjuges, com as suas propriedades essenciais, a saber, a unidade e indissolubilidade. Este vínculo é exclusivo e perpétuo.

Enquanto sacramento produz efeitos sobrenaturais, quais sejam, o aumento da graça santificante e a graça sacramental específica, que consiste no direito de receber no futuro as graças atuais necessárias para cumprir devidamente os fins do Matrimônio e alcançar a santidade na vida conjugal, acolher os filhos responsavelmente e educá-los.

Por causa do primeiro pecado, o "pecado original", que provocou a ruptura entre criatura e Criador, a união matrimonial é muitas vezes ameçada pela infidelidade e pela discórdia. Entretanto os casais têm graça de estado - a graça do sacramento - para viverem todas as virtudes humanas e cristãs da convivência matrimonial e familiar e perseverarem nesta união, como é do desígnio de Deus.

Propriedades

São propriedades essenciais do matrimônio a unidade e a indissolubilidade, a quais, em razão do sacramento, adquirem particular firmeza no matrimônio (C.D.C. art. 1056).

Unidade

Pela sua própria natureza, o amor conjugal é "um amor fiel e exclusivo, até à morte. Assim o concebem o esposo e a esposa no dia em que assumem livremente e com plena consciência o compromisso do vínculo matrimonial. Fidelidade que por vezes pode parecer difícil, mas que sempre é possível, nobre e meritória: ninguém o pode negar. O exemplo de numerosos esposos através dos séculos mostra que a fidelidade não é apenas conatural ao Matrimônio, mas ainda manancial de felicidade profunda e duradoura" (Papa Paulo VI, Humanae vitae, n. 9). Portanto a poligamia como a poliandria atentam contra esta propriedade essencial.

É permitido contrair novo matrimônio uma vez dissolvido o vínculo anterior por morte de um dos cônjuges, isto se deduz das Epístolas de São Paulo em I Coríntios (7, 8 e 39), Romanos (7,3) e I Timóteo (5, 14).

Indissolubilidade

O vínculo matrimonial é, por instituição divina, perpétuo e indissolúvel, uma vez contraído, não se pode romper senão com a morte de um dos cônjuges. "Não separe o homem o que Deus uniu" (Mt. 19,6-9 e Mc. 10,9). O divórcio no Antigo Testamento havia sido admitido por Moisés "pela dureza do vosso coração, embora não tenha sido assim desde o princípio.

Esta doutrina foi sempre ensinada pela Igreja, que insistiu, no plano prático, no cumprimento jurídico e moral desta verdade exposta por Cristo (cf. Mt. 19, 3-9; Mc. 10, 1-2; Lc. 16, 18) e pelos Apóstolos (cf. I Cor. 6, 16; 7, 10-11; rom. 7, 2-3; Ef. 5, 31). A Igreja, por isto declara que o Matrimônio não é obra dos homens, mas de Deus e portanto as suas leis não estão sujeitas ao arbítrio humano. (Pio XICasti Connubii, n. 3)

..."é dever fundamental da Igreja reafirmar fortemente a indissolubilidade do Matrimônio a todos aqueles que, nos nossos dias, consideram difícil ou até impossível que uma pessoa se vincule por toda a vida; e a todos os que são arrastados por uma cultura que rejeita a indissolubilidade matrimonial e que abertamente se ri do compromisso dos esposos à fidelidade, importa repetir o bom anúncio da perenidade do amor conjugal, que tem em Cristo fundamento e força. (Papa João Paulo II, Constituição Apostólica Familiaris consortio, n. 20.

Pecados contra o Matrimônio

Segundo o Compêndio do Catecismo da Igreja Católica, os pecados mais graves contra este sacramento são o adultério; a poligamia, esta porque atenta contra a igual dignidade de homem e mulher, contra a unicidade e a exclusividade do amor conjugal; a rejeição da fecundidade, que priva o casal do dom os filhos e o divórcio, que transgride a indissolubilidade.

Divórcio civil

divórcio civil não dissolve o vínculo conjugal, mesmo que assim o estabeleça a lei, de tal modo que os divorciados não podem contrair novo matrimônio religioso válido, enquanto viva o primeiro cônjuge (exceto se o casamento foi canonicamente anulado).

Uma pessoa divorciada que tenha vida conjugal com outra pessoa está para todos os efeitos eclesiásticos em situação de adultério razão pela qual não pode receber a absolvição sacramental nem se aproximar da comunhão eucarística enquanto perdurar esta situação (Compêndio n.349). Diversa pode vir a ser a situação do cônjuge "inocente" que não pediu e que não consentiu ilegitimamente com o divórcio e que se mantém célibe, neste caso pode vir a ser exemplo de fidelidade e coerência cristã (Familiaris consortio, n. 83).

Sobre esta matéria, Bento XVI, recolhendo o Magistério da Igreja (Sacramentum Caritatis, 29, Exortação Apostólica Pós-Sinodal) afirma:

"Todavia os divorciados recasados, não obstante a sua situação, continuam a pertencer à Igreja, que os acompanha com especial solicitude na esperança de que cultivem, quanto possível, um estilo cristão de vida, através da participação na Santa Missa, ainda que sem receber a comunhão, da escuta da Palavra de Deus, da adoração eucarística, da oração, da cooperação na vida comunitária, do diálogo franco com um sacerdote ou um mestre de vida esperitual, da dedicação ao serviço da caridade, das obras de penitência, do empenho na educação dos filhos."

E ainda:

"Enfim, caso não seja reconhecida a nulidade do vínculo matrimonial e se verifiquem condições objetivas que tornam realmente irreversível a convivência, a Igreja encoraja esses fiéis a esforçarem-se por viver a sua relação segundo as exigências da lei de Deus, como amigos, como irmão e irmã; desse modo poderão novamente abeirar-se da mesa eucarística, com os cuidados previstos por uma comprovada prática eclesial"... "evitando, em todo o caso, de abençoar essas relações para que não surjam entre os fiéis confusões acerca do valor do Matrimônio."

Separação de corpos

É admitida a separação de corpos ou separação física dos esposos quando a coabitação se torna, por motivos graves, praticamente impossível, embora a Igreja deseje e devam ser feitos esforços para que se dê a reconciliação ou que sejam afastados os motivos que a deram ensejo. No entanto, enquanto viverem não estão os esposos livres para contrair nova união, salvo em caso de declaração de nulidade do casamento pela legítima autoridade eclesiástica.

Relações pré-matrimoniais

Embora as relações pré-matrimoniais não sejam propriamente um "pecado contra o matrimônio" (teologicamente constituem outra espécie de pecado - pois o antecedem), diversas são as razões que se procura dar para as justificar, que vão desde obstáculos insuperáveis para o casamento até o desejo de melhor conhecimento mútuo. Quanto a isto o Magistério da Igreja considera que o uso da função sexual só atende aos postulados da ética no âmbito do matrimônio legítimo e só ali obtém o seu verdadeiro sentido e a sua retidão moral.

A união carnal só pode ser legítima quando se estabeleceu uma definitiva comunidade de vida entre um homem e uma mulher (...) As relações sexuais pré-matrimoniais excluem, as mais das vezes, a prole, e o que se apresenta como amor conjugal não poderá desenvolver-se, como indefectivelmente deveria, num amor materno e paterno, ou, se eventualmente se desenvolve, será em prejuízo dos filhos, que se verão privados da convivência estável na qual haviam de poder realizar-se como convém e encontrar o caminho e os meios necessários para se integrarem na sociedade. (Declaração Persona Humana, sobre alguns aspectos da Ética Sexual, Congregação para a Doutrina da Fé29 de dezembro de 1975).

Rito e celebração

A celebração do casamento católico é pública, na presença do sacerdote ou da testemunha qualificada pela Igreja e das outras testemunhas. A idade mínima canônica para o matrimônio é para o homem a de dezesseis anos completos e para a mulher a de catorze anos completos.

É indispensável que haja manifestação livre e expressa por um homem e por uma mulher de se doar mútua e definitivamente com "o fim de viver de viver uma aliança de amor fiel e fecundo." O consentimento é indispensável e insubstituível, deve ser consciente e livre de constrangimentos e violência (Compêndio n. 344).

