DEUS NÃO É RELIGIÃO OU SEITA, POIS RELIGIÕES E SEITAS SÃO COISAS DOS HOMENS E MULHERES, COMO AS CRENDICES.

E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. João 8:32 - Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade. João 17:17 - Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim tem a vida eterna. João 6:47 - Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade. 2 Coríntios 13:8.


O AMOR DE DEUS PARA COM OS SERES HUMANOS, É ABSOLUTAMENTE INCONDICIONAL, POIS OS CRIOU A SUA IMAGEM E SEMELHANÇA EM ESPÍRITO, E NÃO PODE NEGAR-SE A SI PRÓPRIO.


www.palavra10.com, é o maior site de receitas culinárias do mundo. São aproximadamente 1.500.000 receitas culinárias, com fotos dos pratos  (alimentos preparados). Clicando nas fotos você verá as receitas e os modos de preparos, entre outras orientações e divulgações. Neste site você encontra orientações pessoais, que se tornam uma autoajuda necessária para os problemas pessoais diários. Confira tudo.

 COMPARTILHE O SITE www.palavra10.com COM SEUS AMIGOS E PARENTES.


 CRIAÇÃO DA RAÇA HUMANA RACIONAL
Existem dois períodos distintos e importantes na criação da vida humana. 1º Período: Antes da criação do homem racional (pré-história) e 2º Período após a criação do homem racional, este último citado na Bíblia, em Gênesis Capítulo 1º (criação dos espíritos do homem e da mulher), e Gênesis, Capítulo 2º (criação dos corpos do homem e da mulher). É muito grande a falta de entendimento dos Ciêntistas e dos Religiosos, tornado-os radicais.


 

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
PALAVRA10
O QUE VOCÊ ACHA DESTE SITE?
ÓTIMO
BOM
REGULAR
Ver Resultados

Rating: 2.9/5 (5468 votos)




ONLINE
10





Partilhe esta Página





 

 


A MAIOR MÁQUINA DE PRECISÃO DESTE PLANETA TERRA.
A MAIOR MÁQUINA DE PRECISÃO DESTE PLANETA TERRA.

A MAIOR MÁQUINA DE PRECISÃO

DESTE PLANETA

 

Tanto os criacionistas como os evolucionistas entendem que o Sistema Nervoso (Cérebro) do homem e da mulher, é um equipamento que faz parte dos respectivos corpos, funcionando em um habiente aquaso (70%), não provocando curto circuito em suas fiações, alertando sobre as operações inadequadas, como também a fome, o frio, o calor e etc., cujas baterias são carregadas com o repouso (sono). O combustível do referidos corpos são as plantas, carnes e frutos comestíveis e a água, sendo que existe um aparelho chamado digestivo, cujo processa todos os referidos combustíveis, aproveitando apenas os elementos que necessitam, expelindo as partes não necessárias.     

O Cérebro é comandado pelo espírito que lhe dá a vida, tanto do homem como da mulher, cujos espíritos foram criados por DEUS macho e fêmea, como consta do livro da verdade Capítulo de Gênesis, Versículos 26 e 27, e posteriormente criou os corpos do homem Capítulo 2, Versículos 7 e da mulher Versículos 21 e 22. Os evolucionistas não possuem espíritos, desta maneira se colocam contra os criacionistas.

O direito de evolução do homem e da mulher, não são superiores aos animais, por este motivo pergunto: qual a diferença entre o homem da evolução e o homem da criação?

 

Cérebro

 

 

cérebro é o principal órgão e centro do sistema nervoso em todos os animais vertebrados, e em muitos invertebrados. Alguns animais primitivos como os celenterados (água-viva e pólipo) e equinodermas (estrela-do-mar) possuem um sistemas nervoso descentralizado sem cérebro, enquanto as esponjas-do-mar não possuem sistema nervoso. Nos vertebrados o cérebro localiza-se na cabeça protegido pelo crânio, próximo aos aparatos sensoriais primários: visão, audiçãoequilíbriopaladar, e olfato.

Num senso estrito, cérebro é o conjunto das estruturas nervosas derivadas do prosencéfalo (diencéfalo e telencéfalo). Em linguagem corrente, este termo pode designar o encéfalo como um todo, o telencéfalo ou o córtex cerebral.

Os cérebros podem ser extremamente complexos. O cérebro humano contém cerca de 86 bilhões de neurônios, ligados por mais de 10.000 conexões sinápticas cada. Esses neurônios comunicam-se por meio de fibras protoplasmáticas chamadas axônio, que conduzem pulsos em sinais chamados potencial de ação para partes distantes do cérebro e do corpo e as encaminham para serem recebidas por células específicas.

De um ponto de vista filosófico, pode-se dizer que a função mais importante do cérebro é servir como estrutura física subjacente da mente. Do ponto de vista biológico, entretanto, a função mais importante do cérebro é a de gerador de comportamentos que promovam o bem-estar de um animal. O cérebro controla o comportamento, seja ativando músculos, seja causando a secreção de substâncias químicas, como os hormônios.

Nem todos os comportamentos precisam de um cérebro. Mesmo organismos unicelulares são capazes de extrair informação do ambiente e responderem de acordo. As esponjas, às quais falta um sistema nervoso central, são capazes de coordenar suas contrações corporais, e até mesmo de se locomoverem. Nos vertebrados, a própria coluna vertebral contém circuitos neurais capazes de gerar respostas reflexas, assim como padrões motores simples, como nadar ou andar. Entretanto, o controle sofisticado do comportamento, baseado em um sistema sensorial complexo requer a capacidade de integração de informações de um cérebro centralizado.

Apesar do rápido avanço científico, muito do funcionamento do cérebro continua um mistério. As operações individuais de neurônios e sinapses hoje são compreendidas com detalhamento considerável, mas o modo como eles cooperam em grupos de milhares ou milhões tem sido difícil de decifrar. Métodos de observação como registros de EEG e imageamento funcional cerebral mostram que as operações cerebrais são altamente organizadas, mas estes métodos não têm resolução suficiente para revelar a atividade de neurônios individualmente. Assim, mesmo os princípios mais fundamentais das redes de computação neural podem ficar, em grande medida, a serem descobertos por futuros pesquisadores. O cérebro tem duas partes que ajudam no desenvolvimento, e são as seguintes: cerebelo e encéfalo.

Estrutura macroscópica

O cérebro é a mais complexa estrutura biológica conhecida, e compará-lo entre diferentes espécies mesmo nos aspectos básicos não é uma tarefa fácil. Porém, existem princípios comuns na arquitetura cerebral que se aplicam a uma vasta gama de espécies, que são revelados principalmente por três abordagens:

  • evolutiva que compara estruturas cerebrais de diferentes espécies e utiliza o princípio de que recursos encontrados em um determinado ramo também estavam presentes em seus ancestrais.
  • A abordagem desenvolvimentista analisa como a forma do cérebro se desenvolve desde a fase embrionária até a fase adulta.
  • A abordagem genética analisa expressão gênica em diversas partes do cérebro em toda uma gama de espécies. Cada abordagem complementa e informa os outros dois.

córtex cerebral é a parte do cérebro que melhor distingue os mamíferos dos outros vertebrados, primatas de outros mamíferos e humanos de outros primatas. Em vertebrados não mamíferos, a superfície do telencéfalo é forrada por uma estrutura em camadas relativamente simples chamada pallium. Nos mamíferos o pallium é envolvido em uma estrutura de 6 camadas chamada neocortex. Em primatas o neocortex é mais avantajado em comparação aos não-primatas, especialmente a parte chamada lobo frontal. Nos seres humanos, este alargamento dos lobos frontais é levado de uma extremidade à outra, e de outras partes do córtex também se tornam bastante grandes e complexas.

A relação entre tamanho cerebral, tamanho corporal e outras variáveis são estudadas entre uma grande gama de espécies.

O tamanho do cérebro aumenta com o tamanho do corpo mas não proporcionalmente. A média em todas as ordens de mamíferos segue a Lei de potência, com o exponente cerca de 0.75 Esta fórmula pode aplicar-se ao cérebro de um mamífero médio, mas cada família desvia do padrão, refletindo o nível de sofisticação em seu comportamento. Por exemplo, os primatas têm cérebros de 5 a 10 vezes maior que o indicado pela fórmula. Predadores tendem a ter cérebros maiores. Quando aumenta o tamanho do cérebro de um mamífero, nem todas as partes aumentam na mesma proporção. Quanto maior o cérebro de uma espécie, maior a porção representada pelo córtex.

Bilatérios

Com exceção de umas poucas formas primitivas como as esponjas e águas-vivas, todos os animais existentes são bilaterais, ou seja, animais cujo corpo apresenta simetria bilateral (isto é, o lado direito e o esquerdo são imagens espelhadas um do outro).

Imagina-se que todos os bilatérios descendam de um ancestral comum, surgido no início do período Cambriano, entre 550 e 600 milhões de anos atrás. Este ancestral tinha a forma de um simples verme tubular de corpo segmentado, e num nível abstrato, este formato de verme continua presente no esquema dos corpos e sistemas nervosos de todos os bilatérios modernos, inclusive o ser humano. A forma geral de corpo bilatério é a de um tubo com uma cavidade digestiva oca indo da boca ao ânus, e um cordão neural com um alargamento (um gânglio) para cada segmento corporal, com um gânglio excepcionalmente grande na frente, chamado de "cérebro".

Invertebrados

Em muitos invertebrados - insetos, moluscos, vermes de vários tipos, etc. - os componentes do cérebro e a sua organização difere tanto do padrão dos vertebrados que se torna difícil fazer comparações com algum significado, exceto com base na genética. Dois grupos de invertebrados possuem cérebros notavelmente complexos: artrópodes (insetoscrustáceosaracnídeos, e outros) e cefalópodes (polvoslulas e moluscos semelhantes). Os cérebros dos artrópodes e cefalópodes chegam de dois cordões neurais paralelos que se estendem pelo corpo do animal. Artrópodes possuem um cérebro central com três divisões e grandes lobos ópticos atrás de cada olho, para processamento visual. Cefalópodes têm os maiores cérebros entre os invertebrados. O cérebro do polvo, em particular, é altamente desenvolvido, comparável em complexidade com os cérebros de alguns vertebrados.