A Igreja Católica reconhece o casamento religioso com pessoas de outras religiões ou ritos mas considera que este acto deve ser ponderado com cuidado sendo obrigatória a autorização por parte de uma autoridade eclesiástica. A pessoa católica compromete-se a tudo fazer no seu poder para baptizar e educar os filhos na Fé Católica, sendo também no caso de casamentos entre religiões responsabilidade da pessoa católica garantir a livre conversão do parceiro para a fé cristã (Catecismo).

Vários países possuem regras em que são admitidos os chamados "efeitos civis" do casamento religioso. Isto significa que a celebração de um casamento religioso, uma vez declarada a sua existência ao oficial civil, teria a sua existência reconhecida pelo Estado como se fosse também um casamento civil.

Cada vez mais, no Ocidente, as Igrejas e denominações cristãs em razão do descompasso que se vai verificando entre as regras do casamento religioso e as do casamento civil, vão celebrando em âmbito distinto o casamento religioso e exigindo que as celebrações se façam de modo separado, de modo a demonstrar como maior nitidez as suas diferenças.

Certas práticas, como o divórcio civil e o segundo casamento civil, são inadmissíveis pela maioria das confissões cristãs, notadamente a Igreja Católica, e fazem com que a celebração religiosa cada vez mais seja distanciada da celebração civil, como uma providência de ordem prática para se evitar a confusão ou dúvida entre os participantes. Neste contexto, por exemplo, a exigência de a cerimônia ocorra dentro da Igreja paroquial e a vedação de que se realize em clubes, residências ou mansões de aluguel têm sido uma constante em muitas dioceses católicas.

Igrejas católicas de rito bizantino

O sacramento do matrimônio, no rito bizantino, celebrado pela maioria das igrejas orientais católicas, costuma ser chamado de Sagrada Coroação, pois cada noivo recebe uma coroa em sua cabeça, representando a comunhão do casal com o Reino de Deus, a submissão a Ele, a vitória dos noivos sobre o pecado (o pecado da concupiscência), o sacerdócio comum que irão desempenhar em sua casa, que se transformou em igreja doméstica e a igualdade essencial de ambos.

Nas tradições das Igrejas Orientais, os sacerdotes, bispos ou presbíteros, são testemunhas do consentimento recíproco dos esposos, e é também necessária a benção deles para a validade do sacramento. (Catecismo da Igreja Católica, n. 1623)

Nulidade

Para a Igreja Católica, o matrimônio é indissolúvel enquanto os cônjuges viverem. A Igreja, segundo o ensinamento desta denominação, não pode dissolver um matrimônio válido. Assim, vige sempre a regra segundo a qual a única ruptura possível é o óbito de qualquer um dos cônjuges.

Todavia, existem situações em que o casamento de fato nunca existiu, ou seja, que nunca foi abençoado por Deus, nomeadamente em casos em que um dos cônjuges casou não por vontade própria, mas por coerção ou por outras formas de intimidação ou engano. Através do competente tribunal eclesiástico, a Igreja julgará cada caso concreto, a fim de verificar se ocorreu as situações ou bases legais de nulidade do casamento. Se for verificado, baseado em provas suficientes, o tribunal eclesiástico declara a nulidade, ficando os cônjuges livres para convolar a novas núpcias. Um casamento também pode ser declarado nulo se este não for consumado.

Impedimentos

Chama-se impedimento o fato ou circunstância que torna uma pessoa incapaz, temporária ou defintivamente, de casar-se. Chamam-se de dirimentes os impedimentos cuja violação levam à invalidade ou nulidade do casamento; impedientes, ao contrário, tornam o casamento ilícito mas não significam a perda da sua validade. Os impedimentos podem ocorrer por: idade, impotência, vínculo matrimonial, diversidade de culto, ordem sacra, profissão religiosa, rapto, de crime, de conseguinidade, de afinidade, pública honestidade e por parentesco legal (Cânones 1083 a 1094 - Código de Direito Canônico)

Igreja Protestante

Para a Igreja Protestante, o casamento é uma importante instutuição divina, por meio da qual se estabelece uma aliança entre os nubentes (homem e mulher) e Deus, aliança essa de suma importância, e indissolúvel, conforme Jesus ensinou no livro de Mateus: ". . .o que Deus ajuntou não o separe o homem" (Mateus 19:6). Veja também: "A mulher está ligada enquanto vive o marido; contudo, se falecer o marido, fica livre para casar com quem quiser, mas somente no Senhor." (I Coríntios 7:39).

Apenas a infidelidade conjugal é reconhecida por Deus, de acordo com a doutrina bíblica, como base para a dissolução do casamento, uma vez que aquele que cometeu o adultério, ao cometê-lo, "quebrou" a aliança antes estabelecida: "Qualquer que repudiar sua mulher, exceto em caso de adultério, a expõe a tornar-se adúltera; e aquele que casar com a repudiada, comete adultério." (Mateus 5:32).

Vale ressaltar que de acordo com os ensinamentos bíblicos, aquele que traiu não pode contrair um novo casamento, sendo esse também um adultério; e ainda, quem foi traído pode perdoar aquele que o traiu e a aliança antes quebrada é restabelecida.

Os pastores podem casar-se, uma vez que não há em nenhum lugar na Bíblia qualquer restrição nesse sentido.

Referências Bíblicas

·       O casamento é uma idéia de Deus. Gênesis 2:18-24.

  • O compromisso é essencial para um casamento bem-sucedido. Gênesis 24:58-60.
  • O romance é importante. Gênesis 29:10-11.
  • O casamento proporciona momentos de imensa felicidade. Jeremias 7:34.
  • O casamento cria o melhor ambiente para a educação dos filhos. Malaquias 2:14-15.
  • A infidelidade quebra o vínculo da confiança, que é a base de todos os relacionamentos. Mateus 5:32.
  • O casamento é permanente. Mateus 19:6.
  • O correto é que apenas a morte dissolva um casamento. Romanos 7:2-3.
  • O casamento está baseado nos princípios práticos do amor, não em sentimentos. Efésios 5:21-33.
  • O casamento é um símbolo vivo de Cristo e a Igreja. Efésios 5:23-32.
  • O casamento é bom e honroso. Hebreus 13:4.

Não são poucas as referências na Bíblia ao casamento ou matrimônio como o conhecemos hoje: e.g. um acto formal entre um homem e uma mulher de mútuo consentimento. Especialmente no Antigo Testamento são utilizadas referências à união, à reprodução, ou ao ato de entregar a mulher a um homem.

Mesmo no Novo Testamento a escolha do casamento é vista como uma decisão exclusiva do homem (Mateus 19,6) embora passe a ter um caracter mais definitivo podendo apenas o homem abandonar a sua mulher caso esta lhe tenha sido infiel.

Religiões afro-brasileiras

Nas religiões afro-brasileiras, o casamento é realizado pelo Babalorixá (pai-de-santo) e possui o mesmo valor legal do casamento civil. Geralmente, a cerimônia é realizada em praias.

No Candomblé Ketu, por exemplo, o casamento gira em torno de três orixásOxossiOxum e Oxalá, que simboliza a paz. Os noivos portam trajes brancos e se dirigem ao sacerdote, que, por sua vez, consagra a união do casal.

Casamento religioso entre pessoas do mesmo sexo

Diversas congregações da Igreja Unida do Canadá exercem o seu direito de opção e realizam casamentos entre pessoas do mesmo sexo, que são reconhecidos legalmente no Canadá. A Universal Fellowship of Metropolitan Community Churches, Unitário-Universalismo, Swedenborgian Church of North America e diversas outras congregações mais pequenas como Eucharistic Catholic Church (baseada em Toronto) também realizam casamentos religiosos entre pessoas do mesmo sexo.

Existem muitas outras congregações que realizam bênçãos de uniões entre pessoas do mesmo sexo ou cerimonias de compromisso, mas de forma distinta do casamento.

A esmagadora maioria (acima de 97% nos Estados Unidos e 99% no mundo de acordo com um estudo de 2002) das denominações cristãs são oficialmente contra o casamento (civil ou religioso) entre pessoas do mesmo sexo. No entanto a posição individual de cada membro é substancialmente diferente e, por exemplo, apenas 55% dos católicos no Estados Unidos são efetivamente contra o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo segundo um estudo de 2003, no entanto apenas um número reduzido de estados reconhece legalmente esta situação no país.

História do casamento religioso na Europa

Fidelidade e adultério.

Embora as regras do Direito Romano não digam respeito ao casamento religioso, no direito romano e nos primeiros tempos medievais o casamento é visto como uma forma de transmissão entre homens de direitos sobre propriedade e bens, incluindo nestes "bens" as mulheres. Esta visão era confirmada pelas punições por adultério: a mulher adúltera deveria ser executada por ter cometido um pecado, o homem adúltero deveria pagar à mulher uma indenização por ter violado os seus direitos de propriedade, a lei Iulia de adulteris (promulgada por Augusto) punia o adultério com a relegação e admitia morte da adúltera e do comparsa pelo pai daquela, quando colhidos em flagrante. Donde se pode concluir que o adultério em todas as suas formas já era tido por ato condenável.

Porém, muito antes mesmo do Direito Romano a cultura judaica, esta sim do ponto de vista estritamente religioso, já prestigiava a fidelidade matrimonial e condenava o adultério. Nos Dez Mandamentos os comandos "Não desejarás a mulher do próximo" e "Não pecarás contra a castidade" sintetizavam toda uma cultura voltada no sentido da fidelidade matrimonial e condenatória do adultério. Esta cultura foi incorporada no cristianismo e influiu fortemente na cultura judaico-cristã do Ocidente até os tempos modernos.

Segundo algumas opiniões o casamento no Direito Romano não teria sido visto como uma união para toda a vida entre um homem e uma mulher, sendo comum na história sucessivos casamentos, mas estudos e fontes consagradas têm revelados fatos não exatamente desta forma: No Direito Romano são encontradas duas definições de casamento no Corpus Iuris Civilis. A primeira é atribuída a Modestino: "As núpcias são a união do homem e da mulher, o consórcio de toda a vida, a comunicação do direito divino e humano.", outra definição é a constante das Institutas em que é dito que as núpcias ou ''matrimônio, são a união do homem e da mulher, a qual encerra comunhão indivisível de vida."

Segundo algumas opiniões, em determinada época não precisada do início do cristianismo um homem que tivesse várias mulheres como amantes não teria problemas com a Igreja Católica da altura. Porém, além da fidelidade matrimonial ser mandato dos evangelhos e já constar dos Dez Mandamentos de tempos milenares da cultura judaica, foi a fidelidade matrimonial incorporada na religiosidade cristã desde o primeiro momento da sua doutrina. Desde os primórdios do cristianismo já se observava a regra da fidelidade no matrimônio, de fato a "Didaché", primeiro documento utilizado na catequese cristã já dizia:

"E este é o segundo mandamento do ensinamento. Não matarás e não cometerás adultério, não serás corruptor de rapazes e não fornicarás, não roubarás, não terás tratos com a magia, nem farás feitiçarias, não matarás a uma criança com um aborto, nem matarás ao que nasceu (...)"

O cristianismo introduziu a igualdade - que era negada pelos romanos - no matrimônio entre homem e mulher, segundo a Epístola de São Paulo, apóstolo (1 Cor. 7,3): "Que a mulher dê ao marido o que lhe deve, e o marido outro tanto (similiter) à mulher. Não é a mulher que tem direito ao seu corpo, mas o marido; e igualmente (similiter) não é o marido que pode dispor do seu corpo, mas a mulher." e ainda: "Seja como for, ame também cada um de vós sua mulher como a si próprio; e a mulher que respeite o marido" (Ef. 5,33). Também São Jerônimo (Epístola 87) no século IV dizia: "O que está proibido às mulheres está igualmente proibido aos homens."

Presença do sacerdote.

Embora, para a Igreja Católica a presença do sacerdote seja a regra, esta comporta certas exceções, mas desde tempo antigos como no direito anglo-saxão cristão ficou estabelecido: "Nas núpcias, haverá sempre, por lei, um sacerdote, que, com a benção de Deus, unirá sua união a toda prosperidade.

Carlos Magno, por sua vez, também deixou estabelecido que nunca se deveria celebrar o matrimônio sem a presença do sacerdote inclusive chegou a afirmar que um matrimônio que não contasse com a benção do sacerdote deveria ser declarado inválido, esta posição não foi apoiada inteiramente pela Santa Sé. No Concílio de Trento (1545-1563) foi determinado que o casamento católico só seria válido quando celebrado por um padre e com duas testemunhas, como regra geral, admitidas as exceções previstas no direito eclesiástico.

Celibato clerical.

Segundo Concílio de Latrão em 1139 proibiu as mulheres e amantes dos padres e bispos embora o celibato dos clérigos já fosse uma prática comum, mas alguns o sustentam que por "outras razões".

Sacramento.

Na opinião de algumas pessoas só no século XII (mais precisamente em 1139) é que o casamento seria instituído como "sacramento"  pela Igreja Católica, mas São Paulo já o chamava de Sacramentum magnum (Ef. 5,28-32) no século I e como sacramento foi tratado nos evangelhos e por todos os Padres da Igreja desde os primeiros séculos do cristianismo como sendo uma vocação que é um "dom de Deus" (1 Cor. 7,7).Além de São João Crisóstomo há o ensinamento de Santo Agostinho de Hipona nas suas obras “De bono conjugii” e “De nuptiis et concupiscentia”. Na primeira obra (cap. xxiv em P.L., XL, 394), diz:

"Entre todos os povos e todos os homens o bem que se garante pelo matrimônio consiste na descendência e na casatidade da fidelidade dos casados; mas, no caso do povo de Deus (os cristãos), consiste ademais na santidade do sacramento, por cuja razão se proíbe, inclusive depois da separação, casar-se com outro enquanto viva o primeiro cônjuge."

Igualmente se tem Santo Ambrósio e Tertuliano, dentre outros, mas de igual peso se têm as antigas orações litúrgicas e neste ponto estão de acordo os Nestorianos, MonofisitasCoptas e Jacobitas, por exemplo.

Fins do Matrimônio.

Segundo alguns a união emocional entre os nubentes foi reconhecida pela Igreja Católica apenas em 1930 com a encíclica Casti Connubii, mesmo assim como "um efeito secundário", no Código Canônico de 1917 o matrimônio era ainda visto em primeiro lugar como uma forma de garantir a "procriação" e em segundo lugar para ajuda mútua e "evitar a promiscuidade" como ocorre no atual código canônico. Na verdade a expressão "união emocional" nunca foi usada em nenhum documento da Igreja relativo ao matrimônio, com efeito está dito na encíclica "Casti Connubii" de Pio XI:

"12. Entre os benefícios do matrimônio ocupa, portanto, o primeiro lugar a prole. Em verdade, o próprio Criador do gênero humano, o qual, em sua bondade, quis servir-se do ministério dos homens para a propagação da vida, nos deu este ensino quando, no paraíso terrestre, instituindo o matrimônio, disse aos nossos primeiros pais e, neles, a todos os futuros esposos: “crescei a multiplicai-vos e enchei a terra”. (Gen 1, 28). Esta mesma verdade a deduz brilhantemente Santo Agostinho das palavras do Apóstolo S. Paulo a Timóteo (1 Tim 5, 14), dizendo: “que a procriação dos filhos seja a razão do matrimônio o Apóstolo o testemunha nestes termos: eu quero que as jovens se casem. E, como se lhe dissessem: mas por quê?, logo acrescenta: para procriarem filhos, para serem mães de família”. (S. Agost. De bono conj. cap. XXIV, n. 32)."14

Em 29 de Outubro de 1951 o Papa Pio XII sugere na sua Carta que os casados podem tomar a decisão moral de serem sexualmente activos mas de forma a evitarem a procriação desde que não utilizem contracepção "artificial" e apenas em situações em que tal seja justificável. Qualquer forma de esterilização e interrupção voluntária da gravidez são consideradas inaceitáveis:

"Pode-se ser dispensado dessa prestação positiva obrigatória, mesmo por muito tempo e até pela duração inteira do casamento, por motivos sérios como aqueles que não são raros achar no que se chama «indicação» médica, eugênica, econômica e social. De onde se segue que a observância das épocas infecundas pode ser lícita sob o aspecto moral, nas condições realmente indicadas. Entretanto, se não há, à luz de um julgamento razoável e justo, condições semelhantes, quer pessoais quer decorrentes de circunstâncias exteriores, a vontade de evitar habitualmente a fecundidade da união, mas continuando a satisfazer plenamente sua sensualidade, só pode vir de uma falsa apreciação da vida e de motivos estranhos às regras da sã moral»" (Discurso de Pio XII, às mulheres parteiras, em 29 de outubro de 1951).