Somente uns poucos invertebrados tiveram seus cérebros estudados intensivamente. A grande lesma-do-mar Aplysia foi escolhida pelo prêmio Nobel de neurofisiologia Eric Kandel, pela simplicidade e acessibilidade de seu sistema nervoso, como modelo para o estudo das bases celulares do aprendizado e memória, e submetida a centenas de experimentos. Os cérebros invertebrados mais amplamente estudados, entretanto, pertencem à mosca-da-fruta Drosophila e à pequena nematoda Caenorhabditis elegans.

Pela abundância de técnicas disponíveis para estudar sua genética, a mosca-da-fruta tornou-se o objeto natural no estudo do papel dos genes no desenvolvimento do cérebro. Notavelmente, muitos aspectos neurogenéticos da Drosophila mostraram-se relevantes para os humanos. Os primeiros genes do relógio biológico, por exemplo, foram identificados ao se examinar Drosophilae mutantes que apresentavam ciclos irregulares na atividade diária. Uma pesquisa nos genomas dos vertebrados descobriu um conjunto de genes análogos que desempenham papel similar no relógio biológico de camundongos - e portanto, quase que certamente no relógio biológico humano.

Como a Drosophila, a C. elegans foi estudada amplamente por sua importância para a genética. No início dos anos 1970, Sydney Brenner a escolheu como organismos modelo para estudar o modo como os genes controlam o desenvolvimento. Uma das vantagens de trabalhar com este verme é que a estrutura corporal é bastante estereotipado: o sistema nervoso da forma hermafrodita possui exatamente 302 neurônios, sempre nos mesmos lugares, formando conexões sinápticas idênticas em cada verme. Num projeto heróico, a equipe de Brenner fatiou vermes em milhares de seções ultra-finas e fotografou cada seção num microscópio eletrônico, então encaixou visualmente as fibras de seção para seção, a fim de mapear cada neurônio e cada sinapse de todo o corpo. Nada que se aproxime deste nível de detalhe está disponível para outro organismo, e a informação obtida permitiu uma multitude de estudos que não teria sido possível de outro modo.

Vertebrados

Os cérebros dos vertebrados são feitos de um tecido muito mole, de textura comparável à da geleia. Quando vivo, o tecido cerebral é rosado por fora e branco por dentro, com pequenas variações de cor. Nos vertebrados, o cérebro é circundado por um sistema de membranas de tecido conjuntivo chamadas meninges, que o separam do crânio. Esta cobertura em três camadas é composta (de fora para dentro) pela dura-máter (matéria dura), aracnóide-máter (matéria-aranha), e pia-máter(matéria macia). A aracnóide e a pia são fisicamente conectadas, e frequentemente consideradas uma única camada, a pia-aracnóide. Sob a aracnóide fica o espaço sub-aracnóide, que contém fluido cérebro-espinal (FCE), que circula pelos pequenos espaços inter-celulares e por cavidades chamadas ventrículos, e serve para nutrir, sustentar e proteger o tecido cerebral. Vaso sanguíneo entram no sistema nervoso central pelo espaço perivascular acima da pia-máter. As células das paredes destes vasos são firmemente unidas, formando a barreira sangue-cérebro, que protege o cérebro de toxinas que possam entrar pelo sangue.

Os primeiros vertebrados apareceram há mais de 500 milhões de anos (Ma), durante o período Cambriano, e talvez lembrassem uma enguia. Os tubarões apareceram por volta de 450 Ma, anfíbios 400 Ma, répteis por volta de 350 Ma e mamíferos uns 200 Ma.

Não seria correto dizer que qualquer espécie atual é mais primitiva do que outra, já que todas têm sua história evolutiva igualmente longas, mas os cérebros dos modernos peixe-bruxa, lampreias, tubarões, anfíbios, répteis e mamíferos apresentam uma gradação de tamanho e complexidade que, grosso modo, segue a sequência evolutiva. Todos estes cérebros contêm basicamente o mesmo conjunto de elementos anatômicos, mas muitos destes são rudimentares no peixe-bruxa, enquanto nos mamíferos as partes frontais são altamente elaboradas e expandidas.

Todos os cérebros vertebrados partilham de uma mesma forma fundamental, que pode ser apreciada mais facilmente examinando como eles se desenvolvem. O sistema nervoso aparece na forma de uma fina tira de tecido que corre pelo dorso do embrião. Esta tira engrossa e então se dobra para formar um tubo oco. A extremidade frontal do tubo se desenvolve e forma o cérebro. Em sua forma mais recente, o cérebro aparece como três protuberâncias, que finalmente formarão o posencéfalo, o mesencéfalo e o rombencéfalo.

Em muitas classes de vertebrados, o tamanho destas três partes permanece similar no adulto, mas nos mamíferos o posencéfalo fica muito maior que as outras partes, e o mesencéfalo bem pequeno.

Geralmente, os neuroanatomistas dividem o cérebro em seis regiões principais: o telencéfalo (hemisférios cerebrais), o diencéfalo (tálamo e hipotálamo), mesencéfalo, cerebelo, ponte e medula. Cada área destas, por sua vez, possui uma estrutura interna complexa. Algumas áreas, como o córtex e o cerebelo, constituem-se de camadas, dobradas ou enroladas para caberem no espaço disponível. Outras áreas são constituídas de aglomerados de numerosos pequenos núcleos. Se forem feitas distinções estritas baseadas na estrutura neural, química e conectividade, milhares de áreas diferentes podem ser identificadas no cérebro dos vertebrados.

Alguns ramos de evolução dos vertebrados levaram a mudanças substanciais no formato cerebral, especialmente no posencéfalo. O cérebro do tubarão apresenta os elementos básicos numa disposição simples, mas nos peixes teleósteos (grande maioria das espécies modernas), o posencéfalo tornou-se revirado, como uma meia virada do avesso. Nas aves, também, há grandes mudanças no formato. Por muito tempo se pensou que uma das principais estruturas do posencéfalo das aves, o espinha dorsal ventricular, correspondesse ao gânglio basal dos mamíferos, mas hoje acredita-se estar mais relacionado ao neocórtex.

Diversas áreas cerebrais mantêm a mesma identidade entre todos os vertebrados, do peixes-bruxa ao ser humano. Segue uma lista de algumas das áreas mais importantes, com breve descrição de suas funções como são entendidas atualmente (mas note-se que ainda existe algum grau de discordância a respeito das funções da maioria das áreas):

  • medula, ao longo do cordão espinhal, contém vários pequenos núcleos envolvidos numa ampla variedade de funções sensórias e motoras.
  • hipotálamo é uma pequena região na base do posencéfalo, cuja complexidade não corresponde ao tamanho. É composto de numerosos pequenos núcleos, cada um com conexões distintas e neuroquímica idem. O hipotálamo é a estação central de controle dos ciclos de sono/alerta, controle de fome e sede, controle da liberação de hormônios e muitas outras funções biológicas críticas.
  • Como o hipotálamo, o tálamo é um conjunto de núcleos com funções diversas. Alguns estão envolvidos em retransmitir informações dos e para os hemisférios cerebrais. Outros estão envolvidos na motivação. A região subtalâmica (zona incerta) parece conter sistemas geradores de ação para diversos tipos de comportamentos "consumatórios", incluindo comer, beber, defecação e cópula.
  • cerebelo modula as informações de outros sistemas cerebrais para fazê-las mais precisas. A remoção do cerebelo não impede um animal de fazer nada em particular, mas deixa suas ações hesitantes e desajeitadas. Tal precisão não é inata, mas aprendida por tentativa e erro. Aprender a andar de bicicleta é exemplo de um tipo de plasticidade neural que acontece majoritariamente dentro do cerebelo.
  • teto, também chamado de "teto óptico" permite direcionar ações a determinado ponto no espaço. Nos mamíferos, é chamado de colículo superior, e sua função mais bem estudada é a de direcionar os movimentos oculares. Mas também dirige o movimento de alcançar. O teto recebe fortes estímulos visuais, mas também estímulos de outros sentidos que são úteis ao direcionamento de ações, como estímulos auditivos em corujas, estímulos dos órgãos termo-sensíveis em cobras, etc. Em alguns quais peixes, o teto é a maior porção do cérebro.
  • pálio é uma camada de matéria cinzenta que fica na superfície do posencéfalo. Nos répteis e mamíferos, ela é chamada de córtex. O pálio está relacionado a múltiplas funções, incluindo o olfato e a memória espacial. Nos mamíferos, em que o córtex domina o cérebro, ele assume funções de várias regiões subcorticais.
  • hipocampo, estritamente falando, é encontrado apenas em mamíferos. No entanto, a região da qual ele deriva, o pallium medial, tem correspondentes em todos os vertebrados. Há evidências de que esta parte do cérebro está envolvida na memória espacial e navegação de aves, peixes, répteis e mamíferos.
  • Os gânglios basais são um grupo de estruturas interconectadas do posencéfalo, das quais nosso entendimento aumentou consideravelmente nos últimos anos. A função primária dos gânglios basais parece ser a de seleção de ação. Eles mandam sinais inibitórios para todas as partes do cérebro que possam gerar ações, e nas circunstâncias certas pode liberar a inibição, de modo que os sistemas de geração de ação executem suas ações. Recompensas e punições têm seus efeitos neurais mais importantes sobre os gânglios basais.
  • bulbo olfativo é uma estrutura especial que processa os sinais sensórios olfativos e envia seus resultados para a parte olfativa do pálio. É um elemento significativo do cérebro de muitos vertebrados, mas é muito reduzido nos primatas.

Mamíferos

rombencéfalo e o mesencéfalo dos mamíferos são em geral similares aos de outros vertebrados, mas diferenças gritantes aparecem no prosencéfalo, que é não só muito aumentado, mas diferenciado em sua estrutura. Nos mamíferos, a maior parte da superfície dos hemisférios cerebrais é coberta por um isocórtex de seis camadas, mais complexo que o pallium de três camadas visto na maioria dos vertebrados. O hipocampo dos mamíferos também possui estrutura diferente.

Infelizmente, a história evolucionária destas características mamíferas, especialmente o córtex de seis camadas, é difícil de reconstituir. Isto principalmente pela falta de um elo perdido. Os ancestrais dos mamíferos, chamados sinápsidas, separam-se dos ancestrais dos répteis modernos e aves por volta de 350 milhões de anos atrás. Entretanto, a ramificação mais recente que vingou entre os mamíferos foi à separação entre monotremados (ornitorrinco e équidna), marsupiais (gambá, canguru) e placentários (maioria dos mamíferos atuais), que aconteceu em torno de 120 milhões de anos atrás. Os cérebros dos monotremados e dos marsupiais são diferentes dos cérebros placentários em alguns aspectos, mas possuem as estruturas corticais e do hipocampo inteiramente mamíferas. Assim, estas estruturas devem ter evoluído entre 350 e 120 milhões de anos atrás, período que não deixou evidências senão fósseis, que não conservam tecidos moles como o cérebro.

Primatas (incluindo humanos)

O cérebro primata contém a mesma estrutura que o cérebro de outros mamíferos, mas é consideravelmente maior em relação ao tamanho do corpo. Esse aumento de tamanho relaciona-se principalmente com uma grande expansão do córtex, com destaque para as áreas relativas a visão e antecipação.35 A rede de processamento visual dos primatas é muito complexa, incluindo pelo menos 30 áreas diferenciáveis, com uma desconcertante rede de interconexões. Esses fatos contribuem para que o processamento visual utilize quase metade do cérebro. A outra parte do cérebro que tem grande aumento é o córtex pré-frontal, cujas funções são difíceis de sumarizar sucintamente, mas relacionam-se com planejamento, memória de trabalho, motivação, atenção, e controle de funções.

Estrutura Microscópica

O cérebro é composto de duas grandes classes de células, neurônios e células das glia. Neurônios recebem mais atenção, mas, na verdade, as células gliais são mais frequentes, formando uma proporção de pelo menos 10 para 1. Existem diversos tipos de células gliais, que realizam um grande número de funções importantes como: suporte estrutural, suporte metabólico, isolamento, e guia para o desenvolvimento.

A característica que torna os neurônios tão importantes é a capacidade de enviar sinais uns para os outros através de longas distâncias, algo que não ocorre nas células gliais. Eles enviam esses sinais através de um axônio, uma fina fibra protoplasmática que parte do corpo celular e projeta-se, normalmente com inúmeras ramificações, para outras áreas, às vezes perto, às vezes em partes distantes do cérebro ou do corpo. A extensão de um axônio pode ser extraordinária: por exemplo, se uma célula piramidal do neocórtex fosse aumentada até que o tamanho de seu corpo fica-se do tamanho de um corpo humano, seu axônio, igualmente aumentado, seria um cabo com algumas polegadas de diâmetro, estendendo-se por mais de um quilômetro. Esses axônios transmitem sinais na forma de impulsos eletroquímicos chamados potenciais de ação, que duram menos que um milésimo de segundo e viajam através do axônio numa velocidade de 1 a 100 metros por segundo. Alguns neurônios emitem potenciais de ação constantemente, 10 a 100 vezes por segundo, normalmente em padrões temporais irregulares; outros neurônios ficam em repouso a maior parte do tempo, mas ocasionalmente emitem uma rajada de potenciais de ação.

Axônios transmitem sinais para outros neurônios, ou para células não-neuronais, através de uma junção especializada chamada sinapse. Um único axônio pode fazer diversas conexões sinápticas. Quando um potencial de ação, viajando através do axônio, chega à sinapse, ele faz com que um composto químico chamado deneurotransmissor seja liberado. O neurotransmissor liga-se a moléculas receptoras na membrana da célula alvo. Alguns tipos de receptores neuronais são excitatórios, ou seja, eles aumentam a frequência dos potenciais de ação na célula alvo; outros receptores são inibitórios, ou seja, eles diminuem a frequência dos potenciais de ação; outros tem efeitos efeitos modulatórios complexos na célula alvo.

Na verdade, são os axônios que preenchem a maior parte do espaço do cérebro. Normalmente, grandes grupos deles viajam juntos em aglomerados chamados tratos de fibras nervosas. Em muitos casos, cada axônio é envolto por uma grossa bainha de uma substância lipídica chamada Mielina, que serve para aumentar muito a velocidade de propagação do potencial de ação. Mielina tem a coloração branca, então partes do cérebro preenchidas exclusivamente por fibras nervosas aparecem como substância branca, por outro lado, a substância cizenta marca as áreas com altas densidades de corpos celulares neuronais.

Efeitos de doenças e lesões

Apesar de ser protegido pelo crânio e pelas meninges, envolvido pelo líquido cefalo raquidiano, e isolado da corrente sangüínea pela barreira hematoencefálica, a natureza sensível do cérebro o faz vulnerável a inúmeras doenças e diversos tipos de lesões. Esses problemas manifestam-se de maneira diferenciada em humanos em relação a outras espécies, por isso uma visão geral da patologia cerebral e seu possível tratamento são abordados nos artigos sobre cérebro humanolesão cerebral, e neurologia.

 

Cérebro humano

 

cérebro humano é particularmente complexo e extenso. Este é imóvel e representa apenas 2% da massa do corpo, mas, apesar disso, recebe aproximadamente 25% de todo o sangue que é bombeado pelo coração. Divide-se em dois hemisférios: esquerdo e o direito. O seu aspecto se assemelha ao miolo de uma noz. É um conjunto distribuído de milhares de milhões de células que se estende por uma área de mais de 1 metro quadrado dentro do qual conseguimos diferenciar certas estruturas correspondendo às chamadas áreas funcionais, que podem cada uma abranger até um décimo dessa área.*

Hemisférios cerebrais

O hemisfério dominante em 98% dos humanos é o hemisfério esquerdo, é responsável pelo pensamento lógico e competência comunicativa. Enquanto o hemisfério direito, é responsável pelo pensamento simbólico e criatividade, embora pesquisas recentes estejam contradizendo isso, comprovando que existem partes do hemisfério direito destinados a criatividade e vice-versa. Nos canhotos as funções estão invertidas. O hemisfério esquerdo diz-se dominante, pois nele localiza-se 2 áreas especializadas: a Área de Broca (B), o córtex responsável pela motricidade da fala, e a Área de Wernicke (W), o córtex responsável pela compreensão verbal.

corpo caloso, localiza-se no fundo da fissura inter-hemisférica, ou fissura sagital, é a estrutura responsável pela conexão entre os dois hemisférios cerebrais. Essa estrutura, composta por fibras nervosas de cor branca (freixes de axónios envolvidos em mielina), é responsável pela troca de informações entre as diversas áreas do córtex cerebral.

córtex motor é responsável pelo controle e coordenação da motricidade voluntária. Traumas nesta área causam fraqueza muscular ou até mesmo paralisia. O córtex motor do hemisfério esquerdo controla o lado direito do corpo, e o córtex motor do hemisférios direito controla o lado esquerdo do corpo. Cada córtex motor contém um mapa da superfície do corpo: perto da orelha, está a zona que controla os músculos da garganta e da língua, segue-se depois a zona dos dedos, mão e braço; a zona do tronco fica ao alto e as pernas e pés vêm depois, na linha média do hemisfério.

córtex pré-motor é responsável pela aprendizagem motora e pelos movimentos de precisão. É na parte em frente da área do córtex motor correspondente à boca que reside a Área de Broca, que tem a ver com a linguagem. A área pré-motora fica mais ativa do que o resto do cérebro quando se imagina um movimento, sem o executar. Se se executa, a área motora fica também ativa. A área pré-motora parece ser a área que em grande medida controla o sequenciamento de ações em ambos os lados do corpo. Traumas nesta área não causam nem paralisia nem problemas na intenção para agir ou planear, mas a velocidade e suavidade dos movimentos automáticos (ex. fala e gestos) ficam perturbada. A prática de piano, ténis ou golfe envolve o «afinar» da zona pré-motora - sobretudo à esquerda, especializada largamente em atividades sequenciais tipo série.

Cabe ao córtex do cerebelo, fazer a coordenação geral da motricidade, manutenção do equilíbrio e postura corporal. O cerebelo representa cerca de 10% do peso total do encéfalo e contém mais neurônios do que os dois hemisférios juntos.

O eixo formado pela adeno-hipófise e o hipotálamo, são responsáveis pela auto regulação do funcionamento interno do organismo. As funções homeostáticas do organismo (função cárdio-respiratória, circulatória, regulação do nível hídrico, nutrientes, da temperatura interna, etc) são controladas automaticamente.

Córtex cerebral e lobos cerebrais

No cérebro há uma distinção visível entre a chamada massa cinzenta e a massa branca, constituída pelas fibras (axónios) que entreligam os neurónios. A substância cinzenta do cerebro, o córtex cerebral, é constituído corpos celulares de dois tipos de células: as células de Glia - também chamadas de neurôglias - e os neurônios. O córtex cerebral humano é um tecido fino (como uma membrana) que tem uma espessura entre 1 e 4 mm e uma estrutura laminar formada por 6 camadas distintas de diferentes tipos de corpos celulares de neurônios. Perpendicularmente às camadas, existem grandes neurônios chamados neurônios piramidais que ligam as várias camadas entre si e representam cerca de 85% dos neurônios no córtex. Os neurônios piramidais estão entreligados uns aos outros através de ligações excitatórias e pensa-se que a sua rede é o «esqueleto» da organização cortical. Podem receber entradas de milhares de outros neurônios e podem transmitir sinais a distâncias da ordem dos centímetros e atravessando várias camadas do córtex. Os estudos realizados indicam que cada célula piramidal está ligada a quase tantas outras células piramidais quantas as suas sinapses (cerca de 4 mil); o que implica que nenhum neurônio está a mais de um número pequeno de sinapses de distância de qualquer outro neurônio no córtex.

Embora até há poucos anos se pensasse que a função das células de Glia é essencialmente a de nutrir, isolar e proteger os neurônios, estudos mais recentes sugerem que os astrócitos podem ser tão críticos para certas funções corticais quanto os neurônios.