Em 1965 o Papa Paulo VI na sua encíclica Humanae Vitae reafirma que qualquer forma de contracepção por meios artificiais é "uma desordem intrínsica" aceitando no entanto que podem utilizar a contracepção "natural" se existirem 'motivos sérios para distanciar os nascimentos':

16. (...) Se, portanto, existem motivos sérios para distanciar os nascimentos, que derivem ou das condições físicas ou psicológicas dos cônjuges, ou de circunstâncias exteriores, a Igreja ensina que então é lícito ter em conta os ritmos naturais imanentes às funções geradoras, para usar do matrimônio só nos períodos infecundos e, deste modo, regular a natalidade, sem ofender os princípios morais que acabamos de recordar.

 

Castidade

 

Castidade refere-se à abstinência de relações sexuais; é a qualidade de ser casto, perante normas sociais, religiosas ou pessoais. Nas religiões abraâmicas, a castidade é uma das regras para manter-se ao lado de Deus. Nas religiões e crenças orientais, como o budismo, a castidade é vista como o caminho para atingir a libertação ou iluminação dos sofrimentos e decepções humanas.

Etimologia

A palavra 'castidade' vem da palavra 'casto', que por vez vem do latim castus, que significa puro.

Em religiões abraâmicas

Catolicismo

Para a igreja católica, a castidade antes do casamento é uma forma de conhecer o parceiro. A Igreja aceita que o desejo pelo prazer sexual faz parte da natureza humana, mas que a felicidade e o prazer não são sinônimos. O prazer poderia transformar o parceiro sexual em um meio, em um ato egoísta, enquanto o verdadeiro conhecimento do parceiro (amor) poderia estar sendo camuflado.

Sendo a virtude que modera o prazer vinculado à propagação da espécie, a castidade recebe também a denominação de Santa Pureza porque se crê ser impossível vivê-la sem a ajuda do Espírito Santo: a pureza cristã é “pureza santa”, um dom do Espírito Santo. Nesse sentido, ensinava o Papa João Paulo II que a pureza “é a glória de Deus no corpo humano” (cf. Audiência, 18/3/1981). Em termos negativos, consiste na “energia espiritual que liberta o amor do egoísmo e da agressividade”.

Em relação à sexualidade, a Igreja Católica convida todos os seus fiéis a viverem na castidade, que é uma "virtude moral e um dom de Deus" que permite a "integração positiva da sexualidade na pessoa". Esta integração tem por objectivo tornar possível "a unidade interior do homem no seu ser corporal e espiritual", supondo por isso de "uma aprendizagem do domínio de si, que é uma pedagogia da liberdade humana. A alternativa é clara: ou o homem comanda as suas paixões e alcança a paz, ou se deixa dominar por elas e torna-se infeliz". "A virtude da castidade gira na órbita da virtude cardinal da temperança".

Logo, "todo o baptizado é chamado à castidade" porque a sexualidade só se "torna pessoal e verdadeiramente humana quando integrada na relação de pessoa a pessoa, no dom mútuo total e temporalmente ilimitado, do homem e da mulher", ambos unidos pelo sacramento do Matrimônio (que é indissolúvel). Por isso, os actos sexuais só podem "ter lugar exclusivamente no Matrimônio; fora dele constituem sempre um pecado grave". Por estas razões, o sexo pré-marital, a pedofilia, "adultério, a masturbação, a fornicação, a pornografia, a prostituição, o estupro" e os actos sexuais entre homossexuais são condenados pela Igreja como sendo "expressões do vício da luxúria".

O verdadeiro amor conjugal e matrimonial, onde a relação sexual é vivida dignamente, só é possível graças à castidade conjugal. Esta virtude permite uma vivência conjugal perfeita assente na fidelidade e na fecundidade matrimoniais, onde o Amor é vivido plenamente como uma comunhão de "dádiva mútua do eu, […] de afirmação mútua da dignidade de cada parceiro" e um "encontro de duas liberdades em entrega e receptividade mútuas".  Na vivência deste amor, a sexualidade (e o sexo) torna-se "humana e totalmente humanizada", tornando-se também na grande expressão deste amor recíproco, onde o homem e a mulher se unem e se complementam.

Para além da castidade conjugal (que não implica a abstinência sexual dos casados), existem ainda diversos regimes de castidade: a virgindade ou o celibato consagrado (para os religiosos, as pessoas consagradas, os clérigos, etc.), e "a castidade na continência" ou abstinência (para os não casados).

Os regimes da castidade

Todo cristão é chamado à castidade. O cristão se há "revestido de Cristo" (Ga 3, 27), modelo de toda castidade. Todos os fiéis cristãos são chamados a uma vida casta segundo o seu estado de vida particular. No momento do seu Batismo, o cristão se compromete a dirigir a sua afetividade na castidade.

Existem tres formas da virtude da castidade: a dos esposos, a das viúvas e a da virgindade. As relações sexuais somente serão castas dentro do matrimônio.

Castidade conjugal

Para os casados significa fidelidade ao cônjuge e aos compromissos assumidos no matrimônio. Para o casado significa, também — mas não só — manter-se fiel ao matrimônio. Até porque o conceito de fidelidade é, per se, muitíssimo mais abrangente do que o concebe a compreensão ordinária (popular, vulgar).

Fidelidade é um atributo elevado, primeiramente da pessoa para consigo mesma, interior, de tal modo que "se alguém é fiel a outrem, certamente o é pelo fato de primeiramente o ser em seu íntimo. Pode-se mesmo fazer a seguinte inferência: quem é fiel (lato sensu) é casto e vice-versa.

Os esposos cristãos têm sempre presente que, segundo a doutrina de São Paulo, o matrimônio cristão é símbolo da união existente entre Cristo e a sua Igreja. O primeiro efeito deste amor é a união indissolúvel de corações, e por conseguinte, a inviolabilidade da fidelidade de um ao outro.

Os esposos devem respeitar a santidade do leito conjugal com a pureza de suas intenções e a honestidade de seu trato. Devem cumprir fiel e sinceramente o dever conjugal, pois tudo o que serve para a transmissão da vida é, não só lícito, como louvável, mas qualquer ato que se opuser a este fim primeiro constitui pecado grave.

Continência

Para os solteiros que aspirem ao matrimônio requer abstenção absoluta (continência) até o casamento, significa portanto abstinência. Para o solteiro, castidade, pela sua abrangência conceitual, tem, também — e compreensivelmente — o sentido de manter-se virgem (casto, puro), até o casamento, como se o entenda na cultura onde vive.

A castidade oferece no cristianismo uma preparação espiritual para o sacerdócio, o matrimônio, a vida religiosa ou o celibato. O voto de castidade total é considerado obrigatório para os ministros consagrados (sacerdotes e bispos, assim como para as distintas ordens religiosas, tanto masculinas como femininas. Não obstante este voto absoluto não é requerido em outras igrejas cristãs como a protestante.

Segundo a moral cristã a castidade purifica o amor e o eleva, é a melhor forma de compreender e sobretudo de valorizar o amor.

Fidelidade é amor e respeito ao próximo e a Deus, é ser sincero aos seus compromissos e escolhas, é abnegação aos desejos da carne, a cobição pelo proximo e ao alheio. Ser fiel é ter compromisso, e não apenas envolver se.