As diferentes partes do córtex cerebral são divididas em quatro áreas chamadas de lobos cerebrais, tendo cada uma funções diferenciadas e especializadas. Os lobos cerebrais são designados pelos nomes dos ossos cranianos nas suas proximidades e que os recobrem. O lobo frontal fica localizado na região da testa; o lobo occipital, na região da nuca; o lobo parietal, na parte superior central da cabeça; e os lobos temporais, nas regiões laterais da cabeça, por cima das orelhas.

Os lobos parietais, temporais e occipitais estão envolvidos na produção das percepções resultantes daquilo que os nossos órgãos sensoriais detectam no meio exterior e da informação que fornecem sobre a posição e relação com objetos exteriores das diferentes partes do nosso corpo.

Lobo Frontal

lobo frontal, que inclui o córtex motor e pré-motor e o córtex pré-frontal, está envolvido no planejamento de ações e movimento, assim como no pensamento abstrato. A atividade no lobo frontal aumenta nas pessoas normais somente quando temos que executar uma tarefa difícil em que temos que descobrir uma sequência de ações que minimize o número de manipulações necessárias. A parte da frente do lobo frontal, o córtex pré-frontal, tem que ver com estratégia: decidir que sequências de movimento ativar e em que ordem e avaliar o seu resultado. As suas funções parecem incluir o pensamento abstrato e criativo, a fluência do pensamento e da linguagem, respostas afetivas e capacidade para ligações emocionais, julgamento social, vontade e determinação para ação e atenção seletiva. Traumas no córtex pré-frontal fazem com que uma pessoa fique presa obstinadamente a estratégias que não funcionam ou que não consigam desenvolver uma sequência de ações correta segundo o nosso cientista já falecido Tailisson Michael 1903-1980.

Lobo occipital

lobo occipital está localizado na parte póstero-inferior do cérebro. Coberta pelo córtex cerebral, esta área é também designada por córtex visual, porque processa os estímulos visuais. É constituida por várias sub áreas que processam os dados visuais recebidos do exterior depois de terem passado pelo tálamo: há zonas especializadas em processar a visão da cor, do movimento, da profundidade, da distância, etc. Depois de percebidas por esta área - área visual primária- estes dados passam para a área visual secundária. É aqui que a informação recebida é comparada com os dados anteriores que permite, por exemplo, identificar um cão, um automóvel, uma caneta. A área visual comunica com outras areas do cérebro que dão significado ao que vemos tendo em conta a nossa experiencia passada, as nossas expectativas. Por isso é que o mesmo objeto nao é percepcionado da mesma forma por diferentes sujeitos. Para além disso, muitas vezes o cérebro é orientado para discriminar estímulos. Uma lesão nesta área provoca agnosia, que consiste na impossibilidade de reconhecer objetos, palavras e, em alguns casos, os rostos de pessoas conhecidas ou de familiares

Lobos temporais

lobo temporal está localizado na zona por cima das orelhas tendo como principal função processar os estímulos auditivos. Os sons produzem-se quando a área auditiva primária é estimulada. Tal como nos lobos occipitais, é uma área de associação - área auditiva secundária- que recebe os dados e que, em interação com outras zonas do cérebro, lhes atribui um significado permitindo ao Homem reconhecer o que ouve.

Lobos Parietais

lobo parietal, localizado na parte superior do cérebro, é constituido por duas subdivisões - a anterior e a posterior. A zona anterior designa-se por córtex somatossensorial e tem por função possibilitar a recepção de sensações, como o tato, a dor, a temperatura do corpo. Nesta área primária, que é responsavel por receber os estimulos que têm origem no ambiente, estão representadas todas as áreas do corpo. São as zonas mais sensiveis que ocupam mais espaço nesta área, porque têm mais dados para interpretar. Os lábios, a língua e a garganta recebem um grande número de estímulos, precisando, por isso, de uma maior área. A área posterior dos lobos parietais é uma área secundária que analisa, interpreta e integra as informações recebidas pela área anterior ou primária, permitindo-nos a localização do nosso corpo no espaço, o reconhecimento dos objetos através do tato, etc.

Área de Wernicke

É na zona onde convergem os lobos occipital, temporal e parietal que se localiza a área de Wernicke, que desempenha um papel muito importante na produção de discurso. É esta área que nos permite compreender o que os outros dizem e que nos faculta a possibilidade de organizarmos as palavras sintaticamente corretas.

Estudo científico do cérebro

O cérebro e as funções cerebrais têm sido estudados cientificamente por diversos ramos do saber. É um projeto pluri-disciplinar. Nasceu assim a neurociência com o objetivo de estudar o funcionamento do Sistema Nervoso, nomeadamente do Sistema Nervoso Central, a partir de uma perspectiva biológica. A psicologia, depois de se ter emancipado da filosofia e de vários conceitos religiosos, tem por objetivo estudar cientificamente o comportamento do indivíduo e como este se relaciona com as estruturas cerebrais. A ciência cognitiva procura estudar as funções cerebrais com objetivo de desenvolver o conceito de "inteligência artificial". O cérebro é responsável pelas emoções.

Métodos de Observação

Pierre Flourens, por volta de 1825, começou as primeiras descobertas relacionadas com funcionamento cerebral. Anatomistas e fisiologistas desenvolveram novos métodos experimentais para intervir diretamente no cérebro e observar os resultados destas intervenções sobre o comportamento de animais. Estes métodos eram:

  • A ablação cirúrgica seletiva de partes do cérebro de animais.
  • A estimulação elétrica do cérebro de animais e seres humanos.
  • Os estudos clínicos, ou seja, pacientes com deficiências neurológicas ou mentais tiveram seus cérebros examinados após a sua morte, numa tentativa de identificar com alterações detectáveis no tecido nervoso.

eletrofisiologia, na qual elétrodos são colocados diretamente no cérebro, permite aos cientistas registrar a atividade córtex cerebral de neurônios isolados ou grupos de neurônios, mas como requer uma cirurgia invasiva, é uma técnica reservada apenas para cobaias animais.

eletroencefalografia ou EEG, dá-se com a colocação de elétrodos sobre a pele, a fim de se registarem os impulsos nervosos (de natureza eletro-química) gerados por diferentes partes do córtex cerebral. O exame detecta apenas mudanças em larga escala e ocorridas apenas nas camadas mais externas do órgão. Com o aparecimento dos métodos de imagem, a tomografia axial computorizada e da imagem por ressonância magnética, vieram revolucionar o estudo do funcionamento do cérebro e tornar o diagnóstico médico mais rigoroso.

A ressonância magnética funciona medindo as mudanças no fluxo de sangue dentro do cérebro, mas a atividade dos neurônios não é diretamente medida, e não pode se distinguir onde a atividade é de inibição ou onde é de excitação. Testes de comportamento podem avaliar sintomas de doenças e o desempenho mental, mas também são medidas indiretas das funções cerebrais e podem não ser práticas em todos os animais. Análises feitas em cadáveres de animais permitem o estudo da anatomia e da distribuição de proteínas no cérebro.

 Neurologia

 

Neurologia é a especialidade médica que trata dos distúrbios estruturais do sistema nervoso. Especificamente, ela lida com o diagnóstico e tratamento de todas as categorias de doenças que envolvem os sistemas nervoso centralperiférico e autônomo, incluindo os seus revestimentos, vasos sanguíneos, e todos os tecidos efetores, como os músculos. O correspondente cirúrgico da especialidade é a neurocirurgia.

O neurologista, médico que se especializou em neurologia, é treinado para investigar, diagnosticar e tratar distúrbios neurológicos. O neuropediatra trata doenças neurológicas em crianças. Neurologistas também podem estar envolvidos na pesquisa clínica, ensaios clínicos, bem como em pesquisa de ciências básicas da medicina.

Grupos de doenças da neurologia

Entre as principais doenças abordadas pela especialidade podem-se citar:

Além das doenças mentais de base orgânica ou Neuropsicopatologias. O CID, na 10ª revisão divide as patologias do sistema nervoso em 10 grupos (verCapítulo VI: Doenças do sistema nervoso) onde não se incluem os Transtornos mentais orgânicos, inclusive os sintomáticos (F00-F09) e Síndromes comportamentais associadas a disfunções fisiológicas e a fatores físicos (F50-F59); além do Retardo mental (F70-F79) e Transtornos do desenvolvimento psicológico (F80-F89), incluídos no Capítulo V: Transtornos mentais e comportamentais.

Naturalmente esse é um sistema de classificação estatística com fins de análise epidemiológica e/ou de organização de serviços de saúde. Utilizam-se também outras classificações tipo o DSM - Manual Diagnóstico e Estatístico de Desordens Mentais pois a divisão entre transtornos mentais, psicológicos e cerebrais é uma divisão com fins didáticos e de organização do mercado de trabalho dos profissionais de saúde e não há como separar a forma da função de um órgão ou sistema orgânico.

Formação no Brasil

Para se obter o título de Médico especialista em Neurologia no Brasil, é necessário, após a graduação em Medicina, cumprir integralmente o programa de residência médica reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC) ou realizar estágio em instituição reconhecida, com duração de 3 anos, e após, prestar prova no concurso promovido pela Academia Brasileira de Neurologia.

Curiosidades

Um caso fascinante é relatado pelo neurocientista português António Damásio no seu livro "O Erro de Descartes" a respeito de Phineas Gage, um capataz de construção civil na Nova Inglaterra que, em 1848, teve um acidente no qual um bastão de ferro lhe entra pela face esquerda, trespassando a base do crânio e destruindo-lhe a parte anterior do cérebro, porém sobreviveu. Através dos relatos a respeito da mudança de personalidade de Gage, os neurologistas ainda hoje retiram daí ilações sobre a fisiologia cerebral.

 

Sistema nervoso central

 

Em anatomia, chama-se sistema nervoso central (SNC), ou neuroeixo, ao conjunto do encéfalo e da medula espinhal dos vertebrados. Forma, junto com o sistema nervoso periférico, o sistema nervoso, e tem um papel fundamental no controle do corpo.

É no SNC que chegam as informações relacionadas aos sentidos (audiçãovisãoolfatopaladar e tato) e é dele que partem ordens destinadas aos músculos e glândulas.

O desenvolvimento embrionário

O zigoto é portador do material genético fornecido pelo espermatozóide e pelo óvulo. Um vez formado o zigoto irá se dividir muitas vezes por mitose até originar um novo indivíduo. Assim, todas as células que formam o corpo de um indivíduo possuem o mesmo patrimônio genético que existia no zigoto.

Apesar disso, ao longo do desenvolvimento embrionário as células passam por um processo de diferenciação celular em que alguns genes são “ativados” e outros são “desativados”, sendo que somente os “ativados” coordenam as funções das células.

Surgem dessa maneira tipos celulares com formatos e funções distintos, que se organizam em tecidos. Conjuntos de tecidos reunidos formam os órgãos. Os grupos de órgãos formam os sistemas que, por sua vez, formam o organismo.

Células – tecidos – órgãos – sistemas – organismos

A ciência que estuda esse processo de desenvolvimento do indivíduo a partir do zigoto é a Embriologia.

Fases do desenvolvimento embrionário

Os animais apresentam grande diversidade de desenvolvimento embrionário, mas, de modo geral, em praticamente todos ocorrem três fases consecutivas: segmentação, gastrulação e organogênese.

Na segmentação, mesmo com o aumento do número de células, praticamente não há aumento do volume total do embrião, pois as divisões celulares são muito rápidas e as células não têm tempo para crescer.

Na fase seguinte, que é a gastrulação, o aumento do número de células é acompanhada do aumento do volume total. Inicia-se nessa fase a diferenciação celular, ocorrendo a formação dos folhetos germinativos ou folhetos embrionários, que darão origem aos tecidos do indivíduo.

No estágio seguinte, que é a organogênese, ocorre a diferenciação dos órgãos.

Vamos analisar cada uma dessas fases para os animais em geral e depois comentar o desenvolvimento embrionário humano.

Anatomia Comparada

A forma mais simples de sistema nervoso se encontra no filo dos celenterados, do qual fazem parte as hidras, as medusas e os pólipos. Esses animais possuem células nervosas distribuídas por todo o organismo, formando uma espécie de rede.

Nos vermes menos evoluídos, platelmintos e nematelmintos, o sistema nervoso ainda é primitivo, mas já existe um certo grau de polarização, além de gânglios cerebróides e fibras nervosas longitudinais. O sistema nervoso central é constituido pelo encéfalo e medula espinal. A medula espinal comunica-se em diferentes orgãos do corpo e dos membros ao 31 pares de nervos raquidianos.

Os anelídeos se situam no estágio seguinte da escala evolutiva. O sistema nervoso desses animais consta de um par de gânglios cerebróides unidos por um anel periesofágico aos gânglios metaméricos. Ocorrem também nervos laterais. Os artrópodes, quanto ao sistema nervoso, não diferem muito dos anelídeos a partir dos quais evoluíram.

No filo dos moluscos, a estrutura nervosa é muito diferenciada e atinge seu mais alto grau de evolução na classe dos cefalópodes (lulaspolvosnáutilos etc). Nesses animais, os diferentes gânglios se fundem para constituir a massa cerebral, na qual se distingue uma parte encarregada da função visual e outra a qual compete regular o funcionamento das brânquias, das vísceras, etc.

Nos vertebrados, o sistema nervoso se divide em central (cérebro e medula espinhal) e periférico (nervos cranianos e raquidianos, além do sistema nervoso autônomo ou vegetativo). O encéfalo se divide em três regiões: o prosencéfalo, ou encéfalo anterior; o mesencéfalo, ou porção média; e o rombencéfalo, ou parte posterior. O segmento anterior pode dividir-se ainda em telencéfalo (integrado pelos lóbulos da olfação e os hemisférios cerebrais) e diencéfalo (do qual fazem parte o epitálamo, o tálamo e o hipotálamo). A seção intermediária contém os lóbulos ópticos; a posterior também diferencia-se em metencéfalo (do qual faz parte o cerebelo) e mielencéfalo (constituído pelo bulbo raquidiano, que se liga à medula espinhal).

A complexidade anatômica do encéfalo está relacionada com o enorme número de funções e processos sensitivos por ele regulados. Geralmente, observa-se nos peixes um menor desenvolvimento do cérebro em benefício dos órgãos olfativos. À medida que se avança na escala evolutiva, as dimensões do cérebro aumentam até alcançarem o tamanho máximo nos primatas e no homem, em que ocorrem circunvoluções e separação do cérebro em hemisférios.

A porção intra-raquidiana do sistema nervoso é a medula espinhal, a partir da qual surgem os pares de nervos raquidianos que inervam os diferentes músculos, glândulas e vísceras. Nos vertebrados quadrúpedes observam-se na medula as intumescências cervical e lombar, que correspondem à emergência de nervos que se destinam aos membros anteriores e posteriores. O sistema nervoso autônomo é uma unidade funcional complementar, constituída pelos sistemas simpático e parassimpático, dos quais depende o equilíbrio da vida orgânica. A função do sistema nervoso nos animais superiores é complementada pela ação do sistema endócrino, encarregado de regular a secreção hormonal.

Sistema cérebro-espinhal do ser humano

No homem, a estrutura dos nervos é diferenciada em duas áreas. Uma delas corresponde ao sistema nervoso central, constituído pelo encéfalo e a medula espinhal, que se aloja no conduto crânio-raquidiano, protegido pelas meninges e pelas vértebras. A outra forma o sistema nervoso periférico, que consta de um conjunto de nervos distribuídos por todo o organismo. Parte do sistema periférico integra o sistema nervoso autônomo, ou vegetativo, que regula o funcionamento das vísceras e glândulas.

No sistema nervoso central, o encéfalo humano mantém a tripla divisão em prosencéfalo, mesencéfalo e rombencéfalo, característica da evolução embrionária dos vertebrados, embora organicamente se estabeleça preferencialmente a distinção entre cérebro, cerebelo, ponte de Varólio (ou protuberância), pedúnculos cerebrais e bulbo raquidiano (ou medula oblonga). O cérebro é o elemento principal, para o qual são dirigidos os impulsos recebidos pelo sistema nervoso. Seu peso médio, quando atingido o desenvolvimento máximo, é de aproximadamente 1.400g nos homens e 1.260g nas mulheres. Na morfologia cerebral distingue-se uma primeira separação em dois grandes hemisférios cortados por uma linha profunda, a fissura sagital. Na superfície de cada um desses hemisférios existem dois outros cortes, a fissura de Sylvius, ou sulco lateral, e a de Rolando, ou sulco central. Ficam assim delimitados quatro lobos em cada bissecção: frontal, parietal, temporal e occipital.

A cavidade interna do cérebro é irrigada pelo líquido cefalorraquidiano, que flui também na medula espinhal e constitui um elemento de extrema importância no diagnóstico de muitas doenças e alterações metabólicas. De dentro para fora, distinguem-se a substância branca, formada pelos axônios recobertos de mielina, material lipoproteico que envolve as fibras e aumenta a velocidade de transmissão dos impulsos nervosos; e a substância cinzenta, que forma o envoltório ou córtex cerebral. A massa cerebral é recoberta por três membranas de proteção, as meninges, que separam o córtex dos ossos cranianos. São elas a pia-máter (mais interna), aracnoide (intermediária) e dura-máter (mais externa).

Na região póstero-inferior do cérebro, situa-se o cerebelo, órgão responsável pela coordenação motora formado por uma parte mediana, o verme, e dois lobos ou hemisférios. A ponte de Varólio, também denominada protuberância anular, liga o cérebro, o cerebelo e o bulbo, e está situada na parte inferior do encéfalo. Compõe-se de diferentes planos de fibras nervosas longitudinais e transversais. O bulbo faz a transição entre o encéfalo e a medula. Nele se entrecruzam as fibras nervosas que atingirão o cérebro, razão pela qual as funções reguladoras do lado direito do corpo são controladas pelo lobo cerebral esquerdo, e as correspondentes ao lado esquerdo, pelo lobo direito.

Do bulbo nasce a medula espinhal ou raquidiana, cordão nervoso cilíndrico que se prolonga pelo interior da coluna vertebral até o extremo do osso sacro. O cordão medular consta de um núcleo central de substância cinzenta, com característica disposição em forma de X, envolto numa massa cilíndrica de substância branca. A substância cinzenta se ramifica a partir da medula para formar as raízes dos nervos raquidianos. Ao longo de toda a sua extensão, a medula raquidiana é protegida externamente, como o encéfalo, pelas três meninges e, em seu canal interno, por uma membrana denominada epêndima.

Os nervos representam a unidade fisiológica fundamental do sistema nervoso periférico. Eles se originam nos dois componentes básicos do sistema nervoso central: o cérebro e a medula espinhal. Os 12 pares de nervos cranianos são os seguintes:


Par I: olfativo

Par II: óptico

Par III: óculo-motor

Par IV: troclear

Par V: trigêmeo

Par VI: óculo-motor externo

Par VII: facial

Par VIII: vestíbulo-coclear

Par IX: glossofaríngeo

Par X: vago

Par XI: acessório

Par XII: hipoglosso


Outros 31 pares formam o conjunto de nervos raquidianos, dos quais dependem a recepção de impulsos periféricos, sua transmissão aos centros fundamentais do sistema nervoso e o envio de sinais aos músculos.

Sistema autônomo ou vegetativo

A regulação das funções dos órgãos internos, de forma involuntária e autônoma, é executada pelo sistema nervoso vegetativo, unidade fisiológica integrada por dois sistemas diferenciados, o simpático e o parassimpático, com atividades opostas. A motilidade intestinal, por exemplo, é estimulada por um nervo do sistema simpático e inibida por outro do sistema parassimpático. As unidades funcionais do sistema vegetativo são as fibras e os gânglios.

O sistema simpático é integrado por uma dupla cadeia de gânglios dispostos em ambos os lados da coluna vertebral. A condução dos impulsos nervosos às vísceras é feita por dois neurônios: o pré-ganglionar parte da medula e forma no gânglio uma sinapse com o neurônio pós-ganglionar, que prossegue para inervar um órgão periférico. O segundo componente do sistema nervoso autônomo é o parassimpático, formado pelas fibras nervosas autônomas que emergem do sistema nervoso pelos nervos cranianos e pelos segmentos sacrais. Embora seus componentes obedeçam ao padrão geral da via efetora autônoma formada de dois neurônios, o parassimpático se caracteriza por ter o gânglio muito próximo da víscera que inerva.