Virtudes auxiliares da castidade

·       pudor, que protege a intimidade e consiste na vergonha nascida do temor de realizar um ato indecoroso ou indigno. É uma espécie de sentinela de defesa da castidade.

  • humildade, que faz desconfiar de si mesmo e confiar em Deus e fugir das ocasiões que põem em perigo a castidade.
  • mortificação que disciplina o amor ao deleite desordenado e ataca o mal pela raíz. A prática da sobriedade e às vezes do jejum ou de alguma penitência exterior.
  • laboriosidade, diligência e aplicação nos estudos e no cumprimento das próprias obrigações, que previne os males e perigos decorrentes da ociosidade.
  • caridade, ou seja o amor de Deus, que, enchendo o coração o desocupa de afetos desordenados (Deus caritas est).
  • piedade, virtude que leva à devoção e à oração. Os católicos costumam ainda cultivar a devoção à Virgem Maria como protetora da virtude da castidade que também a denominam de "santa pureza".
  • Dentro da moral cristã são consideradas ofensas graves contra a virtude da castidade:
  • luxúria, que constitui uma busca desordenada do prazer venéreo, uma vez que é buscado exclusivamente por si mesmo.
  • masturbação que é considerado um ato anti natura.
  • fornicação, vista como relações sexuais fora do matrimônio e as relações pré-matrimoniais..
  • homossexualidade, é considerada contraria à lei natural, fecha o ato sexual ao dom da vida.
  • pornografia, segundo a moral cristã "desnaturaliza a finalidade do ato sexual".
  • prostituição
  • violação
  • incesto, são as principais ofensas contra a virtude da castidade.

As ofensas contra a castidade

Os santos e a castidade

Todos os santos, notadamente, os reconhecidos pela Igreja Católica, leigos ou religiosos, de alguma forma sempre fizeram a apologia da castidade, desde os primórdios do cristianismo até os dias atuais. São Josemaria Escrivá, canonizado no último decênio do século XX, por exemplo, deixou escrito sobre a castidade:

Que bela é a santa pureza! Mas não é santa nem agradável a Deus, se a separamos da caridade. A caridade é a semente que crescerá e dará frutos saborosíssimos com a rega que é a pureza. Sem caridade, a pureza é infecunda, e as suas águas estéreis convertem as almas num lamaçal, num charco imundo, donde saem baforadas de soberba. 

caridade teologal surge-nos, sem dúvida, como a mais alta das virtudes. Mas a castidade é o meio "sine qua non", uma condição imprescindível para se atingir o diálogo íntimo com Deus. E quando não é observada, quando não se luta, acaba-se cego; não se vê nada, porque o homem animal não pode perceber as coisas que são do Espírito de Deus.

Nós queremos olhar com olhos limpos, animados pela pregação do Mestre: "Bem-aventurados os que têm o coração puro, porque verão a Deus." A Igreja apresentou sempre estas palavras como um convite à castidade. Guardam um coração sadio, escreve São João Crisóstomo, "os que possuem uma consciência completamente limpa ou os que amam a castidade." Nenhuma virtude é tão necessária como esta para ver a Deus.

 

Celibato

 

celibato (do latim cælibatus, estado daquele que não é casado ou que é célibe é, na sua definição literal, o estado de uma pessoa que se mantém solteira, sem obrigação de manter a virgindade, podendo ter relações sexuais. No entanto, o termo é popularmente usado para descrever uma pessoa que escolhe abster-se de atividades sexuais.

Motivações

do latim cælibatus "sem estar casado", em oposição a coniugalem, conjugal, com jugo, espécie de forca por baixo da qual desfilavam (perante os Romanos) os inimigos vencidos.

  • Crenças religiosas - celibato clerical;
  • Para concentrar-se em outras questões, como carreira profissional;
  • Falta de apetite sexual
  • Celibato involuntário - uma pessoa que devido à sua solidão e isolamento social mantenha involuntariamente um celibato, contra sua vontade;
  • Como uma tentativa de obter um senso de identidade e independência dos outros;
  • Por problemas de saúde - celibato médico;
  • Evitar os riscos de contaminação por doenças sexualmente transmissíveis;
  • Evitar se decepcionar emocionalmente;
  • Como um meio de controle de natalidade;
  • Autoflagelação;
  • Disfunção erétil.

Cristianismo

O Celibato é visto de forma diferente por diferentes grupos cristãos. A Bíblia ensina que o celibato é um estado de honra. O apóstolo Paulo escreve em 1 Coríntios 7, "É bom para um homem não ter relações sexuais com uma mulher." Mas, devido à tentação de imoralidade sexual, cada homem deve ter a sua própria mulher e cada mulher seu próprio marido." (versículos 1-2); "Eu desejo que todos sejam como eu sou. Mas cada um tem o seu próprio dom de Deus, um de uma espécie e uma de outro. Para os solteiros e as viúvas digo que é bom para eles permanecer como eu sou. Mas se eles não podem exercer auto-controle, devem casar. Por isso é melhor casar do que queimar com paixão." (versículos 7-9); "Quero que você seja livre de medos. Solteiro o homem está preocupado com as coisas do Senhor, a forma de agradar ao Senhor. Porém, o homem casado está preocupado com as coisas mundanas, como agradar à sua esposa, e seus interesses estão divididos. E a mulher solteira está preocupada com as coisas do Senhor, como ser santa no corpo e espírito. Mas a mulher casada está preocupada com as coisas mundanas, como para agradar o marido. Digo isto para seu próprio benefício, para não estabelecer qualquer restrição sobre você, mas para promover a boa ordem e para garantir o seu indiviso devoção ao Senhor." (versículos 32-35).

Perspectiva católica

Para a Igreja Católica Romana, a castidade antes do casamento é uma forma de conhecer o parceiro. A Igreja aceita que o desejo pelo prazer sexual faz parte da natureza humana, mas que a felicidade e o prazer não são sinônimos. O prazer poderia transformar o parceiro sexual em um meio, em um ato egoísta, enquanto o verdadeiro conhecimento do parceiro (amor) poderia estar sendo camuflado.

Embora no passado fosse aceite o matrimônio de padres ordenados (tendo incluso São Paulo recomendado a fidelidade matrimonial aos bispos), na atualidade, exceptuando em casos referentes aos diáconos e a padres ordenados pelas Igrejas orientais católicas e pelos ordinariatos pessoais para anglicanos, todo o clero católico latino é obrigado a observar e cumprir o celibato. Nas Igrejas orientais, o celibato é apenas obrigatório para os bispos, que são escolhidos entre os sacerdotes celibatários.

O celibato acabou por se impôr no Ocidente: o Código de Direito Canonico impõe o celibato a todos os sacerdotes da Igreja Latina (em 1123). Porém, há várias exceções de sacerdotes casados na Igreja Latina, houve alguns papas casados (Adriano IIHonório IV), bispos casados (nas diocese da Islândia até à Reforma protestante; o bispo Salomão Barbosa Ferraz no Brasil) e vários padres casados ordenados nos Estados Unidos, Canadá, Austrália, Reino Unido e Escandinávia, sob autorização especial.

A Igreja Católica de rito latino, sinteticamente, dá as seguintes principais razões de ordem teológica para o celibato dos sacerdotes e religiosos de vida consagrada:

  • com o celibato os sacerdotes entregariam-se de modo mais excelente a Cristo, unindo-se a Ele com o coração indiviso;
  • o celibato facilita ao sacerdote a participação no amor de Cristo pela humanidade uma que vez que Ele não teve outro vínculo nupcial a não ser o que contraiu com a sua Igreja;
  • com o celibato os clérigos dedicariam-se com maior disponibilidade ao serviço dos outros homens;
  • a pessoa e a vida do sacerdote são possessão da Igreja, que faz as vezes de Cristo, seu esposo;
  • o celibato dispõe o sacerdote pare receber e exercer com generosidade a paternidade que pertence a Cristo.