 

Sistema nervoso periférico

 

sistema nervoso periférico (SNP) é a parte do sistema nervoso que se encontra fora do sistema nervoso central (SNC). Segundo o Gray, (1858) é constituído por fibras (nervos), gânglios nervosos e órgãos terminais. Os nervos se dividem em três tipos:

  • Nervos Sensitivos: são os nervos que tem o papel de transmitir os impulsos nervosos do órgão receptor até ao SNC;
  • Nervos Motores: conduzem o impulso codificado no encéfalo (SNC), até ao órgão efetor;
  • Nervos Mistos: tem o mesmo papel que os nervos sensitivos e motores ao mesmo tempo.

Os órgãos receptores são os órgãos dos sentidos (visão, audição, olfato, paladar e corpúsculos táteis) com conexões nervosas adaptada à transdução dos diferentes tipos de estímulos captados no mundo exterior (ver relação de receptores abaixo discriminados). Já os órgãos efetores são basicamente as glândulas e os músculoslisos e estriados. podemos agrupar os receptores em: quimiorreceptores:recebem estímulos por meio de substancias permitem o sentido do olfato e paladar; fotorreceptores:estímulos luminosos permitem a visão :cores imagens etc; termorreceptores:estímulos térmicos ,permite o tato,e estão localizadas em diferentes parte do corpo; mecanorreceptores:estímulos mecânicos de pressão ,permite ser auditivos,táteis ou até mesmo a dor.

Diferentemente do sistema nervoso central, o sistema nervoso periférico não se encontra protegido pela barreira hematoencefálica.

É graças a este sistema que o cérebro e a medula espinhal recebem e enviam as informações permitindo-nos reagir às diferentes situações que têm origem no meio externo ou interno.

O sistema nervoso periférico, organiza-se em plexos e funções pode ser dividido em duas classes diferentes dependendo da origem ou terminação dos terminais nervosos que o constituem. Se os nervos começarem, ou acabarem, no encéfalo, temos aí os 'pares nervosos cranianos', mas se estes começarem na medula espinhal estamos perante 'pares nervosos raquidianos'. Quanto à funções pode-se distinguir o sistema nervoso autônomo e o somático / sensorial.

Receptores sensoriais

 

Neurônio

 

neurónio (português europeu) ou neurônio (português brasileiro) é a célula do sistema nervoso responsável pela condução do impulso nervoso. Há cerca de 86 bilhões (até 20 de fevereiro de 2009 se especulava que havia 100 bilhões) de neurônios no sistema nervoso humano. O neurônio é constituído pelas seguintes partes: corpo celularo núcleo celulardendritos (prolongamentos numerosos e curtos do corpo celular, receptores de mensagens), axônio (prolongamento que transmite o impulso nervoso vindo do corpo celular) e telodendritos.

O neurônio pode ser considerado a unidade básica da estrutura do cérebro e do sistema nervoso. A membrana exterior de um neurônio toma a forma de vários ramos extensos chamados dendritos, que recebem sinais elétricos de outros neurônios, e de uma estrutura a que se chama um axônio que envia sinais elétricos a outros neurônios. O espaço entre o dendrito de um neurônio e os telodendritos de outro é o que se chama uma fenda sináptica: os sinais são transportados através das sinapses por uma variedade de substâncias químicas chamadas neurotransmissores. O córtex cerebral é um tecido fino composto essencialmente por uma rede de neurônios densamente interligados tal que nenhum neurônio está a mais do que algumas sinapses de distância de qualquer outro neurônio.

Os neurônios recebem continuamente impulsos nas sinapses de seus dendritos vindos de milhares de outras células. Os impulsos geram ondas de corrente elétrica (excitatória ou inibitória, cada uma num sentido diferente) através do corpo da célula até a uma zona chamada a zona de disparo, no começo do axônio. É aí que as correntes atravessam a membrana celular para o espaço extracelular e que a diferença de voltagem que se forma na membrana determina se o neurônio dispara ou não.

Os neurônios caracterizam-se pelos processos que conduzem impulsos nervosos para o corpo e do corpo para a célula nervosa. Os impulsos nervosos são reações físico-químicas que se verificam nas superfícies dos neurônios e seus processos. Reações semelhantes ocorrem em muitos outros tipos de células mas elas são mais notáveis nos neurônios, cujos caracteres estruturais se destinam a facilitar a transmissão dos impulsos a grandes distâncias. A cromatina nuclear é escassa, enquanto que o nucléolo é muito proeminente. O DNA está presente na cromatina sexual, que é maior em neurônios de indivíduos do sexo feminino. A substância cromidial no citoplasma é chamada de substância de Nissl. À microscopia eletrônica mostra-se disposta em tubos estreitos recobertos de finos grânulos. Estudos histoquímicos e outros demostraram-na constituída de nucleoproteínas. Estas nucleoproteínas diminuem durante a atividade celular intensa e durante a cromatólise que se segue à secção de axônios.

O funcionamento do neurônio

O neurônio é uma célula altamente especializada na transmissão de informações, na forma de impulsos nervosos. Os impulsos nervosos são fenômenos eletroquímicos que utilizam certas propriedades e substâncias da membrana plasmática, que permitem que seja criado e transmitido um impulso elétrico.

Um neurônio em repouso é uma célula que possui uma diferença de voltagem entre o seu citoplasma e o líquido extracelular. Esta diferença de voltagem é criada graças ao acúmulo seletivo de íons potássio (K+) e sódio (Na+), que ocorre pela ação de bombas que criam uma diferença de concentração. Esta diferença de concentração é controlada por canais de K+ e de Na+, gerando uma tensão negativa (de -58mV no interior de neurônios humanos), que pode variar entre espécies.

Este estado de equilíbrio (ou estado de polarização do neurônio) dura até o momento em que um potencial de ação abre os canais de K+ e de Na+, alterando a concentração destes íons. Esta modificação gera um potencial positivo dentro do neurônio, chegando aos + 40mV ou mais (dependendo do organismo estudado). Este desequilíbrio gera um efeito cascata, que é o potencial de ação. Usualmente o potencial de ação inicia no começo no axônio (zona de disparo) e se propaga até as vesículas sinápticas, gerando a descarga de neurotransmissores.

Após ter ocorrido o potencial de ação, imediatamente os canais de K+ e de Na+ começam a restabelecer o equilíbrio anterior, com uma tensão negativa no interior do neurônio e positiva fora dele. O neurônio precisa, então, de um brevíssimo tempo para reconstituir seu estado pré-descarga, e durante este tempo ele não consegue efetuar outro potencial de ação. Este período de latência chama-se período refratário. Logo em seguida, o neurônio adquire sua capacidade para efetuar outro potencial de ação, estabelecendo um ciclo.

Tipos de neurônios

Receptores ou sensitivos (aferentes)

São os neurônios que reagem a estímulos exteriores e que despertam a reação a esses estímulos, se necessário. A sua constituição é um pouco diferente dos outros dois tipos de neurônios. De um lado do axônio tem os sensores que captam os estímulos. Do outro lado possui os dendritos. O corpo celular localiza-se perto do axônio, estando ligado a este por uma ramificação do axônio, assumindo um pouco o aspecto de um balão.

Associativos ou Conectores ou Interneurônios

O grupo de neurônios mais numeroso. Como o nome indica, estes neurônios transmitem o sinal desde os neurônios sensitivos ao sistema nervoso central. Liga também neurônios motores entre si.

Neste tipo de neurônios o axônio é bastante reduzido, estando o corpo celular e os dendritos ligados diretamente à arborização terminal, onde se localizam os telodendritos.

Motores ou efetuadores (eferentes)

Este tipo de neurônio tem a função de transmitir o sinal desde o sistema nervoso central ao órgão eretor (que se move), para que este realize a ação que foi ordenada pelo encéfalo ou pela medula espinhal. Este é o neurônio que tem o aspecto mais familiar, que nós estamos habituados a ver nas gravuras.

Sinapse

Sinapses nervosas são os pontos onde as extremidades de neurônios vizinhos se encontram e o estímulo passa de um neurônio para o seguinte por meio de mediadores químicos, os neurotransmissores. A sinapse é considerada uma estrutura formada por: membrana pré-sináptica, fenda sináptica e membrana pós sináptica.

As sinapses ocorrem no "contato" das terminações nervosas chamadas axônios, usualmente com os dendritos de outro neurônio, mas pode haver contato com o corpo celular e mesmo com outros axônios (menos comum). O contato físico em sinapses químicas não existe realmente, pois há um espaço entre elas, denominado de fenda sináptica, onde ocorre a ação dos neurotransmissores. Dos axônios, são liberadas substâncias (neurotransmissores), que atravessam a fenda e estimulam os receptores pós-sinápticos.

A literatura aponta a existência de dois tipos de sinapses neuronais: as sinapses químicas e as sinapses elétricas. Ambos os tipos de sinapses transmitem o potencial de ação para outros neurônios, diferindo apenas no mecanismo de comunicação (químico ou elétrico).

Tipos de sinapses

Químicas

As sinapses químicas consistem na maioria das sinapses presentes no sistema nervoso. Ela consiste numa fenda presente entre o axônio do neurônio que está transmitindo a informação (neurônio pré-sináptico) e o neurônio que receberá uma descarga de neurotransmissores, o receptor (neurônio pós-sináptico).

Quando o impulso nervoso atinge as extremidades do axônio, libertam-se para a fenda sináptica os neurotransmissores, que se ligam a receptores da membrana da célula seguinte, desencadeando o impulso nervoso, que, assim, continua a sua propagação.

A chegada do impulso nervoso até o botão sináptico, que é a parte do neurônio pré-sináptico que irá liberar os neurotransmissores, provocará uma reação de liberação de vesículas sinápticas, carregadas com neurotransmissores. Estas substâncias passarão pela fenda sináptica atingindo sítios receptores dos dendritos dos neurônios pós-sinápticos, o que provavelmente irá gerar um potencial de ação provocando um impulso nervoso, que passará pelo corpo celular e prosseguirá até o axônio.