História

A recomendação de celibato clerical na igreja latina possui sua primeira menção pelo Concílio de Elvira (295-302), mas, como este concílio era apenas um concílio provincial espanhol (Elvira era uma cidade romana, junto a Granada), as suas decisões não foram cumpridas por toda a Igreja cristã. O Primeiro Concílio de Niceia(323) decretou apenas que "todos os membros do clero estão proibidos de morar com qualquer mulher, com excepção da mãe, irmã ou tia" (III cânon). Apesar disso, no final do século IV, a Igreja Latina promulgou várias leis a favor do celibato, que foram geralmente bem aceites no Ocidente no pontificado de São Leão Magno (440-461). Aliás, o Concílio de Calcedónia (451) proibiu o casamento de monges e virgens consagradas (XVI cânon), impondo por isso o celibato ao clero regular.

Porém, apesar disso, houve vários avanços e recuos na aplicação desta prática eclesiástica, nomeadamente entre o clero secular, chegando até mesmo a haver alguns Papas casados, como por exemplo o Papa Adriano II (867-872). No século XI, vários Papas, especialmente Leão IX (1049-1054) e Gregório VII (1073-1085), esforçaram-se novamente por aplicar com maior rigor as leis do celibato, devido à crescente degradação moral do clero, causada em parte pela confusão instaurada pelo desmembramento do Império Carolíngio. Naquele período, houve padres e bispos que chegaram a mostrar publicamente que tinham esposas ou concubinas. Segundo fontes históricas, durante o Concílio de Constança (1414-1418), 700 prostitutas atenderam sexualmente os participantes.

Por fim, o Primeiro Concílio de Latrão (1123) e o Segundo Concílio de Latrão (1139) condenaram e invalidaram o concubinato e os casamentos de clérigos, reforçando assim o celibato clerical, que já era na altura uma prática frequente e aceite pela maioria como necessária. O celibato é defendido porque os celibatários eram mais livres e disponíveis, daí que, com o tempo, o clero regular se foi destacando em relação ao clero secular.

O celibato clerical voltou ainda a ser defendido em força pelo Quarto Concílio de Latrão (1215) e pelo Concílio de Trento (1545-1563), que impôs definitivamente o celibato obrigatório a todo o clero da Igreja Latina, incluindo o clero secular.

Magistério da Igreja Católica

Verifica-se pelos documentos da Igreja que há de sua parte uma vontade decidida de manter esta praxis antiqüíssimaPio XII abordou o tema na encíclica Sacra virginitas. Em 1965 dois documentos do Concílio Vaticano II trataram do tema do celibato sacerdotal: Presbyterorum ordinis, n. 16 e Optatam totius, n. 10.

Sobre este tema o Papa Paulo VI, em 24 de junho de 1967, editou uma encíclica denominada Sacerdotalis Caelibatus, sobre o celibato sacerdotal, neste documento lembra a apologia que os Padres Orientais fizeram da virgindade: Ainda hoje faz eco no nosso coração, por exemplo, a voz de São Gregório Nisseno, quando nos recorda que "a vida virginal é a imagem da felicidade que nos espera no mundo que há de vir".

Em 1971, o II Sínodo dos Bispos preparou um novo documento no mesmo sentido, depois aprovado pelo Papa Paulo VI, denominado De sacerdotio ministeriali, de 30 de novembro.

Também João Paulo II afirma: Fruto de equívoco — se não mesmo de má fé — é a opinião, com frequência difundida, de que o celibato sacerdotal na Igreja Católica é apenas uma instituição imposta por lei àqueles que recebem o sacramento da Ordem. Ora todos sabemos que não é assim. Todo o cristão que recebe o sacramento da Ordem compromete-se ao celibato com plena consciência e liberdade, depois de preparação de vários anos, profunda reflexão e assídua oração. Toma essa decisão de vida em celibato, só depois de ter chegado à firme convicção de que Cristo lhe concede esse «dom», para bem da Igreja e para serviço dos outros. Só então se compromete a observá-lo por toda a vida. (Carta Novo incipiente a todos os sacerdotes da Igreja na Quinta-feira Santa -8 de abril de 1979).

Bento XVI, recentemente, em Mariazell, disse: Para comprender bem o que significa a castidade devemos partir do seu conteúdo positivo, explicando que a missão de Cristo o levava a um dedicação pura e total para com os seres humanos. Nas Sagradas Escrituras não há nenhum momento de sua existência donde em seu comportamento com as pessoas se vislumbre pegadas de interesse pessoal. (…) Os sacerdotes, religiosos e religiosas, (…) com o voto de castidade no celibato, não se consagram ao individualismo ou a uma vida isolada, mas sim prometem solemente por totalmente e sem reservas ao serviço do Reino de Deus as relações intensas das quais são capazes. (Da homilia na Basílica de MariazellÁustria8 de setembro de 2007).

Segundo a revista La Civiltà Cattolica, desde o Concílio Vaticano II (1962-65) perto de 60 mil padres deixaram a Igreja.

Perspectiva islâmica

Islão não promove o celibato, pelo contrário, promove o casamento. De fato, de acordo com o Islão o casamento é um forma que permite à pessoa chegar ao mais elevado nível de justiça espiritual e sagrado.

Houve incidentes em que pessoas indagaram ao Profeta Maomé que eles preferiam viver em oração, celibato e jejum para alcançar o amor de Deus. No entanto, Maomé disse-lhes que, apesar desta escolha ser boa, é também uma bênção levantar uma família. Porém o Islão respeita aqueles que escolhem conduzir a sua vida dessa maneira.

 

Família

 

família é unidade básica da sociedade formada por indivíduos com ancestrais em comum ou ligados por laços afetivos.

Parentes

Grau

Porcentagem de Sobreposição Genética

Pais/Filhos Pai: José Luís de Melo

             Mãe: Adelina Nobre

Primeiro

50%

Irmãos António Nobre de Melo 1881-1963; Luís; Bruno; Francisca; Teresa e Adelina Nobre de Melo.

Primeiro

50%

Gêmeos Idênticos

Primeiro

100%

Meio-Irmãos

Segundo

25%

Avós/Netos

Segundo

25%

Tios/Sobrinhos

Segundo

25%

Primos

Segundo

25%

Meio-Tios/Meio-Sobrinhos

Terceiro

12,5%

Bisavós/Bisnetos

Terceiro

12,5%

Trisavós/Trisnetos

Quarto

6,2%

Primos (2º Grau)

Quinto

3,1%

Etimologia

Latim famulus = que serve, lugar em função de. Latim faama = casa Latim famulo = do verbo facere, a indicar que faz, que serve.

Uma família tradicional é normalmente formada por um homem e uma mulher, unidos por matrimônio ou união de fato; os filhos que vierem a existir compõem uma família nuclear ou elementar.

A família representa um grupo social primário que influencia e é influenciado por outras pessoas e instituições. É um grupo de pessoas, ou um número de grupos domésticos ligados por descendência (demonstrada ou estipulada) a partir de um ancestral comum, matrimonio ou adoção. Nesse sentido o termo confunde-se com clã. Dentro de uma família existe sempre algum grau de parentesco. Membros de uma família costumam compartilhar do mesmo sobrenome, herdado dos ascendentes diretos. A família é unida por múltiplos laços capazes de manter os membros moralmente, materialmente e reciprocamente durante uma vida e durante as gerações.

Família substituta é aquela nascida dos institutos jurídicos da guardatutela e adoção. É uma situação excepcional, podendo ser a adoção, que é definitiva ou guarda e tutela que são transitórias.

No interior da família, os indivíduos podem constituir subsistemas, formados pela geraçãosexo, interesse e função, havendo diferentes níveis de poder, e onde os comportamentos de um membro afetam e influenciam os outros membros. A família como unidade social, enfrenta uma série de tarefas de desenvolvimento, diferindo a nível dos parâmetros culturais, mas possuindo as mesmas raízes universais (MINUCHIN,1990).

Alberto Eiguer, psicanalista francês, em seus livros “Um Divã para a Família” e "O Parentesco Fantasmático" estabelece alguns “organizadores” que orientam a escolha de parceiro. Para ele, os casamentos e, por extensão, a família, se estruturam por mecanismos inconscientes ligados às primeiras experiências de vinculação.

Para Eiguer, são três organizadores: 1) Escolha de objeto; 2) as vivências do “eu familiar” e sentimentos de pertença”; 3) o romance familiar, vivido na primeira infância, representando uma imagem idealizada dos pais.