Elétricas

Alguns neurônios comunicam-se através de sinapses menos comuns, que são as sinapses elétricas, que são junções muito estreitas entre dois neurônios. Estas junções comunicantes são constituídas por proteínas chamadas de conéxons, que permite uma continuidade entre as células e dispensa, em grande medida, o uso de neurotransmissores. Este tipo de sinapse reduz muito o tempo de transmissão do impulso elétrico entre os neurônios, sendo a ideal para comportamentos que exigem rapidez de resposta. Organismos como lagostins, que necessitam fugir com velocidade de predadores, possuem sinapses elétricas em vários circuitos.

Outros sistemas que se beneficiam com a sincronização de neurônios também utilizam este tipo de sinapse, como por exemplo neurônios do tronco encefálico, que controlam o ritmo da respiração e em populações de neurônios secretores de hormônios. Esta sincronização facilita a descarga hormonal na corrente sanguínea. Estas junções também chamadas de abertas estão em abundância no músculo cardíaco (discos intercalares) e músculo liso (corpos densos).

Atos voluntários e involuntários

Todas as ações que nós executamos são ordenadas pelo sistema nervoso central.

A maioria desses atos são devidamente planejados e feitos conscientemente, como, por exemplo, beber por um copo, escrever, ler, jogar, etc.

Contudo existem outros atos que simplesmente não são planejados antes de serem feitos. Por exemplo, se alguém agitar a mão de encontro à nossa cara, a reação instantânea é fechar os olhos. Se tocarmos em alguma coisa muito quente, o instinto é tirar a mão de imediato. Temos também para ser mais explicitos, o bater do nosso coração é um acto completamente automático.

Esses são os chamados atos involuntários.

  • Os atos voluntários, planeados e executados, são comandados pelo cérebro (Sistema Nervoso Periférico Somático).
  • Os atos involuntários, que não são pensados antes de serem executados (instintos), são comandados pela medula espinal (Sistema Nervoso Periférico Autônomo).

Mal de parkison

A doença de Parkinson ou mal de Parkinson, descrita pela primeira vez por James Parkinson em 1817,1 é caracterizada por uma doença progressiva do movimento devido à disfunção dos neurônios secretores de dopamina nos gânglios da base, que controlam e ajustam a transmissão dos comandos conscientes vindos do córtex cerebral para os músculos do corpo humano. Não somente os neurônios dopaminérgicos estão envolvidos, mas outras estruturas produtoras de serotonina, noradrenalina e acetilcolina estão envolvidos na gênese da doença. O nome "Parkinson" apenas foi sugerido para nomear a doença pelo grande neurologista francês Jean-Martin Charcot, como homenagem a James Parkinson.2.0

 

Neuróglia

 

 

As células da glia, geralmente chamadas neuróglia, nevróglia ou simplesmente glia (grego para "cola") ou gliócitos, são células não neuronais do sistema nervoso central que proporcionam suporte e nutrição aos neurônios. Geralmente arredondadas, no cérebro humano as células da glia são, aproximadamente, 10 vezes mais frequentes que os neurônios no corpo humano. Ao contrário do neurônio, que é amitótico, nas células gliais ocorre a mitose.

Por décadas, neurocientistas acreditaram que os neurônios eram os responsáveis por toda a comunicação no cérebro e sistema nervoso e que as células gliais, embora nove vezes mais numerosas que os neurônios, apenas os alimentavam.

Novas técnicas de imagem e instrumentos de “escuta” mostram que as células gliais se comunicam com os neurônios e umas com as outras sobre as mensagens trocadas pelas células nervosas. As células gliais são capazes de modificar esses sinais nas fendas sinápticas entre os neurônios e podem até mesmo influenciar o local da formação das sinapses.

Devido a essa proeza, as células gliais podem ser essenciais para o aprendizado e para a construção de lembranças, além de importantes na recuperação de lesões neurológicas. Experiências para provar isso estão em andamento.

Função

As principais funções das células da glia são cercar os neurônios, e mantê-los no seu lugar, fornecer nutrientes e oxigênio para os neurônios, isolar um neurônio do outro, destruir patógenos e remover neurônios mortos. Mantêm a homeostase, formam mielina e participam na transmissão de sinais no sistema nervoso.

As células de glia têm a importante função de produzir moléculas que modificam o crescimento de dendritos e axónios. Descobertas recentes no hipocampo e cerebelo indicam que também participam ativamente nas transmissões sinápticas, regulando a libertação de neurotransmissores ou libertando-os elas mesmas e libertando ATPque modela funções pré-sinápticas.

São cruciais na reparação de neurônios que sofreram danos: no sistema nervoso central a glia impede a reparação - os astrócitos alargam e proliferam de modo a produzirem mielina e moléculas que inibem o crescimento de um axônio lesado, no sistema nervoso periférico as células de Schwann promove a reparação regressando a estado de desenvolvimento mais jovem.

Tipos de glia

Microglia

Micróglia consiste em macrófagos especializados, capazes de fagocitar, que protegem os neurônios. São as menores de todas as células gliais e correspondem a 15% de todas as células do tecido nervoso. Da microglia fazem parte as células ependimárias e as células de Schwann.

Macroglia

Os tipos de células da macróglia são Astrócitos, Oligodendrócitos e os Glioblastos.

Localização

Nome

Descrição

SNC

Astrócitos

Forma estrelada; sinalização celular; a comunicação neurônio-astrócito dá-se em ambas as direções; os pés dos astrócitos ligam neurônios e vasos sanguíneos (função nutritiva).

SNC

Oligodendrócitos

Fabricação da mielina a partir de lípidos e proteínas; neurônios do SNC revestidos por oligodendrócitos.

SNC

Célula radial (Glioblastos)

Na retina esta é a principal célula glial e participa na comunicação bidirecional dos neurônios...

 

Meninge

 

Meninges (singular meninge do Grego μῆνιγξ, "membrana") são o sistema das membranas que revestem e protegem o Sistema nervoso centralmedula espinal, tronco encefálico e o encéfalo. A meninge consiste de três camadas: a Dura-máter, a Aracnoide, e a Pia-máter. A função primária das menínges e do Líquido cefalorraquidiano é proteger o Sistema nervoso central.

Anatomia

Dura-máter

dura-máter [Grego. Dura: Resistente + mater: Mãe] (também conhecida como meninge fibrosa) é uma grossa e dura membrana, próxima ao crânio. É a mais espessa e externa das meninges. Consiste de duas camadas: a camada periosteal (mais externa) - que fica mais próxima à caixa craniana e é afixada aos ossos cranianos atuando como periósteo (porém sem função osteogênica) limitando a região cerebral; e a camada interna que fica mais próxima ao cérebro e continua com a medula espinhal.

A dura-máter contém grandes vasos sanguíneos que se dividem em capilares menores na pia-máter. Ela é composta de tecido fibroso denso e sua superfícies interna é coberta por células achatadas como as presentes nas superfícies da pia-máter e da aracnoide. A dura-máter é um saco que envolve a aracnoide e serve estrategicamente a diversas funções como atuar no combate aos ataques patológicos infectantes e doenças malignas. A dura-máter envolve e suporta os grandes canais venais (dural sinuses) levando o sangue do cérebro para o coração.

Aracnoide

O elemento central das menínges é a aracnoide, chamada assim devido à sua aparência similar a de uma teia de aranha. Ela provê um efeito de amortecimento para o sistema nervoso central. A aracnoide existe como uma fina e transparente membrana. É composta de tecido fibroso e, como a pia-máter, é encoberta por células achatadas, impermeáveis a fluídos. Ela está logo abaixo da dura-máter, atuando, além da defesa, na formação dos espaços intra-meníngicos.

A aracnoide-mater não segue as convoluções da superfície do cérebro parecendo, portanto, como um saco frouxo. Na região do cérebro, particularmente, um grande número de finos filamentos chamados de arachnoid trabeculae passa da aracnoide através do espaço subaracnoide para misturar-se com o tecido da pia-máter.

aracnoide e a pia-máter são, às vezes, chamadas, juntas, de leptomeninges.

Nela está contido o líquor (ou líquido cefalorraquidiano) com aproximadamente 150ml.

Pia-máter

pia-máter [Grego. Pia: macia + máter: mãe] é uma membrana bem delicada. É a mais delgada das menínges. É o envelope meníngeo que firmemente adere à superfície do cérebro e a medula espinhal (feixes nervosos). Ela segue aos menores contornos do cérebro (Giro e Sulco). A pia-máter é uma bastante fina membrana composta de tecido fibroso coberta em sua superfície externa por uma folha de células achatadas impermeável a fluídos. A pia-máter é atravessada por vasos sanguíneos que vão do cérebro à medula espinal e, seus capilares são responsáveis pela nutrição do cérebro.

Espaços

Espaço subaracnoideo é o espaço que existe normalmente entre o aracnóide e a pia-máter, que é preenchida pelo Líquido cerebrospinal.

Normalmente, a dura-máter está anexada ao crânio, ou aos ossos do canal vertebral na medula espinhal. A aracnoide está anexada ao dura-máter, enquanto que a pia-máter está anexada ao tecido do Sistema Nervoso Central. Quando a dura-máter e a aracnoide se separam, o espaço entre elas é chamado de espaço subdural.

Patologia

Existem três tipos de hemorragias envolvendo as meninges:

  • hemorragia subaracnoidea é um sangramento agudo abaixo da aracnoide; pode ocorrer espontaneamente ou como resultado de um trauma.
  • hematoma subdural é um hematoma (acúmulo de sangue) localizado no espaço criado na separação entre a aracnoide e a dura-máter. A pequenas veias que conectam o dura-máter e a aracnoide são lesionadas, normalmente durante um acidente, e o sangue pode vazar dentro desta área.
  • Um hematoma epidural similarmente pode surgir após um acidente ou espontaneamente.

Outras condições médicas que afetam as meninges incluem a meningite (podendo esta ser causada por infecção fúngicabacterial, ou virótica) e os meningiomas(tumor na meninge) surge nas meninges ou em tumores formados em outra parte do organismo que sofrem metástase para as meninges.