Quanto ao primeiro item - “escolha de objeto” - haveria três modelos:

1. Escolha objetal anaclítica, ou assimétrica: o homem ou a mulher buscam um parceiro que lhes forneça amparo e apoio (mãe ou pai da infância). É uma escolha alimentada pela pulsão de conservação e visa, antes de tudo, dominar a angústia de perda das figuras parentais. Haveria uma identificação mútua na perda e cada um idealiza o outro. De alguma forma, o casal se julga sabedor de como um deve sanar a falta do outro. Dois caminhos se oferecem:

a) defensivo: quando o homem escolhe uma mulher que é o oposto ao pai e vice versa; b) regressivo: quando se identifica, no parceiro, um sucedâneo da figura parental de identificação.

2. Escolha objetal narcisista, ou simétrica: Neste caso, a pessoa se liga a um parceiro que se assemelha: a) ao que se é; b) ao que se foi; c) ao que gostaria de ser; d) ao que possui uma parte do que se foi.

O vínculo se estabelece a partir de uma ideia de poder, orgulho, onipotência e ambição. Por exemplo: o parceiro seria alguém que seja difícil, a fim de se comparar com ele em força e em capacidade manipuladora. Há um jogo sadomasoquista na relação. Exemplo: uma pessoa, muito fechada, tímida e insegura se sente atraída pelo parceiro arrogante e sociável. É provável que uma das partes acabe desprezando a outra.

3. Escolha objetal edípica, ou dissimétrica: trata-se de uma escolha regida pela identificação madura e adulta ao pai do mesmo sexo.

alguns exemplos: a) um rapaz se casa com uma mulher que, de alguma forma, representa a mãe dele; b) casais que procuram o significado de sua relação amorosa, de interação homem-mulher, baseados nas vivências satisfatórias em suas famílias de origem.

As afirmações de Alberto Eiguer se basearam em pesquisas feitas durante anos, na França, com casais que procuraram terapia. As bases teóricas se fundamentam na teoria psicanalítica do Complexo de Édipo e sua resolução – teoria esta colocada em cheque por inúmeros autores. Afinal, Freud viveu na época vitoriana e tinha, por modelo, a família estruturada pelo pai, mãe e filhos. Esse tipo de família, por incrível que pareça, somente foi definido por Littré, em 1869 (há menos de duzentos anos).

Aliás, é bom lembrar que a palavra "família" deriva do verbete latino "famulus" = 'domésticos, servidores, escravos, séquito, comitiva, cortejo, casa, família'.

Estruturas familiares

A família assume uma estrutura característica. Por estrutura entende-se, “uma forma de organização ou disposição de um número de componentes que se inter-relacionam de maneira específica e recorrente” (WHALEY e WONG, 1989; p. 21). Deste modo, a estrutura familiar compõe-se de um conjunto de indivíduos com condições e em posições, socialmente reconhecidas, e com uma interação regular e recorrente também ela, socialmente aprovada. A família pode então, assumir uma estrutura nuclear ou conjugal, que consiste em duas pessoas adultas (tradicionalmente uma mulher e um homem, mas não necessariamente) e nos seus filhos, biológicos ou adotados, habitando num ambiente familiar comum. A estrutura nuclear tem uma grande capacidade de adaptação, reformulando a sua constituição, quando necessário.

Existem também famílias com uma estrutura de pais únicos ou monoparental, tratando-se de uma variação da estrutura nuclear tradicional devido a fenómenos sociais, como o divórcio, óbito, abandono de lar, ilegitimidade ou adopção de crianças por uma só pessoa.

família ampliada, alargada ou extensa (também dita consanguínea) é uma estrutura mais ampla, que consiste na família nuclear, mais os parentes directos ou colaterais, existindo uma extensão das relações entre pais e filhos para avós, pais e netos, tios e sobrinhos.

Para além destas estruturas, existem também as por vezes denominadas de famílias alternativas, estando entre estas as famílias comunitárias e as famílias arco-íris, as constituídas por pessoas LGBT - lésbicas, gays, bissexuais ou transgêneros - e os seus filhos.

As famílias comunitárias, ao contrário dos sistemas familiares tradicionais, onde a total responsabilidade pela criação e educação das crianças se cinge aos pais e à escola, nestas famílias, o papel dos pais é descentralizado, sendo as crianças da responsabilidade de todos os membros adultos.

Quanto ao tipo de relações pessoais que se apresentam numa família, LÉVI-STRAUSS (cit. por PINHEIRO, 1999), refere três tipos de relação. São elas, a de aliança (casal), a de filiação (pais e filhos) e a de consanguinidade (irmãos). É nesta relação de parentesco, de pessoas que se vinculam pelo casamento ou por uniões sexuais, que se geram os filhos.

Segundo ATKINSON e MURRAY (cit. por VARA, 1996), a família é um sistema social uno, composto por um grupo de indivíduos, cada um com um papel atribuído, e embora diferenciados, consubstanciam o funcionamento do sistema como um todo. O conceito de família, ao ser abordado, evoca obrigatoriamente, os conceitos de papéis e funções, como se têm vindo a verificar.

Em todas as famílias, independentemente da sociedade, cada membro ocupa determinada posição ou tem determinado estatuto, como por exemplo, marido, mulher, filho ou irmão, sendo orientados por papéis. Papéis estes, que não são mais do que, “as expectativas de comportamento, de obrigações e de direitos que estão associados a uma dada posição na família ou no grupo social” (DUVALL ; MILLER cit. por STANHOPE, 1999; p. 502).

Assim sendo, e começando pelos adultos na família, os seus papéis variam muito, tendo NYE (cit. por STANHOPE, 1999) considerado como característicos os seguintes: a “socialização da criança”, relacionado com as actividades contribuintes para o desenvolvimento das capacidades mentais e sociais da criança; os “cuidados às crianças”, tanto físicos como emocionais, perspectivando o seu desenvolvimento saudável; o “papel de suporte familiar”, que inclui a produção e/ ou obtenção de bens e serviços necessários à família; o “papel de encarregados dos assuntos domésticos”, onde estão incluídos os serviços domésticos, que visam o prazer e o conforto dos membros da família; o “papel de manutenção das relações familiares”, relacionado com a manutenção do contacto com parentes e implicando a ajuda em situações de crise; os “papéis sexuais”, relacionado com as relações sexuais entre ambos os parceiros; o “papel terapêutico”, que implica a ajuda e apoio emocional aquando dos problemas familiares; o “papel recreativo”, relacionado com o proporcionar divertimentos à família, visando o relaxamento e desenvolvimento pessoal.

Relativamente aos papéis dos irmãos, estes são promotores e receptores, em simultâneo, do processo de socialização na família, ajudando a estabelecer e manter as normas, promovendo o desenvolvimento da cultura familiar. “Contribuem para a formação da identidade uns dos outros servindo de defensores e protetores, interpretando o mundo exterior, ensinando os outros sobre equidade, formando alianças, discutindo, negociando e ajustando mutuamente os comportamentos uns dos outros” (Idem; p. 502). Há a salientar, relativamente aos papéis atribuídos que, será ideal que exista alguma flexibilidade, assim como, a possibilidade de troca ocasional desses mesmos papéis, aquando, por exemplo, um dos membros não possa desempenhar o seu (SOARES, 2003).

Funções de família

Como os papéis, as funções estão igualmente implícitas nas famílias, como já foi referido. As famílias como agregações sociais, ao longo dos tempos, assumem ou renunciam funções de proteção e socialização dos seus membros, como resposta às necessidades da sociedade pertencente. Nesta perspectiva, as funções da família regem-se por dois objetivos, sendo um de nível interno, como a proteção psicossocial dos membros, e o outro de nível externo, como a acomodação a uma cultura e sua transmissão. A família deve então, responder às mudanças externas e internas de modo a atender às novas circunstâncias sem, no entanto, perder a continuidade, proporcionando sempre um esquema de referência para os seus membros (MINUCHIN, 1990). Existe consequentemente, uma dupla responsabilidade, isto é, a de dar resposta às necessidades quer dos seus membros, quer da sociedade (STANHOPE, 1999).