 

Sistema nervoso autônomo

 

Sistema nervoso autônomo  ou sistema nervoso autônomo  (também chamado sistema neurovegetativo ou sistema nervoso visceral) é a parte do sistema nervoso que está relacionada ao controle da vida vegetativa, ou seja, controla funções como a respiraçãocirculação do sangue, controle de temperatura e digestão.

No entanto, ele não se restringe a isso. É também o principal responsável pelo controle automático do corpo frente às modificações do ambiente. Por exemplo, quando o indivíduo entra em uma sala com um ar-condicionado que lhe dá frio, o sistema nervoso autônomo começa a agir, tentando impedir uma queda de temperatura corporal. Dessa maneira, seus pelos se arrepiam (devido à contração do músculo pilo-eretor) e ele começa a tremer para gerar calor. Ao mesmo tempo ocorre vasoconstrição nas extremidades para impedir a dissipação do calor para o meio. Essas medidas, aliadas à sensação desagradável de frio, foram as principais responsáveis pela sobrevivência de espécies em condições que deveriam impedir o funcionamento de um organismo. Dessa maneira, pode-se perceber que o organismo possui um mecanismo que permite ajustes corporais, mantendo assim o equilíbrio do corpo: a homeostasia.

Generalidades

O sistema nervoso autônomo (SNA) ajuda muito nesse controle porque é o responsável, entre outras funções, pelas respostas reflexas (de natureza automática), controla a musculatura lisa (a musculatura cardíaca e as glândulas exócrinas) e permite o aumento da pressão arterial, o aumento da freqüência respiratória, os movimentos peristálticos, a excreção de determinadas substâncias.

Apesar de se chamar sistema nervoso autônomo, ele não é independente do restante do sistema nervoso. Na verdade, ele é interligado com o hipotálamo, que coordena a resposta comportamental para garantir a homeostasia.

Sabe-se que o SNA é constituído por um conjunto de neurônios que se encontram na medula e no tronco encefálico. Estes, através de gânglios periféricos, coordenam a atividade da musculatura lisa, da musculatura cardíaca e de inúmeras glândulas exócrinas. Mas como o SNA percebe que deve aumentar a pressão arterial, por exemplo?

Na verdade, não existe um consenso em relação a isso. Muitos acreditam que existem componentes específicos do sistema nervoso autônomo, responsáveis apenas pela percepção de parâmetros físico-químicos, como pressão, pH, tensão, temperatura, etc. Outro grupo acredita que os sistemas sensoriais, principalmente o somestésico, são os responsáveis pela percepção dessas condições no organismo, e que, posteriormente, através do sistema nervoso central, essa informação é repassada ao sistema nervoso autônomo, que irá agir para o controle do equilíbrio corporal.

Anatomia

A organização estrutural do ramo eferente do SNA difere daquela do sistema nervoso somático, visto que as fibras eferente somáticas se originam dos corpos celulares localizados no sistema nervoso central (SNC) e inervam o músculo estriado sem sinapses interpostas. Em contraste, o SNA consiste num afluxo constituído de dois neurônios, em que os axônios pré-ganglionares que surgem dos corpos celulares no eixo cérebro espinhal fazem sinapses com fibras pós-ganglionares que se originam nos gânglios autônomos, fora do SNC. O SNA é dividido em duas partes:

Trata-se de uma divisão baseada nas características anatômicas de cada divisão e nas funções que cada uma delas desempenha.

Características funcionais

Alguns órgãos são duplamente inervados pelos sistemas nervosos simpáticos e parassimpáticos - a exemplo das glândulas salivares, do coração, dos pulmões(músculo brônquico), das vísceras abdominais e pélvicas - enquanto outros órgãos só recebem inervação de um sistema. As glândulas sudoríparas, a medula suprarrenal, os músculos piloeretores e a maioria dos vasos sanguíneos são inervados apenas pelo sistema nervoso simpático. Por outro lado, o parênquima das glândulas paróditaslacrimais e nasofaríngeas é inervado apenas por fibras parassimpáticas.

Para compreender ou prever os efeitos de drogas autônomas sobre um órgão específico, é necessário conhecer não apenas como cada divisão do SNA afeta este órgão, mas também se o órgão possui inervação única ou dupla e, quando dupla, qual dos dois sistemas é predominante nesse órgão. Em certas circunstâncias, um deles pode exercer influência; entretanto, é preciso assinalar que nenhum deles tem efeito dominante na atividade da inervação intrínseca dos vários tecidos. 

Principais diferenças entre o Sistema Nervoso Simpático e Sistema Nervoso Parassimpático

As características anatômicas e funcionais das duas divisões devem tornar clara a existência de notáveis diferenças entre os sistemas nervosos simpáticos e parassimpático.

Cannon foi o primeiro a reconhecer que o sistema nervoso simpático é capaz de produzir o tipo de resposta maciça e disseminada que permite a um organismo, quando confrontado com determinado estresse (como dorasfixia ou emoções fortes), responder adequadamente (i.e., com "medo, luta ou fuga").

O SNA divide-se em sistema nervoso simpático e sistema nervoso parassimpático, que são constituídos basicamente por uma via motora com dois neurônios, sendo um pré-ganglionar (cujo corpo se encontra no sistema nervoso central) e outro pós-ganglionar (cujo corpo se encontra em gânglios autônomos).

No sistema simpático, logo depois que o nervo espinhal deixa o canal espinal, as fibras pré-ganglionares abandonam o nervo e passam para um dos gânglios da cadeia simpática, onde farão sinapse com um neurônio pós-ganglionar.

No sistema parassimpático, as fibras pré-ganglionares normalmente seguem, sem interrupção, até o órgão que será controlado, fazendo então sinapse com os neurônios pós-ganglionares. Dessa maneira percebe-se que os neurônios pré-ganglionares do simpático são curtos e os pós-ganglionares são longos; no parassimpático ocorre o inverso. Já o sistema nervoso entérico apresenta seus corpos celulares na parede do trato gastrointestinal.

Os neurônios pré-ganglionares do sistema simpático emergem dos segmentos tóraco-lombares (da região do peito e logo abaixo), ao passo que os do sistema parassimpático emergem dos segmentos céfalo-sacrais (da região da cabeça e logo acima dos glúteos).

Uma importante característica da inervação dos músculos pelo sistema nervoso autônomo é que - ao contrário da inervação somática, que apresenta regiões pré e pós sinápticas especializadas - suas terminações nervosas apresentam varicosidades onde o neurotransmissor vai se acumulando através de vesículas. Dessa maneira, a transmissão de sinais ocorre em vários pontos, através de terminais axoniais, e posteriormente se difunde no tecido. Essa "estratégia" é bem diferente da empregada no sistema autônomo, que se baseia na relação ponto-a-ponto. Isso garante que um número menor de fibras nervosas seja capaz de regular de maneira eficiente órgãos e glândulas.

Normalmente as fibras nervosas dos sistemas simpáticos e parassimpáticos secretam dois neurotransmissores principais:

As fibras que secretam noradrenalina ativam receptores adrenérgicos e as que secretam acetilcolina ativam receptores colinérgicos.

Ao contrário do que se pode imaginar, não existe uma regra muito precisa de qual das duas substâncias cada sistema emprega; no entanto, pode-se fazer algumas generalizações para melhor compreensão. Podemos assim afirmar que todos os neurônios pré-ganglionares, sejam eles simpáticos ou parassimpáticos, são colinérgicos. Consequentemente, ao se aplicar acetilcolina nos gânglios, os neurônios pós-ganglionares de ambos os sistemas serão ativados.

Em relação aos neurônios pós-ganglionares do sistema simpático, estes, em sua maioria, liberam noradrenalina, a qual excita algumas células mas inibe outras. No entanto, alguns neurônios pós-ganglionares simpáticos, são colinérgicos, como por exemplo, os que enervam a maioria das células sudoríparas. Outro exemplo são os que enervam alguns vasos que irrigam tecido muscular.

Avaliações do sistema nervoso autônomo

A avaliação do Sistema Nervoso Autônomo (SNA) pode ser realizada de forma direta e indireta. O registro direto das propriedades elétricas de nervos autonômicos, como a velocidade de condução e a amplitude dos picos de atividade elétrica neural, requer a dissecção de fibras nervosas autonômicas superficiais, tornando impraticável a sua utilização clínica rotineira. A forma indireta baseia-se na aplicação de um estímulo quantificável e a observação da resposta fisiológica do órgão alvo de um reflexo autonômico conhecido, ou utilizando-se drogas que interfiram direta ou indiretamente sobre a atividade do SNA.

A literatura apresenta vários testes utilizados para avaliar a função autonômica em diferentes órgãos. No sistema cardiovascular podemos observar o comportamento da pressão arterial (PA) e da frequência cardíaca (FC) a diferentes estímulos como a respiração, o exercício físico e as mudanças posturais. Em relação aos demais sistemas, temos exemplos de testes descritos para a quantificação do lacrimejamento, da salivação e da resposta da musculatura brônquica à inalação de drogas anticolinérgicas, da variação do diâmetro pupilar decorrente à estimulação luminosa ou à instalação de drogas que interferem no SNA, da liberação de polipeptídeo pancreático e de gastrina.

Abaixo são apresentados alguns dos testes autonômicos cardiovasculares de maior utilização na literatura das ciências de saúde:

  • Manobra de Valsalva
  • Ortostatismo
  • Arritmia sinusal respiratória
  • Análise espectral
  • Exercício estático (“handgrip”)
  • Teste de imersão facial (reflexo do mergulho)
  • Teste de exposição ao frio (“cold pressor”)
  • Reflexo da tosse
  • Teste de estresse mental
  • Sensibilidade do barorreflexo
  • Teste de decúbito (“Iying down”)
  • Outras formas de análise de variabilidade da FC:
  • - Desvio-padrão da duração dos intervalos R-R
  • - Resultante circular média da duração dos intervalos R-R
  • - Base do histograma de freqüência da duração dos intervalos R-R


CLICK NA FOTO OU NO RESULTADO

DE IMAGEM E VEJA MUITO MAIS...

 

 

Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
610 × 389 - vocesabia.net
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
2 dias atrás
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER
Resultado de imagem para imagens DO HOMEM E DA MULHER