DUVALL e MILLER (cit. por Idem) identificaram como funções familiares, as seguintes: “geradora de afeto”, entre os membros da família; “proporcionadora de segurança e aceitação pessoal”, promovendo um desenvolvimento pessoal natural; “proporcionadora de satisfação e sentimento de utilidade”, através das atividades que satisfazem os membros da família; “asseguradora da continuidade das relações”, proporcionando relações duradouras entre os familiares; “proporcionadora de estabilidade e socialização”, assegurando a continuidade da cultura da sociedade correspondente; “impositora da autoridade e do sentimento do que é correcto”, relacionado com a aprendizagem das regras e normas, direitos e obrigações características das sociedades humanas. Para além destas funções, STANHOPE (1999) acrescenta ainda uma função relativa à saúde, na medida, em que a família protege a saúde dos seus membros, dando apoio e resposta às necessidades básicas em situações de doença. “A família, como uma unidade, desenvolve um sistema de valores, crenças e atitudes face à saúde e doença que são expressas e demonstradas através dos comportamentos de saúde-doença dos seus membros (estado de saúde da família)” (Idem; p. 503).

Para SERRA (1999), a família tem como função primordial a de protecção, tendo sobretudo, potencialidades para dar apoio emocional para a resolução de problemas e conflitos, podendo formar uma barreira defensiva contra agressões externas. FALLON [et al.] (cit. por Idem) reforça ainda que, a família ajuda a manter a saúde física e mental do indivíduo, por constituir o maior recurso natural para lidar com situações potenciadoras de stress associadas à vida na comunidade.

Relativamente à criança, a necessidade mais básica da mesma, remete-se para a figura materna, que a alimenta, protege e ensina, assim como cria um apego individual seguro, contribuindo para um bom desenvolvimento da família e consequentemente para um bom desenvolvimento da criança. A família é então, para a criança, um grupo significativo de pessoas, de apoio, como os pais, os pais adotivos, os tutores, os irmãos, entre outros. Assim, a criança assume um lugar relevante na unidade familiar, onde se sente segura. A nível do processo de socialização a família assume, igualmente, um papel muito importante, já que é ela que modela e programa o comportamento e o sentido de identidade da criança. Ao crescerem juntas, família e criança, promovem a acomodação da família às necessidades da criança, delimitando áreas de autonomia, que a criança experiencia como separação.

A família tem também, um papel essencial para com a criança, que é o da afetividade, tal como já foi referido. Para MCHAFFIE (cit. por PINHEIRO, 1999), a sua importância é primordial pois considera o alimento afectivo tão imprescindível, como os nutrientes orgânicos. “Sem o afecto de um adulto, o ser humano enquanto criança não desenvolve a sua capacidade de confiar e de se relacionar com o outro” (Idem; p. 30).

Deste modo, “(...) a família constitui o primeiro, o mais fundante e o mais importante grupo social de toda a pessoa, bem como o seu quadro de referência, estabelecido através das relações e identificações que a criança criou durante o desenvolvimento” (VARA, 1996; p. 8), tornando-a na matriz da identidade.

Conceito histórico de família

O termo “família” é derivado do latim “famulus”, que significa “escravo doméstico”. Este termo foi criado na Roma Antiga para designar um novo grupo social que surgiu entre as tribos latinas, ao serem introduzidas à agricultura e também escravidão legalizada.

No direito romano clássico a "família natural" cresce de importância - esta família é baseada no casamento e no vínculo de sangue. A família natural é o agrupamento constituído apenas dos cônjuges e de seus filhos. A família natural tem por base o casamento e as relações jurídicas dele resultantes, entre os cônjuges, e pais e filhos. Se nesta época predominava uma estrutura familiar patriarcal em que um vasto leque de pessoas se encontrava sob a autoridade do mesmo chefe, nos tempos medievais (Idade Média), as pessoas começaram a estar ligadas por vínculos matrimoniais, formando novas famílias. Dessas novas famílias fazia também parte a descendência gerada que, assim, tinha duas famílias, a paterna e a materna.

Com a Revolução Francesa surgiram os casamentos laicos no Ocidente e, com a Revolução Industrial, tornaram-se frequentes os movimentos migratórios para cidades maiores, construídas em redor dos complexos industriais. Estas mudanças demográficas originaram o estreitamento dos laços familiares e as pequenas famílias, num cenário similar ao que existe hoje em dia. As mulheres saem de casa, integrando a população ativa, e a educação dos filhos é partilhada com as escolas. Os idosos deixam também de poder contar com o apoio direto dos familiares nos moldes pré-Revoluções Francesa e Industrial, sendo entregues aos cuidados de instituições de assistência (cf. MOREIRA, 2001). Na altura, a família era definida como um “agregado doméstico (…) composto por pessoas unidas por vínculos de aliança, consanguinidade ou outros laços sociais, podendo ser restrita ou alargada” (MOREIRA, 2001, p. 22). Nesta definição, nota-se a ambiguidade motivada pela transição entre o período anterior às revoluções, representada pelas referências à família alargada, com a tendência reducionista que começava a instalar-se reflectida pelos vínculos de aliança matrimonial.

Na cultura ocidental, uma família é definida especificamente como um grupo de pessoas de mesmo sangue, ou unidas legalmente (como no casamento e na adoção). Muitos etnólogos argumentam que a noção de "sangue" como elemento de unificação familiar deve ser entendida metaforicamente; dizem que em muitas sociedades e culturas não-ocidentais a família é definida por outros conceitos que não "sangue". A família poderia assim se constituir de uma instituição normalizada por uma série de regulamentos de afiliação e aliança, aceites pelos membros. Alguns destes regulamentos envolvem: a exogamia, a endogamia, o incesto, a monogamia, a poligamia, e a poliandria.

A família vem-se transformando através dos tempos, acompanhando as mudanças religiosas, economicas e sócio-culturais do contexto em que se encontram inseridas. Esta é um espaço sócio-cultural que pode ser continuamente renovado e reconstruído; o conceito de próximo encontra-se realizado mais que em outro espaço social qualquer, e pode ser visto como um espaço político de natureza criativa e inspiradora sendo vital para qualquer circunstância a transmissão de valores socialmente aceites.

Assim, a família deverá ser encarada como um todo que integra contextos mais vastos como a comunidade em que se insere. De encontro a esta afirmação, [[JANOSIKe GREEN]], referem que a família é um “sistema de membros interdependentes que possuem dois atributos: comunidade dentro da família e interacção com outros membros” (STANHOPE, 1999, p. 492).

Engels, em seu livro Origem da família da propriedade privada e do estado, faz uma ligação da família com a produção material, utilizando-se do materialismo-histórico-dialético e relacionando a monogamia como "propriedade privada da mulher".

Através de uma análise de DNA, pesquisadores coordenados por Wolfgang Haak, da Universidade de Adelaide, na Austrália, identificaram quatro corpos como sendo uma mãe, um pai e seus dois filhos, de 8 ou 9 anos e 4 ou 5 anos. Com uma idade de 4600 anos a descoberta consiste no mais antigo registro genético molecular já identificado de uma família no mundo.

Família real

Outro tipo conhecido de estrutura familiar são as famílias reais. Denomina-se família real a relação estendida dos membros de um soberano, geralmente de um estado monárquico. Os membros das famílias reais recebem destaque e privilégio perante o círculo social de sua nação, sendo muitas vezes tidos como personalidades políticas destes. Uma das mais famosas famílias reais do mundo é a Família real britânica.

 


 

CLICK NA FOTO OU NO RESULTADO

DE IMAGEM E VEJA MUITO MAIS...

 

 

Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
3008 × 2000 - pt.wikipedia.org
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
4 dias atrás
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
2 dias atrás
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
2 dias atrás
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
5 dias atrás
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
5 dias atrás
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
5 dias atrás
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
5 dias atrás
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
1 dia atrás
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
3 dias atrás
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
3 dias atrás
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
4 dias atrás
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
11 horas atrás
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
4 dias atrás
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA
Resultado de imagem para IMAGENS DE CASAMENTO, BODA, CASTIDADE, CELIBATO E FAMÍLIA